Index


O SISTEMA RELIGIOSO



Religiões e filosofias ao redor do criador

 

Islamismo e alcorão

 

O cristianismo alterado


O judaísmo rabinico

 

O Caminho que sai do mundo




















Religiões e filosofias ao redor do criador

O homem é testemunha de sua espiritualidade desde a aurora dos tempos, realiza obras e cerimônias correspondentes às suas crenças, querendo materializar sua fé. Na arqueologia, por exemplo, encontramos representações artísticas e rituais mortuários nas elevações conceituais do homem pré-histórico. Durante a era egípcia, a mumificação preservou o corpo para a ressurreição na vida após a morte, esta esperança de uma vida após a morte continua a existir em muitas religiões. Não importa como o conhecimento científico evolua, os seres humanos estão sempre interessados no reino espiritual e não é apenas para se confortar diante do desconhecido, eles têm o sentimento de que não podemos estar sozinhos na observação da criação. Se a ciência tenta explicar-nos como funciona a nossa existência, também procuramos o porquê. Esse potêncial espiritual vem do fato de que somos verdadeiramente feitos à imagem do Pai Criador. Nosso espírito é superior ao dos animais.
Gênesis 1:27  Deus, portanto, criou os seres humanos à sua imagem, à imagem de Deus os criou: macho e fêmea os criou.

Hoje, as principais correntes religiosas e filosóficas são o hinduísmo, judaísmo, cristianismo, islamismo, budismo e ateísmo. A distinção entre eles diz respeito principalmente à existência de um criador e à natureza do criador. Podemos categorizá-los em três grupos: religiões monoteístas, religiões politeístas e filosofias ateias. Nos próximos capítulos, vamos nos concentrar nas três religiões monoteístas que afirmam estar em harmonia com os textos fundadores da Bíblia. As tabelas comparativas mostrarão que é impossível unificar as três religiões monoteístas sob a mesma bandeira sem realmente tomar consciência dos erros cometidos. Aqueles que imaginam um líder (Rabino, Papa, Imã...) baseado num sincretismo religioso não são nada coerentes com os textos religiosos que usam, querem unificar as religiões com base em semelhanças e estão cegos a anomalias importantes. Exemplos incluem o Chrislam ou o Baha'ism do falso profeta Mirtza Hussein Ali, considerado como a palavra infalível de Deus e o retorno espiritual de Jesus dos Evangelhos, vindo como um ladrão na noite do século 19.
Jeremias 14:14  E ainda disse-me o ETERNO: "Tudo isso que estes profetas andam divulgando em meu Nome é mentira! Eu não os enviei nem lhes dei ordem alguma para falar em meu Nome, sequer falei com eles. Eles vos profetizam falsas visões, adivinhações, doutrinas inúteis e o engano de suas próprias mentes e corações!"

Mateus 24:5  Pois muitos são os que virão em meu nome, proclamando: 'Eu sou o Cristo!', e desencaminharão muitas pessoas.

Marcos 2:22  Assim como não há pessoa que deposite vinho novo em recipiente de couro velho; caso o faça, o vinho arrebentará o recipiente, e dessa forma, tanto o vinho novo quanto o recipiente se estragarão. Ao contrário, põe-se o vinho novo em um recipiente de couro novo". Jesus é Senhor do Sábado

Por que focar nas religiões do Deus da Bíblia? Por um lado, porque o meu site não se destina a comparar as inúmeras religiões do mundo com a Bíblia, seria demasiado longo e, por outro lado, porque os deuses não nos deixam nada comparável em termos de textos. A menos que eu esteja enganado, não conheço nenhum livro antigo que fale com tanta exatidão de nossa cosmologia e anuncie eventos históricos com antecedência. A Bíblia Hebraica é excepcional, é o livro mais lido no mundo até hoje. Aquele que se chama "EU SOU; ETERNO" (Êxodo 3, 14-15) quer provar-nos que é o único Deus vivo que comunica concretamente com a sua criação, para a sua evolução. A escrita, as palavras, os sonhos são meios de comunicação, dão testemunho da informação que o Eterno, o mestre dos espíritos, transmite aos homens. Então, devemos experimentar pessoalmente a fé em nossas vidas através da oração, uma forma eficaz de viver com o Pai Criador.
Mateus 7:7  Pedi, e vos será concedido; buscai, e encontrareis; batei, e a porta será aberta para vós.
Mateus 7:8  Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e a quem bate, se lhe abrirá.
Mateus 7:9  Ou qual dentre vós é o homem que, se o filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra?
Mateus 7:10  Ou se lhe pedir peixe, lhe entregará uma cobra?
Mateus 7:11  Assim, se vós, sendo maus, sabeis dar bons presentes aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai que está nos céus dará o que é bom aos que lhe pedirem!

A humanidade é a criatura mais importante aos olhos do Eterno, devemos ser Seus filhos que continuamente O olham de acordo com Suas instruções. Desde o início da criação, ele quis que exercêssemos sabiamente o nosso livre arbítrio, quis fazer de nós co-criadores na Terra. As estrelas, as montanhas, os rios, as árvores, o leite de vaca e os legumes da terra foram colocados debaixo dos nossos pés, à nossa disposição. Então porque devemos curvar-nos às estrelas e templos feitos pelas mãos dos homens? Por que devemos glorificar a vaca e adorar os rios? Não seria o Eterno que deveríamos agradecer por todas essas coisas que precisamos para sermos felizes? Por outro lado, o humano sem fé polui os rios e maltrata a criatura, geralmente procura justificar-se com boas obras. Finalmente, ele esquece o mal que possa ter feito ou dito de Deus e do seu próximo, preferindo servir à vontade da sua carne em vez do Pai justo.
Romanos 1:19-25  pois o que de Deus se pode conhecer é evidente entre eles, porque o próprio Deus lhes manifestou. Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido observados claramente, podendo ser compreendidos por intermédio de tudo o que foi criado, de maneira que tais pessoas são indesculpáveis; porquanto, mesmo havendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe renderam graças; ao contrário, seus pensamentos passaram a ser levianos, imprudentes, e o coração insensato deles tornou-se em trevas. E, proclamando-se a si mesmos como sábios, perderam completamente o bom senso e trocaram a glória do Deus imortal por imagens confeccionadas conforme a semelhança do ser humano mortal, bem como de pássaros, quadrúpedes e répteis. Por esse motivo, Deus entregou tais pessoas à impureza sexual, segundo as vontades pecaminosas do seu coração, para degradação de seus próprios corpos entre si. Porquanto trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram objetos e seres criados, em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amém!

Ao nível das ciências e filosofias ensinadas, a razão e o conhecimento científico não se opõem à fé, pelo contrário, uma análise integral e lógica dos dados da experiência em todos os campos tem guiado muitas pessoas para a fé, o crente deve ser livre para raciocinar sobre a realidade da criação e não cair no obscurantismo religioso, seja antes ou depois da era da iluminação ou da obscuridade. Quanto à famosa filosofia budista, ela quer provar ser uma disciplina psicossomática visando o florescimento do "eu" e seria a priori difícil falar de uma espiritualidade ou de um materialismo. Contudo, sou da mesma opinião daqueles que qualificam o budismo como uma filosofia religiosa, uma vez que ainda existem rituais (qualificados como religiosos) e crenças como a manutenção da consciência após a morte ou a presença de identidades espirituais. O Daïlla Lama e seus seguidores também têm opiniões fortes sobre certos assuntos, nomeadamente sobre o princípio criativo que eles rejeitam. Inicialmente, o budismo não é uma revelação e não fornece respostas a perguntas existênciais, por isso Buda pareceu mais sábio em não respondê-las. Convido os seguidores do Budismo a interessarem-se pelas boas novas da ressurreição dos Evangelhos (se o Eterno criou e ama o homem, Ele o fará novamente) e a reconsiderarem o seu ponto de vista sobre a criação.
Atos 17:18  Então, alguns filósofos epicureus e estóicos começaram a argumentar com ele. Alguns indagavam: "O que deseja comunicar esse tagarela?" Outros comentavam: "Parece ser um anunciador de deuses estranhos", pois Paulo lhes pregava as Boas Novas de Jesus e a ressurreição.
Atos 17:19  Por essa razão, o levaram a uma reunião no Areópago, onde lhe questionaram: "Podes revelar-nos que nova doutrina é essa sobre a qual dissertas?
Atos 17:20  Pois estás nos apresentando pensamentos estranhos, e desejamos compreender o significado de tais ideias".

O segundo ponto importante a mencionar sobre as filosofias deste mundo é a frequente rejeição da abordagem do bem e do mal pelo Eterno. Na verdade, não crendo em Deus, a natureza do que é considerado bom e mau varia, os limites do yin e do yang estendem-se e retraem-se de acordo com o indivíduo e o grupo. Por exemplo, a prostituição e a homossexualidade já não são más práticas, vender o seu corpo ou esfregar a sua genitália no local onde o excremento passa não seria ofensivo. Portanto, estamos em completa oposição à santidade corporal e à santificação espiritual solicitadas pelo Eterno em Suas instruções (mandamentos). Se a natureza primordial não é administrada pelo Eterno e pelo homem, nós nos contaminamos. O amor aos mandamentos é, portanto, uma prioridade para aqueles que têm fé. No nosso planeta, temos também de controlar as nossas ações, fazer buracos na crosta oceânica e na camada de ozonio, o que tem consequências.
1Timóteo 1:5-11  O alvo dessa orientação é o amor que procede de um coração puro, de uma boa consciência e de uma fé sincera. Alguns, contudo, se desviaram desses princípios, e se entregaram a discussões sem valor algum, intentando ser mestres da Lei, quando não compreendem nem o que propalam nem os assuntos sobre os quais fazem afirmações com tanta convicção. A Lei e os seus reais objetivos Sabemos, todavia, que a Lei é boa, se alguém a usa de forma adequada. De igual modo, sabemos que ela não é feita para os justos, mas para os transgressores e insubmissos, para os perversos e pecadores, para os profanos e irreverentes, para os que matam pai e mãe, para os assassinos, para os que vivem na prática de imoralidades sexuais e os homossexuais em geral, para os sequestradores, para os mentirosos e os que fazem juramentos falsos; e para todo aquele que se revolta contra a sã doutrina. Esta sã doutrina encontra-se no glorioso Evangelho que me foi outorgado, a saber, o Evangelho do Deus bendito! A eficácia da graça de Deus.

2João 1:6  E este é o mandamento do amor: que andemos em obediência às suas ordenanças. Como tendes ouvido desde o princípio, o mandamento é este: Que andeis em amor! Os falsos mestres e suas heresias
 
Finalmente, partilhemos algumas palavras sobre o secularismo, o princípio da separação entre a sociedade civil e a sociedade religiosa. A ideologia desempenha um papel importante na reivindicação de uma certa liberdade em relação às religiões. Se nos países impedem os extremistas de impor tradições puramente humanas (morte aos incrédulos, habituando a criatura a velar seu corpo e rosto, asfixia dos cabelos, sinais religiosos pagãos...), entra em conflito com o criador, posicionando-se acima de suas leis (financiamento de edifícios religiosos pagãos, ensino privilegiado do ateísmo, casamento para todos...). O secularismo é como uma sopa fervilhando com crenças numa panela, seus ensinamentos, leis, festivais e templos lhe dão a aparência de uma religião. Pense no templo moderno do Panteão Pagão que significa "templo dedicado aos deuses". Se Yeshua e os discípulos deixaram a liberdade de crer, eles não foram colocados por amor às leis do Eterno. A Bíblia nos lembra da situação neste mundo:
1Córintios 8:5  Pois, ainda que haja os chamados deuses, quer no céu, quer na terra; como de fato há muitos deuses e senhores;
1Córintios 8:6  para nós, contudo, há um único Deus, o Pai, de quem tudo procede e para quem vivemos; em um só Senhor, Jesus Cristo, por intermédio de quem tudo o que há veio a existir, e por meio de quem também vivemos.

As religiões monoteístas são uma isca, não devem ser uma prisão, mas um trampolim na nossa busca da verdade. Eles são primeiramente baseados na Bíblia, a revelação do Senhor ao povo de Israel. Fazendo um paralelo com o primeiro filme da trilogia Matrix, nosso mundo seria "a matriz" contendo um conjunto de idéias religiosas e filosóficas que teremos que analisar e discernir. A pílula vermelha seria a escolha do batismo, um compromisso de boa consciência para viver a realidade das palavras de Cristo/messias, uma luz que o mundo mal percebe. Devemos virar nossos rostos para a entrada da luz de uma caverna e parar de observar as sombras que atravessam as paredes rochosas. Na minha página de apresentação do site, mencionei a necessidade de ir ao deserto para limpar o ar, para encontrar o silêncio dos pais do deserto. A tempestade, o terremoto e o fogo passarão, mas o suave murmúrio da voz do Eterno é a porta estreita que leva as crianças à vida. Não estou a inventar isto:
Mateus 7:13  Entrai pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que levam à perdição, e muitos são os que entram por esse caminho.
Mateus 7:14  Porque estreita é a porta e difícil o caminho que conduzem à vida, apenas uns poucos encontram esse caminho! Pelo fruto se conhece a árvore
Mateus 7:15  Acautelai-vos quanto aos falsos profetas. Eles se aproximam de vós disfarçados de ovelhas, mas no seu íntimo são como lobos devoradores.
Mateus 7:16  Pelos seus frutos os conhecereis. É possível alguém colher uvas de um espinheiro ou figos das ervas daninhas?

Para concluir, eu diria que é essencial questionar nossas crenças, o objetivo é avançar em direção à Verdade. O nosso condicionamento (cultura, tradição, educação...) e o nosso amor carnal (família, amor, amizade...) são obstáculos no caminho para o deserto. Precisamos do maná do criador, devemos nutrir-nos de qualidades espirituais ou celestes: o amor à verdade, a humildade, a honestidade, a justiça, a perseverança, a generosidade e a lógica são virtudes que nos ajudam a abrir os olhos à realidade. Yeshua (Jesus) chega ao ponto de dizer que se deve odiar o pai e a mãe para segui-lo, não pediu para odiar os pais, mas para renunciar radicalmente às falsas idéias ensinadas dentro da família e de sua comitiva. Os erros muitas vezes se repetem de geração em geração e não podemos ficar passivos mantendo os pés nas raízes do mundo, é importante nascer de novo, mostrar o novo homem do céu unido a Deus.
João 3:3  Jesus respondeu-lhe, declarando: "Em verdade, em verdade te asseguro que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus."
João 3:4  Nicodemos questionou-o: "Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, todavia, entrar pela segunda vez no ventre de sua mãe e nascer novamente?"
João 3:5  Arrazoou Jesus: "Em verdade, em verdade te asseguro: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus.
João 3:6  O que é nascido da carne é carne; mas o que nasce do Espírito é espírito.



















Islamismo e alcorão

Teríamos muito a escrever sobre o Islão, e é por isso que me concentrei apenas em pontos importantes que aparecem directamente nos textos do Alcorão. As longas e por vezes contraditórias discussões em torno de diferentes comentários e hadiths foram postas de lado: a idade de Aïcha para a sua primeira relação sexual, o conflito sobre o sucessor de Muhammed, as diferentes versões e leituras para a composição do alcorão, a forma como as populações são convertidas, as inconsistências das histórias copiadas da Bíblia (afogar o filho de Noé na inundação, a terra natal de Isa...). O Islão é uma grande religião humana, mas não lhe foi permitido impor o seu exército e religião na Europa e a derrota não lhes deixou outra escolha senão tentar propagar-se através do "Islão moderado".
Não tendo outra escolha a não ser propagar através do "Islão moderado", vejo uma forte contradição com os versos do Alcorão que incitam a punir severamente as pessoas que não reconhecem Maomé como profeta e confessam que Yeshua é realmente declarado o filho de Deus.

Convido também o leitor a assistir a um documentário informativo sobre os métodos financeiros utilizados para fazer avançar o Islão na Europa: ¹"Qatar, guerra de influência sobre o Islão na Europa". Felizes são os muçulmanos que compreenderão que o Islã não será a única e última religião na Terra, especialmente através destes tipos de práticas. O sonho religioso e político dos irmãos muçulmanos em colaboração com homens de poder influência o subconsciente de muitos muçulmanos. Por outro lado, o número de cristãos no Norte de África diminuiu consideravelmente nos últimos dois séculos, tendo o seu número sido dividido por quatro devido a movimentos radicais. Onde está a comunidade sobre a qual Deus Alá estava falando? Em seu próprio berço islâmico, eles fazem guerra uns contra os outros e matam o cristão, a religião não se distinguiu dos outros.

De fato, a verdadeira fé está centrada nas palavras do personagem mais importante dos livros: o homem Yeshua (Jesus), o Messias. De que serve ganhar o mundo se perdemos a vida que está dentro do Pai de Luz? O Islão deve voltar à leitura das palavras do Eterno e mostrar sabedoria adotando a lei da primazia. Não podemos ignorar o passado estalando os dedos, nada que não corresponda ao "infalível Alcorão" é reduzido a uma falsificação ou abolição sem sentido, é ridículo. Gênesis ou o Evangelho de Mateus são livros para serem lidos primeiro, não é o Alcorão, especialmente se não estiver em conformidade com a palavra dos profetas e apóstolos pregados aos árabes (Atos 2:11; Gálatas 1:17; Gálatas 4:25). A tabela a seguir ajudará o usuário a retornar à lógica das escrituras:

Surata XVII: 111
"Alá não se deu um filho, não tem parceiro na realeza..."

Surata IX: 30-31
"Os judeus disseram que Uzair é o filho de Deus...Os cristãos disseram: "O Messias é o filho de Deus...Que Alá os destrua, estúpidos!"..."Tomaram os seus mestres e monges e o Messias como senhores, em vez de Deus. Mas foi-lhes ordenado que adorassem um único deus.

O Alcorão e os muçulmanos não usam os termos "filho de Deus". Este livro expressa claramente que o deus de Alá não gera ninguém de forma alguma.
O Alcorão ignora totalmente a importância do homem como filho de Deus.
É óbvio que os cristãos sabem que o Todo-Poderoso pode defender-se sozinho (trindade ou não), isto não é um argumento para negar a noção de filho.

O título "senhor" é usado muitas vezes para aquele que recebe autoridade, ele se associa com o Senhor no sentido de que ele participa de seu plano.
O Alcorão não visa apenas o falso dogma da Trindade, mas opõe-se à concepção do Pai e do Filho. A prova é que as mesmas palavras são mencionadas para Uzaïr, ele nunca foi adorado como um membro da trindade. O Alcorão muitas vezes procura acusar outros de validar a doutrina do seu livro.

Alguns exemplos sobre os filhos de Deus: Gênesis 6:2, Provérbios 30:4, Salmos 82:6, Lucas 8:28, Mateus 16:16; 1 João 2:22

Os verdadeiros cristãos e a Bíblia ensinam que o filho especial de Deus (o homem Jesus) não usurpa a posição do único Deus verdadeiro:
1 Coríntios 15:27; João 17:3; 1 Timóteo 2:5

Não vou desejar a aniquilação dos muçulmanos, mas sim o seu arrependimento. O Deus de Alá e o autor do texto são estúpidos. Os filhos de Deus são os humanos que andam no caminho do Eterno. O criador queria gerar seu filho e irmãos (compartilhando seus atributos como vida eterna) desde o início da criação.

Surata XIX: 28-35
"A irmã do Arão... Como falaríamos com uma criança no berço?

...no dia em que nasci, no dia em que morrerei, no dia em que ressuscitarei, este é Isa, filho de Maria.
...não é apropriado que Alá se dê um filho."

O verdadeiro nome do Messias é Yeshua (salvador), este nome nunca é mencionado no Alcorão. Se traduzirmos o nome de uma pessoa para outra língua, no mínimo, o significado deve ser preservado. Isa não é Meshua, o Messias.
Seu nome reflete seu ministério, ele realmente salva seu povo.

Finalmente, quando o Alcorão nos diz que morrerá e ressuscitará, é estranho que os professores muçulmanos coloquem os dois últimos acontecimentos (morte e vida) no fim dos tempos, milhares de anos após a sua concepção.
Gabriel especifica que a criança será chamada filho do Altíssimo.

Yeshua é o filho: Lucas 1:31:32; Mateus 11:27, João 20:31.
Os discípulos guardam o seu nome, o mestre reconhece as suas ovelhas pelo seu nome. O nome Jesus é o filho amado do Eterno.
Filipenses 2:9-11  Por isso, Deus também o exaltou sobremaneira à mais elevada posição e lhe deu o Nome que está acima de qualquer outro nome;para que ao Nome de Jesus se dobre todo joelho, dos que estão nos céus, na terra e debaixo da terra,
e toda a língua confesse que Jesus Cristo é o senhor, para a glória de Deus Pai. Os cristãos devem resplandecer

Surata II: 97.102

"Quem é o inimigo de Gabriel? É aquele que, com a permissão de Deus, enviou ao teu coração o livro que confirma o que foi antes dele.

...Deus é o inimigo dos incrédulos. »
...Nós revelamos-lhe versículos perfeitamente claros. Só os pervertidos não acreditam nisso".

O autor do Alcorão explica frequentemente que aqueles que não acreditam na revelação de Maomé são descrentes. Os leitores temerão o Deus de Deus e pensarão que os versículos que lerem são perfeitamente claros; a revelação não deve ser questionada! No entanto, é necessário verificar a informação nos livros, se os muçulmanos observam discrepâncias com a Bíblia, eles dizem que a Bíblia é falsificada ou não aprofundar o assunto.

Mas quem é perverso e incrédulo? Não é a armadilha para inverter a ordem das coisas?
Não é a Bíblia que deve estar em conformidade com o Alcorão, a Bíblia é a primeira e nós antes de tudo verificamos uma revelação por ela. O muçulmano faz o contrário, dando autoridade do Alcorão sobre a Bíblia, enquanto que em caso de dúvida está escrito para perguntar aos cristãos (Sura X:94)! Se o Alcorão pede para ver a Bíblia, é bom que o texto do seu tempo diga a verdade! É imperativo olhar para as palavras das escrituras anteriores, um processo difícil para os muçulmanos. Vamos ler a próxima linha.

O anjo Gabriel do Alcorão não confirma as escrituras anteriores.
O adversário pode ter a aparência de um deus ou anjo de luz.
2Coríntios 11:4  Porquanto, se alguém vos tem pregado um Jesus que não é aquele que ensinamos, ou se recebeis um outro espírito, que não o Espírito que creio, terdes recebido, ou ainda um evangelho diferente do que tendes abraçado, a tudo isso muito facilmente, tolerais.

2Coríntios 11:14  E essa atitude não é de admirar, pois o próprio Satanás se disfarça de anjo de luz.

Gálatas 1:7  que na verdade, não é o Evangelho. O que acontece é que algumas pessoas vos estão confundindo, com o objetivo de corromper o Evangelho de Cristo.
Gálatas 1:8  Contudo, ainda que nós ou mesmo um anjo dos céus vos anuncie um evangelho diferente do que já vos pregamos, seja considerado maldito!

Surata LXI : 6
A falsa pofhecy
"para confirmar o que existia antes de mim da torá, para vos trazer as boas novas de um profeta que virá depois de mim e cujo nome será Ahmad".

Além de sobre-interpretar os versículos indevidamente, o Alcorão escorrega na boca de Jesus (Yeshua), o Messias das palavras que ele não falou. A cobra astuta de Gênesis também usa a verdade para inserir uma mentira:
"serão como deuses, mas não morrerão se comerem fruta."
Yeshua confirma a tora, mas não anunciou nada sobre Ahmad.

Os muçulmanos usam o Evangelho de Barnabé para anunciar a vinda de Maomé, o problema é que ele data pelo menos do século XIV, depois do alcorão.
Nenhum cristão e judeu viu um grande profeta e uma aliança de Ismael. O Alcorão também não confirma o tora (instrução), vamos continuar lendo a tabela.

Mateus 5:17  Não penseis que vim destruir a Lei ou os Profetas. Eu não vim para anular, mas para cumprir.
(pare! Jesus não acrescentou em sua sentença a vinda de um profeta).

Jesus anuncia também o Consolador: o espírito de verdade nos corações.

Estas passagens serão usadas para anunciar "Ahmad". Ao ler o contexto, o Consolador não é um personagem, mas o espírito de verdade que os discípulos já conheciam através de Jesus. O sopro sagrado da verdade tinha que penetrá-los (ex: Pentecostes): João capítulo 14, 15, 16.

Surata VI: 142.147
A violação de camelos
"dois casais entre os camelos... foste testemunha quando Alá te ordenou que fizesses isto?"

Surata XXII: 36
"colocámos animais sacrificados (camelos, vacas...) entre as coisas sagradas de Alá...
...animais prontos para serem abatidos
...come-a...vais ficar grato?"

O Deus de Alá viola o pacto como um camelo do deserto infiel e violador.
A cobertura no bolo, na sua arrogância, tens de lhe agradecer:
"Foste testemunha quando o Deus de Alá te deu isto?"
"Será que vais ficar grato?".

Gostaria de salientar que esta não é uma autorização para comer camelos em caso de guerras ou fomes, o deus Alá muda a lei alimentar, os camelos já não são considerados impuros como porcos, serão sacrificados e comidos.
Temos a abolição de uma lei considerada abominável pelo Eterno.
Esta ordem não pode ser divina.

Os argumentos são extremamente fracos para evitar reconhecer o erro, você será dito que o deus de Alá faz o que ele quer e que ele muda sua mente sobre uma lei abominável. Também vos será dito que esta lei era exclusivamente para os judeus por causa da sua dureza de coração, por exemplo.
Deuteronômio 14:3  Não comereis nada que seja impuro.

Deuteronômio 14:7  Entretanto, há animais, ou ruminantes ou de casco fendido, de que não comereis: o camelo, o coelho e o rato silvestre. Embora ruminem não têm casco fendido; são proibidos para vosso alimento.

Surata V: 6-7
"aliança que ele fez contigo"

Surata II: 40-41
"fiéis à vossa aliança... acreditem no que vos revelei confirmando o que já receberam... não troquem as minhas revelações".

Nenhuma aliança é profetizada depois da de Israel pelo Messias Yeshua (Jesus).
O deus Alá quer confirmar uma revelação e um pacto a todo o custo.
Os muçulmanos podem olhar para a aliança de Yeshua, a porta está aberta.

Em uma aliança, sempre haverá pessoas que não escutam (livre arbítrio). Os seus erros não são uma justificação para inventar novas alianças.
Uma aliança perfeita (Messias) é o essencial aos olhos do Eterno, não importa quem aceite o caminho estreito.

Jeremias 31:31; Mateus 26:28

Hebreus 13:20  Ora, o Deus da paz, que mediante o sangue da aliança eterna trouxe de volta dentre os mortos o nosso Senhor Jesus, o grande Pastor das ovelhas,
Hebreus 13:21  ele mesmo vos aperfeiçoe em todo o bem a fim de que possais realizar a vontade dele, e opere em vós tudo quanto lhe é agradável, por intermédio de Jesus Cristo, a quem seja a glória para todo o sempre. Amém!

Surata II: 125-130

"Encontramos-te uma casa, um lugar para onde regressas muitas vezes... A estação de Abraão... a peregrinação...

...Abraão e Ismael estavam a construir os alicerces da sua casa.

Que casa? Abraão e Ismael nunca construíram ou reconstruíram uma casa de adoração na Bíblia Hebraica. Abraão enviou para o deserto de Agar.

Então ele fará a sua vida com sua mulher Sara, não voltará ao servo de sua mulher que teve que tomar para ter um filho. Abraão não vai à procura de Ismael, a quem enviou para o deserto, nem constrói esta estranha casa do deus dos deus. A casa do Ka'ba certamente não vem do Eterno, o autor quer estabelecer uma ligação entre o Islão e Abraão.

Exodo 23:24  Não te curvarás perante seus deuses, nem lhes prestarás culto; não seguirás suas práticas e condutas, mas destruirás seus deuses e quebrarás suas colunas sagradas.

Não faças a peregrinação aos Ka'ba, casa dos ídolos.
Não esmague esta pedra e não ponha a cabeça dentro dela. Não reze especialmente na direção de Meca.
João 4:21-24.

Surata XXXVII: 102-112
"Eu vi-me num sonho e sacrifiquei-te, o que achas?...

...recompensamos aqueles que fazem o bem... o nascimento de Isaque, um profeta entre os justos".

O deus de Alá parece ignorar mais uma vez os livros anteriores, ele não menciona o nome do filho de Abraão! Isto tem consequências graves na história, porque, segundo a maioria dos muçulmanos, o filho de Abraão proposto para sacrifício é Ismael!
A Bíblia anuncia claramente Isaque, filho da promessa, filho de Abraão e sua esposa Sara. Observemos que a recompensa da fé de Abraão é o nascimento de Isaque, o Alcorão seria então a verdadeira fonte do erro!

Gênesis 22:2-9 e Hebreus 11:17
O Eterno deu a promessa à mulher de Abraão, Sara. A serva de Abraão deu à luz Ismael, eles estavam ausentes no momento da vinda.

Em vez de integrar naturalmente a aliança de Cristo, o deus de Alá e o Islão preferem modificar a história, procurando ampliar a ligação com Abraão.

Surata XXV : 1-2
"um aviso aos mundos...

aquele que tem o reino dos céus e da terra, aquele que não se deu um filho... não tem parceiro no seu reino".

Surata XXXIV : 28
"Enviámos-te a todos os homens."

Como mencionamos na introdução, a mensagem do Alcorão é para espalhar-se por todo o mundo, seria a última religião. Yeshua já havia enviado os discípulos às nações, não vamos abandonar o cristianismo pelo Alcorão e pelo Islão! O Islão não pode ser a única religião que resta, é impossível.

Além disso, uma grande religião só está do lado da bondade?
O Eterno criou o bem e o mal, a paz e a adversidade estão nas palmas das suas mãos. É ele quem dá os limites aos povos e um grande reino não é sinônimo de uma revelação para o planeta! No livro de Daniel II, o rei Nabucodonosor vê quatro grandes reinos que se espalharam pela terra durante séculos. Se Israel fizesse mal, grandes nações os dominariam.

Os muçulmanos não devem confundir os ismaelitas mencionados na Bíblia (uma grande nação no tempo de Israel antes do Messias) com a religião tardia do Islão que não é uma aliança do ETERNO que deve se estender por todo o planeta!

Daniel 2:44  No entanto, na época do governo desses reis, Elah, o Deus dos céus, estabelecerá um novo reino que nunca será destruído e que também não será dominado por nenhum outro povo. A soberania desse reino jamais será transferida a nenhum outro povo. Todavia, esse novo reino destruirá e exterminará todos esses outros reinos, e subsistirá para todo o sempre.
Danoel 2:45  Portanto, esse é o significado da visão da pedra que soltou de uma montanha, sem o auxilio de mãos, pedra que, mediante um só golpe, fez em pedaços o ferro, o bronze, o barro, a prata e o ouro. Deste modo, Elah, o Deus poderoso mostrou ao rei o que acontecerá no futuro. O sonho é verdadeiro, faz sentido e a interpretação é absolutamente fiel!"

Gênesis 25:16  Foram esses os doze filhos de Ismael, que se tornaram os líderes de suas tribos; seus povoados e acampamentos passaram a ser chamados por seus próprios nomes.

Surata II: 111-113
"Disseram que não entrarão no céu...

...Os judeus disseram: Os cristãos não estão certos. Os cristãos disseram: "Os judeus não têm razão!

E, no entanto, eles leram o livro.

Aqueles que não sabem nada dizem as mesmas palavras, Deus julgará entre eles no Dia da Ressurreição e resolverá suas diferenças, o que é mais iníquo do que aquele que invoca Deus nas mesquitas de Deus".

O Alcorão repreende judeus e cristãos por desacordo. O Alcorão não nos fará acreditar que os muçulmanos não entraram em disputas.

O Alcorão não ensina que uma categoria de pessoas não vai para o céu, onde flui o vinho servido por mulheres bonitas? Ele não diz que tens de acreditar em Alá e nas suas palavras para ires para o céu? O autor procura acusar de trazer pessoas de volta à sua casa pagã?

Os muçulmanos também têm correntes diferentes: Sunismo, Xiismo, Coranistas, Kharijismo, Sufismo, Alawites, Druzismo. Ohamadismo é um movimento muçulmano messiânico perseguido que entende que Jesus está pregado na cruz, nocauteado, ele acordará em sua tumba.

Hipócrita, primeiro tire a trave do seu olho antes de acusar judeus e cristãos. O apóstolo Paulo tem razão, deve haver divisões entre vós.

Mateus 7:3  Por que reparas tu o cisco no olho de teu irmão, mas não percebes a viga que está no teu próprio olho?
Mateus 7:4  E como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu?
Mateus 7:5  Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho, e então poderás ver com clareza para tirar o cisco do olho de teu irmão.

Jesus traz fogo à terra, separa a mentira da verdade; Yeshua não pediu para pegar a espada para matar fisicamente, mas para dividir o justo e o injusto:
Mateus 10:34-35; Mateus 26:52; Lucas 22:36; 1 Coríntios 11:18-19
Lucas 12:51: Você acha que eu vim para dar a paz na terra? Não, eu digo-te, mas sim divisão.

Sura IV: 155-159
"Nós os castigamos porque não creram, porque fizeram uma calúnia horrível contra Maria e porque disseram: "Sim, nós matamos o Messias, Jesus, filho de Maria, o profeta de Deus". Mas eles não o mataram, nem o crucificaram, só lhes pareceu assim. Aqueles que discordam dele permanecem em dúvida; porém, não o mataram; porém, Deus o ressuscitou. Deus é Poderoso e justo. Entre os adeptos do Livro, ninguém há que não creia nele antes da sua morte e será testemunha contra eles, no Dia da Ressurreição.

O Alcorão diz que Jesus não foi morto e crucificado, vamos examinar as hipóteses:
- Os judeus não o mataram (realmente) e o crucificaram, porque ele foi ressuscitado. Mas o Alcorão não parece indicar um retorno à vida após uma crucificação. Os cristãos que querem harmonizar o Alcorão e a Bíblia muitas vezes explicam isso.
- Os judeus teriam confundido Jesus com outra pessoa, esta hipótese infundada é apoiada por quase todos os muçulmanos! A mãe e os amigos de Jesus não teriam reconhecido seu substituto diante do Sinédrio até sua morte no poste em forma de cruz!
- O Alcorão estaria mais próximo em termos de docetismo: parte do messias não teria morrido e ele não teria sofrido por causa das pessoas no livro. Em outras palavras, Deus mata fisicamente Jesus no poste e seu ser na cruz estaria sob seu controle de uma maneira sobrenatural, enquanto seu espírito retorna a Deus. A leitura mais provável em minha opinião, o Alcorão, portanto, cometeria o erro de um messias que não sofre (nem crucificação) e não morre (nem é morto).

Atos 2:29-32  Caros irmãos, concedei-me a licença de falar-vos com toda franqueza que o patriarca Davi morreu e foi sepultado, e o seu túmulo está entre nós até o dia de hoje.
Todavia, ele era profeta e sabia que Deus lhe prometera sob juramento que colocaria um dos seus descendentes em seu trono.
Antevendo isso, profetizou sobre a ressurreição do Cristo, que não foi abandonado no sepulcro e cujo corpo não sofreu decomposição.
Deus ressuscitou este Jesus, e todos nós somos testemunhas deste fato.

O Jesus mágico que luto no cristianismo é encontrado de outra forma no Alcorão! Ele já não é o verdadeiro Adão, o campeão em todos os sentidos como nós, que o pecado não poderia derrotar.

Gênesis 2:7; Mateus 12:39-40; Marcos 9:31; Atos 17:1-4, Mateus 16:22-23; Isaías 53:11-12; Salmos 16:10; Salmos 22; Isaías 53.

Surata IV:43
"Afasta-te das orações enquanto estás bêbado, espera até saberes o que estás a dizer!"

Surata V:90
"Ó tu que acreditas! O vinho, o jogo do acaso, as pedras eretas e as flechas divinatórias são uma abominação."

Surata XVI: 67
"Tens uma bebida inebriante e comida excelente dos frutos das palmeiras e das vinhas"

Segundo a interpretação popular, os muçulmanos não bebem vinho. No entanto, poderão bebê-lo no paraíso, talvez imaginando um vinho especial, sem efeito, num lugar sem problemas. Poucos muçulmanos entendem que o vinho é consumido em pequenas quantidades, o Eterno simplesmente não quer excesso e dependência.

Ultrapassar os limites é encontrado em muitas outras coisas (alimentação, sexualidade...). O produto vitivinícola é uma reação química natural.

Os hadiths proíbem o consumo de álcool, o Alcorão não deixa versículos claros. Mais uma vez, esquecem a Bíblia e a comemoração da aliança de Jesus Cristo e Abraão. É certo que o vinho pode ser consumido.

Cuidado com o excesso: Provérbios 20:1; 1 Timóteo 3:8, Efésios 5:18
O vinho não é mau: Deuteronômio 14:26; Eclesiastes 9:7; Salmos 104:15
Disputas de coração: Provérbios 4:17; Deuteronômio 32:33

Em caso de conflito, é necessário esperar até que o efeito do álcool tenha diminuído para não se deixar levar ou criar mais problemas. O vinho não é claramente a causa de um problema, não pode fazer parte de uma proibição proveniente do Eterno. Aqueles que não bebem, fazem muito bem também.

O sinal da aliança: Gênesis 14:18 - Hebreus 7:1-3.
Mateus 26:26-28; 1 Coríntios 11:23-25

Surate II: 106
"Se revogarmos qualquer versículo ou o fizermos esquecer, trazemos um melhor, ou similar. Não sabes que Alá é onipresente?"

Se você revogar qualquer versículo ou o fizer esquecer, também traremos um melhor ou similar para que você possa se lembrar das escrituras anteriores. O leitor deve questionar-se e ter cuidado para não revogar o que quer (aliança, lei, história, palavras de Cristo...) por causa do Alcorão e do deus alá.

Atos 17:11  Os bereanos eram mais nobres do que os tessalonicenses, porquanto, receberam a mensagem com vívido interesse, e dedicaram-se ao estudo diário das Escrituras, com o propósito de avaliar se tudo correspondia à verdade.

Surate XXII: 33-34
"Encontrará vantagens nestes animais, até um prazo fixo. O lugar da sua imolação é a antiga Casa. A cada comunidade designamos um rito de sacrifício, para que os homens possam invocar o nome de Alá na besta dos rebanhos que Ele lhes deu como alimento. O teu deus é certamente um deus único. Submete-te a ele. Anuncie as boas novas aos humildes..."

Na Bíblia, os sacrifícios têm vários significados diante do criador, são atos representativos (ofertas, alianças, remissão de pecados...) para o homem. O Eterno perdoa de qualquer maneira que ele deseja, ele não precisa de sacrifícios. Dito isto,
isso não significa que não haja sacrifícios pelo perdão! Os muçulmanos esquecem a noção deste tipo de sacrifício: a representação do perdão para o povo.

Como sempre, o Alcorão não dá nenhuma precisão! A oferta de Cristo nunca é endereçada, pois perdeu a função do cordeiro imaculado que se encontra na aliança de Moisés. Os cristãos não fazem sacrifícios de animais, especialmente depois da destruição do templo no ano 70, mas todos nós sabemos que a aliança de Moisés (da qual Yeshua fazia parte) apresenta o cordeiro do povo.

Gênesis 3:21: uma morte que cobre a nudez.
Gênesis 4:4-5: um sacrifício como oferta.
Levítico 16:15: uma morte para cobrir o pecado do povo.
Gênesis 8:20: Uma morte por uma nova aliança.

O cordeiro do sistema judeu salva por suas palavras e ações, é justo e capaz de morrer pelo Eterno e seus amigos. Por favor, leia a última linha da tabela do Judaísmo e Cristianismo para mais informações:
Hebreus 10:5 e Salmo 48:6-8; João 15:13; Marcos 8:35.
João 1:29  No dia seguinte, João viu a Jesus, que vinha caminhando em sua direção, e disse: "Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!


O Alcorão não é uma revelação adicional do Deus de Yeshua (Jesus), é uma religião humana desenvolvida em torno das anomalias do cristianismo distorcido, das correntes judaico-cristãs gnósticas e de uma cultura pagã pré-islâmica do deus alá. A adversidade às vezes é necessária para equilibrar os poderes do sistema neste mundo religioso. O Islão muda sem dúvida toda a mensagem da Bíblia e só podemos desejar aos humildes muçulmanos um retorno às escrituras anteriores: as boas novas do reino pelo homem Yeshua, o filho de Deus. Sabendo que existem muçulmanos honestos e justos em sua prática, convido-os a ler minha pintura e mais cuidadosamente a Bíblia a fim de se purificarem verdadeiramente e completamente (batismo) no perfeito pacto do único Eterno, através de Cristo.
Gálatas 3:15-16  Caros irmãos, eu vos falarei em termos simplesmente humanos. Assim, mesmo considerando que um testamento seja feito por mãos humanas, ninguém o poderá anular depois de haver sido ratificado, nem ao menos lhe acrescentar algo. Desse mesmo modo, as promessas foram feitas a Abraão e ao seu descendente. A Escritura não declara: "E aos seus descendentes", como se referindo a muitos, mas exclusivamente: "Ao seu descendente", transmitindo a informação de que se trata de uma só pessoa, isto é, CRISTO.



















O Cristianismo alterado

O cristianismo está centrado nas palavras do personagem Jesus que foi reconhecido como o Messias (ungido) prometido por muitos judeus, daí o nome: Messianismo / Cristianismo. Os fiéis do Nazareno, portanto, não dão prioridade às palavras de um outro personagem que sai do nada e inventa uma religião, porque consideram que o Messias é já o cumprimento do desígnio do Eterno: fazer do homem o seu reflexo, perfeitamente unido a ele. O ensinamento de Yeshua é consistente com a fé de seus ancestrais e a aliança de Moisés em que ele nasceu, ele nos faz conhecer o criador como um filho único do Pai das Luzes. Incapaz de destruir um cristianismo pacifista derivado da fé do Mestre Yeshua e seus apóstolos no início da nossa era, o Império Romano pagão adotou um cristianismo deformado como sua religião oficial. Portanto, a seguinte abordagem é uma tentativa de voltar a uma fé mais real e autêntica, observando em uma pintura muitos dogmas inventados.

DOGMAS, CERIMÓNIAS E PRÁTICAS RELIGIOSAS ACRESCENTADAS AO MESSIANISMO

PRIMERO
TRAÇ
O

(aproximado)

ADOÇÃO OFICIAL

(erros de data podem ser feitos

BÍBLIA E COMENTÁRIOS

Os deuses descem à terra

Século I

325-461

Atos 14:11: As nações já queriam fazer aos apóstolos a mesma coisa que as igrejas cristãs fizeram hoje ao Messias Ieshua :
dos deuses desceram do céu para a carne. Capítulo IV: http://www.desertpath.net/Yeshouapt.htm
Poucos anos depois do aparecimento do Messias, os crentes judeus e cristãos que o reconheceram como um homem entre os homens foram considerados hereges. Hoje, o dogma de um Jesus salvador que não é de origem humana e que desce do céu domina em grande parte as igrejas, muitos cristãos associam minha fé à gnose para me qualificar como herege.
2 Coríntios 11:4: Igrejas católicas, evangélicos, Testemunhas de Jeová, mórmons e judeus messiânicos são exemplos de designações que pregam um Jesus que não é de origem humana (por natureza). Este Jesus transformou-se em humano quando veio à Terra.

Se compararmos o batismo a um casamento para integrar o corpo simbólico de Cristo, imagine que você aprenda que seu parceiro não é um ser humano por natureza, mas um deus que participa da criação dos céus e da terra. Mesmo que você confesse que ama seu parceiro, é óbvio que você não o conhece. Conhecer o Pai e o Filho é realmente entender a mensagem da Bíblia, a atividade do Eterno com o homem, sua criatura. Para além dos cristãos que não têm nomes de igrejas cristãs, conheço oficialmente apenas duas igrejas que não ensinam este Jesus galáctico não humano pré-existente por natureza: os Christadelphs e muitos cristãos do Unitarianismo.

Encarnação da fala

Séculos I e II


Doutrina geralmente baseada no Evangelho de João e no segundo capítulo da epístola filipina que sugere que Jesus tomou a forma de um ser humano. Contudo, não há encarnação de um ou mais filhos de Deus do céu na Bíblia, os cristãos não tinham esse entendimento da Trindade quando leram o início do evangelho de João. Agostinho no seu livro², escreveu:
"Assim como a nossa Palavra ou a nossa palavra se torna de certo modo a voz do corpo, unindo-se com ela para se manifestar aos sentidos dos homens, assim a Palavra de Deus se fez carne, unindo-se com ela para se manifestar também aos homens; a nossa palavra se torna voz, mas não se transforma em voz; assim a Palavra de Deus se fez carne, mas longe de nós o pensamento de que se tenha transformado em carne. Ele uniu-se à carne, mas não se transformou em carne, fez-se carne como a nossa palavra se torna voz.

A palavra é, como sua definição indica, a palavra divina do criador. Ele se unirá perfeitamente com o homem através da respiração sagrada em Yeshua.
O homem Jesus será totalmente preenchido com o pensamento do Eterno em seu ministério (forma divina), ele é um grande rei e profeta. Como um filho ideal, no entanto, ele aparecerá como um homem simples entre os homens, ele mesmo os servirá (como um servo) até mesmo para lavar os pés deles. Não está escrito que Jesus assumiu uma forma de homem, como se ele estivesse abandonando uma natureza que não é humana, ele sempre foi um homem!

A dupla natureza do Messias

Séculos I e II


O falso Jesus teria duas naturezas: 100% Deus e 100% humano OU 50% Deus e 50% humano. Alguns também imaginam que um embrião do céu com um cérebro de Deus entrou em Maria, para que ele guardasse memórias dos bons momentos passados com seu pai no céu (João 8:38).
A última vez que quis ajudar as testemunhas de Jeová a pregar o conhecimento do Pai e do Filho (João 17:3) e o fim do mundo nas ruas, elas me disseram que o Filho de Jeová não era mais um ser humano porque carne e sangue não herdam o reino (1 Coríntios 15:50).
Nesta passagem, Paulo se expressa sobre o futuro do ser humano em um corpo glorioso (celestial), não se diz que Jesus não é mais da categoria dos homens. Ser como os "anjos do céu" não faz de nós (Jesus e seus irmãos) seres de uma espécie angelical!

O Messias é um homem como nós, é primeiro de carne e osso e depois torna-se o segundo HOMEM (1 Coríntios 15:47).
Yeshua será sempre o filho de Deus que foi por natureza um homem entre os homens: o filho do homem nas nuvens do céu!
O homem novo, de condição divina, não se alimenta de "carne e sangue", mas do espírito santo do Eterno (João 4, 24). O Messias é, portanto, 100% humano, é apenas o Pai, o único Deus verdadeiro, que lhe revela a verdade desde o nascimento. Dizer que as duas naturezas de Jesus são duas espécies que se misturam ou se alternam (Deus/anjo E humano) é um erro que contradiz o plano divino.

Nascimento milagroso

Séculos I e II


Os primeiros vestígios escritos de originais gregos não são conhecidos até meados do século II, a Bíblia da Igreja Romana aparecerá apenas anos mais tarde. É sabido que o evangelho de Mateus já existia muito antes em hebraico ou aramaico entre as comunidades cristãs do século I, talvez em uma versão diferente. Em nossas Bíblias, dois livros mencionam o nascimento milagroso: Mateus e Lucas.

No resto da Bíblia, os profetas, os pais de Jesus, os discípulos, Paulo e os judeus não parecem ter sido informados do nascimento de um messias sem um pai biológico, teria o Eterno conservado em vão a linhagem de Davi e José da tribo de Judá? De fato, de acordo com a profecia e a lei, o messias nascido de uma mulher possui fisicamente o esperma do rei Davi (Romanos 1:3; 8:3). A atribuição da tribo é feita pelo pai. Maria não pode transmitir a linhagem real, além disso, ela era filha de Heli, filho de David por Natã.

Os primeiros cristãos e judeus provavelmente não acreditavam no nascimento milagroso. Há várias explicações possíveis para sua integração: ou é um ensinamento espiritual judeu que foi entendido literalmente (midrash), ou a história nos diz que o poder do Espírito Santo estava sobre José para fertilizar Maria de um modo que nos escapa. Para esta segunda opção, o Eterno poderia ter pedido ao casal uma relação fora do casamento (contra a tradição) para a chegada do Messias num momento específico. José poderia ter duvidado da mesma forma que Zacarias e teria querido afastar-se (secretamente separar-se) ou afastar a sua mulher. Outra opção já mencionada em meu artigo em 2015, José ou Maria pode não ter sido capaz de ter filhos. Tradução e mal-entendido poderiam alterar a versão original, eu acredito que Lucas 1:34 é uma invenção ou mal-tradução das palavras de Maria.

Os historiadores falam de nazarenos que acreditaram no nascimento milagroso, mas eu os distingo dos primeiros nazarenos (Atos 24:5).
Os ebionitas e Marcião provavelmente também não pareciam ler essa história nos evangelhos. O judaísmo também rejeita o nascimento milagroso do Messias. Em qualquer caso, nascimento milagroso ou não, os hereges foram os judeus e cristãos que confessaram que Jesus era o Messias, o filho de Deus que É um homem por natureza. O nascimento milagroso não deve, portanto, ser uma justificação para o falso dogma da preexistência do messias. Os grupos religiosos e teológicos não acreditaram nela ao longo da história, tais como Symon Budny³, Ferenc David e Uta Ranke-Heinemann. Capítulo II: http://www.desertpath.net/Yeshouafr.htm

Espírito Santo: uma terceira pessoa em Deus

Século II

325-461

A respiração sagrada (santa) ou espírito santo do Eterno se tornou um caráter divino da Trindade. O Deus que é chamado "Eu Sou" em Êxodo 3:14-15 seria um Deus em três pessoas distintas. Expressões e personificações são frequentemente utilizadas para justificar este dogma, são poucas.
"o espírito diz" ou "o espírito entristece" não significa que o espírito santo é uma segunda pessoa: Atos 5:3; Atos 8:29; Atos 13:2....

O espírito santo ou sopro sagrado emana do único verdadeiro Elohim (Deus), o Pai, não é uma pessoa adicional. Temos um espírito dentro de nós, não é outra pessoa em nosso ser. O pai, filho e discípulos são UM pelo poder do espírito: João 10:30; 17:22.
No Provérbio 8, a sabedoria é personificada, muitos também querem ver nela literalmente a pessoa do espírito santo ou deus Jesus.

Fórmula para o Batismo Trinitário

Século II

325-461

A fórmula do batismo trinitário provavelmente não vem das palavras de Jesus, devemos ser batizados em nome do homem Yeshua. (Colossenses 3:17) A escritura nos convida a fazer na autoridade de Yeshua. Capítulo III : http://www.desertpath.net/Batismo.html

O termo "Pecado Original"

Século IV

397

O pecado de Adão e Eva não é um erro transmitido a toda a humanidade, não morreremos por causa deles. Existem diferentes maneiras de ler "pecado original". Cada ser humano, por natureza, pode cometer erros. Capítulo II : http://www.desertpath.net/criacoes.htm

Culto de santos e anjos

Cerca de 150

431

A adoração de anjos não é recomendada, não devemos adorá-los, os anjos são chamas de fogo na mão do Eterno. O autor do livro Apocalipse não ia adorar ninguém além do Eterno, ele queria pagar tributo a um anjo do mesmo nível que ele: Apocalipse 19:10.
Adorar anjos é uma crença falsa e prática: Colossenses 2:18
Os "santos" da Bíblia não são apenas aqueles das igrejas católicas: 1 Coríntios 14:33
As orações são dirigidas diretamente a Deus pelos irmãos e irmãs que estão vivos: Efésios 6:18
O sumo sacerdote e o rei do pacto de Moisés representam o povo, eles podem interceder por ele. O Messias também tem um papel, Jesus é sumo sacerdote e rei, para se dirigir a ele sem adorá-lo como o Eterno Deus é possível: 1 Timóteo 2:5, Atos 7:59.
O sumo sacerdote não é o Eterno, mas seu representante, sua imagem, está perto dele nele (Hebreus 7:3).
Somente Deus é perfeito e recebe o culto de adoração: Filipenses 3:3.

Culto de relíquias e a cruz

Século III

780

Não vamos adorar uma relíquia, mas Deus. Yeshua morreu pregado na madeira, não importa qual seja sua forma: Gálatas 3:13.
Não é o objeto do ato que é glorificado, mas a pessoa que faz o ato.

Orações para os mortos

Cerca de 210

Século V

Não é proibido recordar os mortos, mas cuidado com os abusos: Deuteronômio 18:11, Levítico 19:31.
Não podemos mudar o julgamento divino depois da morte de uma pessoa, o Eterno decide: Lucas 16:19-31; Hebreus 9:27.
O livro dos Macabeus é um livro historicamente interessante, mas não está integrado na Bíblia pelos judeus que constituíram o Tanack (Bíblia Hebraica). Infelizmente, os crentes usam este livro para justificar a oração aos mortos, para que os mortos sejam enterrados.

As indulgências


1300

Um grave erro da Igreja Católica, o dinheiro não oferece salvação. Podemos escrever a mesma coisa sobre a aquisição da mente: Atos 8:18. Cuidado também com o evangelho da prosperidade muito popular na América, o deus Mamão (dinheiro) domina as mentes.

O Papado

quarto século

606

Pedro é uma rocha no início da era das assembléias cristãs, é ele quem entra em cena no livro de Atos (Atos 2:10,15).
Isto não significa que ele esteja acima dos outros discípulos e que devemos inventar uma sucessão perpétua de papas em Roma depois dele. Cefas (Pedro) realizou a sua missão pessoal entre os seus amigos, mas não repetimos constantemente os inícios do corpo da Igreja de Cristo. Finalmente, os discípulos de Yeshua também tinham as chaves do reino (Mateus 18:18).

Culto de imagens

Séculos IV e V

787

Êxodo 20:4

O celibato compulsório dos sacerdotes


1074

A obrigação de não se casar com sacerdotes não faz parte da Bíblia. Podemos decidir sobre o celibato por iniciativa própria, não é uma obrigação ser sacerdote. Na Bíblia, os sacerdotes têm esposas e filhos: Êxodo 6:23; 1 Coríntios 7:9.

Extrema unção

850

1439

Yeshua e os crentes foram simplesmente ungidos (unção), unção extrema não existe: Atos 10:38, 2 Coríntios 1:21.

Transubstanciação

Cerca de 850

1059 e 1215

Pão e vinho não são literalmente o corpo e o sangue de Jesus. Jesus não vem sobrenaturalmente dentro de coisas inanimadas.
O pão (1Coríntios 11:26) representa seu corpo, não temos uma transformação milagrosa de substâncias para este evento.
O vinho e o pão estão em memória do ministério de Cristo (Lucas 22:19).

Uso do rosário

1090

Século XII

Como em outras religiões, gestos e objetos são completamente inúteis, não devem representar uma crença que vai contra a verdade. Os falsos costumes são persistentes.

Os sete sacramentos adotados

1060 à 1200

1547

Eterno nos salva pela fé em suas palavras (incluindo a de Cristo que chega a morrer), a implementação dos mandamentos é importante.
A palavra fé está ligada à obediência, o batismo é o símbolo do nosso compromisso em Cristo, o pão e o vinho nos lembram disso. As práticas não são encontradas na Bíblia e não precisamos praticá-las para sermos salvos (Atos 16:30-33; Marcos 10:19:21).

Maria e a virgindade perpétua

1160

553

Maria é uma jovem virgem até conhecer o pai de Jesus. Maria então teve outros filhos (Mateus 12:47-48).

Imaculada Conceição

Século III

1854

Maria é uma mulher comum que recebe a graça de ter um filho que será grande aos olhos do Altíssimo (Lucas 1:30). Ela é uma boa pessoa que obedece à lei, mas não se constitui diferentemente das outras mulheres para evitar um "pecado original" para dar a luz.

Predestinação e garantia de salvação

Século XVI


De acordo com a doutrina da predestinação, Deus decidiria escolher antecipadamente, mesmo antes do nosso nascimento, quem viverá e morrerá. A liberdade de escolher entre a vida e o mal (ex: Deuteronômio 30:19) seria então uma ilusão.
Esta doutrina faz do criador um deus sádico, o capítulo 9 da epístola aos Romanos é freqüentemente usado para apoiar a idéia.
Se o Eterno sabe que nem todos serão salvos, ele gostaria que todos se voltassem para ele (1 Timóteo 2:4-5).

A garantia eterna é conhecida como "uma vez salvos, sempre salvos". O indivíduo é salvo do momento em que ele crê no conhecimento de um messias que morreu na cruz por causa dos pecados. Independentemente das obras e do estado do nosso pensamento, a pessoa é certa de ser salva se ela acreditar pelo menos uma vez no sacrifício de Jesus.

Se é verdade que algumas passagens nos explicam que o pastor nos protege do mal, outros versículos ensinam que devemos andar no caminho do Eterno. Fé é confiança e obediência.

Infalibilidade do Papa


1870

É possível cometer erros, não somos perfeitos. Vamos dar o exemplo de Moisés com os hebreus em Números 20:12.
Pedro também não disse que era infalível, não se considera um papa. A autoridade e o advogado é o homem Jesus (1 Timóteo 2:5).

Jesus, o Arcanjo Miguel


Século XIX

Segundo muitas organizações, vimos que a origem de Jesus não seria humana. Para as testemunhas de Jeová, ele seria o Arcanjo Miguel. Os argumentos que sustentam esta ideia são muito fracos, Jesus nunca diz que é um arcanjo e não esconde a sua identidade!
O sumo sacerdote só pode ser de natureza humana, não pode ser um arcanjo (Miguel ou Deus, o Filho). Aqui estão os seus argumentos:
- Jesus é o primogênito da criação, então a primeira criatura no livro de Gênesis é um arcanjo/anjo (Colossenses 1:15).
- Miguel é um dos principais/primeiro líderes (Daniel 10:13) que protegeu o povo, ele é aquele que estaria com os hebreus no deserto e está escrito que Jesus é a rocha (1 Coríntios 10:4).
- Miguel luta contra o dragão no céu (Apocalipse 12:7), como Jesus na Terra que faz Satanás cair do céu (Lucas 10:18)
- Jesus deve descer, à voz de um arcanjo, para que Jesus seja um arcanjo (1 Timóteo 4:16)
- Carne e sangue não herdam o reino de Deus, Jesus é apenas um humano na terra! Essas indicações permitem que as testemunhas de Jeová concluam que ele é um anjo, provavelmente Michael (veja a linha "encarnação" da pintura).
- Jesus é o anjo da aliança (Malaquias 3:1)

Rebuttal: O homem Meshoua não é literalmente criado antes ou no momento da criação, ele é o primogênito (nascido) no século I dC. Ele tem preeminência em todas as coisas, o que não significa que ele seja o primeiro a ser criado antes mesmo do seu próprio nascimento na Terra ou o primeiro a correr rápido... etc. Muitas passagens da antiga aliança são apenas prefigurações de Cristo (a rocha do deserto, Abraão e Melshizedeque, as palavras de Davi...), a palavra da aliança e a voz do deserto tomarão a forma de mensageiros humanos (Jesus e João). Os símbolos no céu em Apocalipse (dragão vermelho, estrelas, anjos) também não provam que Jesus é o arcanjo Miguel, o filho do homem nas nuvens do céu de Daniel não é o arcanjo Miguel. Finalmente, a voz de um arcanjo (não há evidência de que não haja vários em diferentes lugares ou funções) é um sinal para a vinda do messias, a leitura das testemunhas de Jeová é forçada, Cristo não vem com sua própria voz de arcanjo, mas ao som de um arcanjo que ele certamente ordena (Hebreus 1 e 2). Pensa no som das trombetas.

Assunção da Virgem Maria
Século VIII 1950
A invenção de Maria, que ascende diretamente ao céu sem passar pela morte. Não temos registo disto nas escrituras.
OUTRAS DOUTRINAS

Cálculo do retorno de Jesus

Não podemos calcular o dia e a hora da volta de Cristo (Marcos 13:32-33). Alguns pensaram que podiam calcular o ano usando matemática.
Muitas organizações ainda estão esperando por um retorno físico de Jesus Cristo do céu: Atos 1:11.
Os falsos cálculos da volta de Jesus são geralmente baseados nas figuras do livro do profeta Daniel. Adventistas, Testemunhas de Jeová, a Fé Bahai'e, os Mórmons são exemplos de organizações que fizeram várias previsões falsas. Os crentes que são muito apegados à sua nomeação minimizam o erro do seu companheiro de serviço, muitas vezes continuam a considerá-los como guias espirituais e ungidos do fim dos tempos, que às vezes cometem pequenos erros. Deuteronômio 18: 21-22
Se você está ciente de seus falsos ensinamentos, faça pelo menos o esforço de não se identificar mais com eles e tome definitivamente o nome que designa a seita (clã) de Cristo/messias: "Cristão (cristão) / Messias (messianismo) / Caminho / Nazareno (ramo)".

Celebração de feriados

Somos livres para celebrar feriados que comemorem um evento significativo em nossa história ou vida. No entanto, temos de levantar duas questões:
- distinguir entre o nosso desejo de criar uma celebração e a vontade do Senhor.
- Não transgrida o pensamento do Eterno e seus mandamentos.

Proponhamos exemplos: a celebração do Natal ou do Natal não é o nascimento de Jesus ou a descida do Papai Noel durante o solstício de inverno. Se vocês se reunirem, não celebrem esse tipo de coisa, especialmente ao lado de uma árvore decorada, então lembrem-se na mesa da inconsistência dessa celebração dentro do Cristianismo.
Quanto à celebração de um aniversário (feriado nacional, casamento, idade...), você pode celebrá-lo sabendo que ele não vem do Eterno. Beber uma bebida com os amigos e agradecer ao criador por viver mais um ano não é grande coisa. Celebrar dez anos de casamento também não é uma transgressão, somos também seres livres.
As culturas celebraram os aniversários dos deuses, mas esta prática pagã não é o propósito da palavra latina "anniversarius": que retorna a cada ano.

Anjos maus e inferno

Vamos refutar essa doutrina em outro tópico na página inicial do meu site. O cristianismo não é a primeira fonte deste dogma.

Saudação universal

De acordo com essa idéia, Deus salva todos os homens (1 Timóteo 2:4) e todos vão para o "céu". Aqueles que são amaldiçoados por fazerem o mal são abençoados no céu. Novamente, muitos versículos não são levados em consideração, esta doutrina não é séria (Deuteronômio 15-19; João 8:24; 2 Tessalonicenses 2:10).

Fim da lei

Muitas pessoas citam as palavras de Paulo para ensinar a destruição e o fim da lei. A criação de igrejas homossexuais é uma abominação segundo a lei divina, mas que julgamento teríamos se a Bíblia não a mencionasse em sua lei? Paulo nunca disse que a lei é destruída porque não somos justificados por ela, mas por Cristo.
O Messias não é a abolição ou o fim da lei, mas o seu propósito. Este assunto será desenvolvido no meu site.

Imortalidade da alma

A Bíblia e os Hebreus não consideravam a alma humana como algo de origem divina que anima um corpo. A alma do homem é parte de todo o nosso ser (espírito, alma, corpo) que interage com o Criador. A alma seria a nossa personalidade, pode morrer (Mateus 10:28).

Sacrifício de substituição

O sacrifício de Jesus não é um sacrifício substituto, não estaria em conformidade com a realização da torá. Jesus não paga o preço das nossas faltas por nós.
Yeshua é vitorioso sobre o pecado em sua natureza pecaminosa, ele se ofereceu como sacrifício por si mesmo e por nós. Identificamo-nos com ele para a salvação.
Devemos falar sobre sacrifício representativo, como eu explico no assunto a natureza de Yeshua e batismo: Capítulo III : http://www.desertpath.net/Yeshouapt.htm
A palavra "resgate" deve ser entendida num sentido figurado, o de "cobrir o pecado", porque a ajuda do Eterno é gratuita para nós e para Cristo.


Ephesians 4:17-24  Sendo assim, eu vos afirmo, e no Eterno insisto, para que não mais viveis como os gentios, que vivem na inutilidade dos seus pensamentos.

Eles estão com o entendimento mergulhado nas trevas e separados da vida de Deus por causa da ignorância em que vivem, devido ao embrutecimento do seu coração.
Havendo perdido toda a sensibilidade, eles se entregaram a um estilo de vida depravado, cometendo com avidez toda a espécie de impureza.
Entretanto, não foi isso que vós aprendestes de Cristo! Se é que de fato o ouvistes e nele fostes discipulados, conforme a verdade que está em Jesus.
Quanto à antiga maneira de viver, fostes instruídos a vos despirdes do velho homem, que se corrompe por desejos enganosos, a serdes renovados no vosso modo de raciocinar e a vos revestirdes do novo homem, criado para ser semelhante a Deus em justiça e em santidade provenientes da Verdade.




















O judaïsmo rabinico

O judaísmo não é a religião oficial monoteísta do Eterno, sua leitura da Bíblia termina com o profeta Malaquias porque rejeitam as palavras de Yeshua, filho de José, que foi apedrejado até a morte e enforcado no bosque. Etimologicamente, a palavra "judeu" deveria ser associada a uma das doze tribos de Israel, a Judéia de Judá, mas este nome acabará por representar todas as doze tribos de Israel. As crenças do judaísmo são semelhantes às dos fariseus que viveram no tempo de Yeshua, são uma peça importante do nosso enigma porque esta religião humana continua sendo a mais antiga das religiões do sistema monoteísta. Apesar da rejeição do messias Yeshua, os judeus preservam melhor os pilares do caminho em termos de doutrinas: Eterno é Um e o único criador, o messias é um homem, a aliança perfeita teve que ser feita por um descendente de Israel, a importância da lei. Como muitas vezes acontece, más obras e tradições humanas os fazem desviar-se do pensamento do Eterno e do seu ungido, o Samaritarismo, o Karaismo e os Hebreus Negros, são ramos da Bíblia que marcam discordâncias na interpretação da Bíblia. O mestre da seita (clã) dos nazarenos acusou-os de alterar o pensamento do Criador.
Mateus 23:3  Fazei e obedecei, portanto, a tudo quanto eles vos disserem. Contudo, não façais o que eles fazem, porquanto não praticam o que ensinam.
Mateus 23:4  Eles atam fardos pesados e os colocam sobre os ombros dos homens. No entanto, eles próprios não se dispõem a levantar um só dedo para movê-los.


CRENCAS

COMENTÁRIOS

VERSICULOS

Gênesis 1:27

Adão e Eva: o primeiro casal humano ancestral de toda a humanidade.

Em Gênesis 1:25-26, "adam" não é o primeiro e único homem a viver no nosso planeta azul, a palavra hebraica "adam" também se refere à "raça humana". Não somos todos descendentes de um único casal humano chamado Adão e Eva, havia vários casais da nossa espécie.
Eternal criou raças diferentes e é bem possível que nos tenhamos misturado. A Bíblia não classifica a humanidade como um animal.

No livro de Gênesis, Adão e Eva são da linhagem de Sete, representam os antepassados de Israel na Mesopotâmia. Depois do dilúvio local da Bíblia, Abraão será escolhido entre as nações e o povo dos hebreus revelará o Deus monoteísta que conhecemos hoje através da Bíblia. Longe da idéia de que outras raças e povos são privados de uma vida espiritual, o Eterno ama o justo, independentemente da origem, cor ou nível intelectual. Capítulo II: http://www.desertpath.net/criacoes.htm

Gênesis 1 e 2;
Salmo 135:4;
Isaías 41:8;
Isaías 56:3-7; João 4:22;
Atos 18:6; Lucas 24:47

Andrógino Adão

No início da criação, Adão e os homens não são seres andróginos comparados a nós. Eterno criou simplesmente o homem e a mulher humana. A mulher não saiu literalmente de um lado do homem, o mensagem é simbolico, ela é a perfeita metade na união deles.


Gênesis 1:27
Mateus 19:4

Deuteronômio 34:10-12

Ninguém como Moisés

Moisés não é o autor desta passagem, é uma adição após a sua morte. Não se diz que ninguém será tão grande e importante como Moisés.

Os versículos fazem uma declaração, aprendemos que o povo de Israel não conhecia um profeta tão grande (até a futura chegada do Messias da tribo de Judá). A seguinte linha se inclina para esta explicação, já que está escrito que um profeta como Moisés estava para vir.

Gênesis 49:8-10; João 7:40; Deuteronômio 18:18

Deuteronômio 18:15-22

Um profeta como tu (Moisés) entre os teus irmãos

Este anúncio tem dado várias interpretações, se os profetas vieram a Israel para cada geração, o messias continua sendo aquele que completa a revelação. Além disso, o número de profetas mencionados não são vários, mas "um", como Moisés. Judeus como o rabino Levi Ben Gershon4 finalmente assimilaram este versículo ao messias. Podemos levantar quatro pontos, até cinco:

*O profeta vem das doze tribos de Israel, irmão de Moisés, no momento em que a palavra é dita. Ele será, portanto, de Israel, "judeu".
*O profeta não anuncia outro deus e não faz falsas profecias. Ele entrega as pessoas que devem ouvir as suas palavras.
*O profeta estabelecerá um pacto com o povo. As outras nações ainda são convidadas a participar neste pacto vindo de Israel.
*O profeta é a descida da palavra celestial, a instrução (tora), ele é o mediador entre o Eterno e o Homem.
*O profeta fala com o Eterno (visão, sonho, pensamento...) e faz milagres.


Lucas 24:44; Atos 3:22-23
João 4:22-23
João 3:14 / Números 21:8; Hebreus 12:24

Mateus 5:19
João 1:17; Jeremias 31:31
João 1:14 / Isaías 2:3
Lucas 24:19

Deuteronômio 4:2

Acrescentar nada mais e subtrair nada menos

Nada deve ser acrescentado ou subtraído da lei dada a Moisés. Isto significa que não devemos remover ou acrescentar mandamentos para contradizer o pensamento divino. Por exemplo, o dogma da igreja que se baseia nas palavras do apóstolo Paulo para ensinar que a lei não conta mais se formos salvos pela graça é falso. Por outro lado, os fariseus que estabelecem regras humanas vinculativas para se aproximarem do Eterno também estão errados. Na Bíblia, as pessoas que não são descendentes de Israel não precisam praticar leis que foram exclusivamente reservadas para a história da nação de Israel. Eu aconselho fortemente a não ouvir os judeus e as igrejas cristãs protestantes que se chamam "judeus messiânicos" que ensinam que os gentios têm a possibilidade de serem circuncidados na carne, usando o argumento da circuncisão de Timóteo.

Marcos 7:9; Mateus 23:31; 1 Timóteo 1:9.
Salmos 72,1-7
Apocalipse 14:12
Isaías 2:4; 2 Samuel 7:5
Hebreus 5:5-14 ;

Problema de Genealogia para o Judaísmo e seu próximo Messias

A impossibilidade de rastrear a genealogia de David é um forte argumento contra aqueles que ainda estão à espera de um messias.

De fato, de acordo com as escrituras, o sinal para reconhecer o Messias é a preservação da sua genealogia! Encontrar o DNA da linhagem de Davi com a ajuda da ciência e esperar por uma revelação de Deus para apontar o dedo à vinda de um messias não está absolutamente de acordo com as escrituras. O Messias é o descendente natural de Davi e o filho de José é literalmente o descendente do Rei Salomão.

Mateus 1:1
Miquéias 5:2; João 7:42.
Números 1:18

Genealogias de Jesus, filho biológico de José, filho de Jecónia.

Yeshua é o filho biológico de José e Maria, descendente de Davi na tribo de Judá.

Alguns judeus vos dirão que Jesus não pode ser o Messias porque Jeconias, o antepassado de Jesus, foi amaldiçoado: nenhum dos seus filhos devia sentar-se no trono de Davi". Mas a enciclopédia judaica5 também observa sobre Jeconia: "ele (Jeconia) tornou-se o ancestral do Messias", sugerindo que outros comentaristas judeus entendem que a maldição de Jeconia se estende apenas a ele e a seus filhos durante sua vida. A linhagem davídica não seria considerada para a maldição, especialmente se as crianças se arrependessem. Capítulo II: http://www.desertpath.net/Yeshouapt.htm

A genealogia de Lucas, que remonta a Adão através de Natã, filho de Davi, também é interessante. O que ela está fazendo nos evangelhos? É possível que o rei Salomão tenha aplicado a lei do Levirate com a esposa de seu irmão Natã. Maria seria assim a filha de uma linhagem mais importante, a dos sumos sacerdotes Levi, que se ligaram à tribo de Judá pelo casamento. O pai de Maria era Heli.


Mateus 1; Romanos 1:3

Haggai 2:23 (Zorobabel filho de Jeconia)

Lucas 3:23

Deuteronómio 25:5-10

Tornar-se "judia" pela mãe

Os rabinos ensinam que uma pessoa só é "judia" se a mãe for judia, o pai não daria o "judaísmo" da criança.
No entanto, este princípio não se encontra na Torá, são apenas interpretações. O Pai dá à tribo (as genealogias sempre levam o nome do Pai) e a identidade "judaica". Assim, há muitas pessoas que não são realmente judias (declarações falsas) e outras que deveriam ser, mas não são por causa de leis rabínicas (uma é judia somente através da mãe). Não importa qual seja a nossa raça, o importante é ser "judeu" na fé através de uma circuncisão do coração. Judá significa "louvar ao YHWH". Judeus e cristãos que procuram encontrar a totalidade das tribos perdidas de Israel o fazem em vão, eles fazem um anacronismo da Bíblia.


Jeremias 2:21 ;
Salmos 89:31-38.

Romanos 2:29

Os critérios do Messias

Segundo eles, Jesus, filho de José, não tem estes critérios, por isso não pode reivindicar o título de Messias. Mas estes critérios não existem na Bíblia, não são obrigações ou profecias que devam absolutamente ser cumpridas.

Na Bíblia, as profecias também são baseadas no livre arbítrio, por exemplo, o capítulo 30 do livro Deuteronômio fala de bênçãos ou maldições de acordo com o comportamento de Israel, em nenhum lugar está escrito que o messias deve vir e trará bênçãos.

Assim, temos certos anúncios sobre a vinda do Messias segundo a vontade do Eterno (exemplo: "enviarei o mensageiro da aliança") e anúncios em condições que exigem que o povo os escute (exemplo: "se não escutar..."). É muito claro que o cumprimento de certos critérios para a vinda do Messias está sujeito a condições, enquanto outros são certezas.

Yeshua é o filho biológico de Davi por José (nosso livre arbítrio não pode mudar isso), ele observa as palavras de Moisés (só ele decide obedecer para ser ungido), ele entrega o povo (ao menos aqueles que abrem os olhos para não perecer no deserto) e restaura a verdadeira fé do Eterno. Finalmente, as nações do mundo inteiro ouviram as palavras de Yeshua ha machiah (Jesus o Messias), que veio para revelar o Criador ETERNO.

Deuteronómio 30
Deuteronômio 18:19

Lucas 13:35
Mateus 22:14

Lucas 12:49; Isaías 29:10-12; Mateus 13:1

Reencarnação

Muitos rabinos ensinam a doutrina da reencarnação, uma crença que já existe há muito tempo em muitas religiões. Geralmente tenta encontrar uma solução para as questões relativas à justiça divina para com os homens, por exemplo, porque é que algumas pessoas nascem numa situação menos favorável que outras? A resposta estaria então nas ações de uma vida anterior? Outras pessoas também optariam por reencarnar num novo corpo para ajudar o próximo. É verdade que podemos encontrar alguma forma de lógica e justiça nisto, mas preferimos adotar o ponto de vista do judeu Saadia Gaon, explicando que a Torá de Moisés não menciona este assunto. Podemos nos perguntar por que este importante tema não é claramente mencionado pelo Senhor no livro de Gênesis.

O início da Bíblia tende a ensinar o oposto, pois muitas vezes está escrito que a alma que peca é a alma que morre. Em outras palavras, a alma que escolhe o caminho do pecado durante a sua vida, não continuará a viver voltando para outra vida. Homens criados eternamente, não há almas que continuamente vêm habitar nos corpos. Quando cometemos um erro voluntário e grave, ficamos diretamente isolados da vida (pena de morte). Para alcançar a meta dada pelo Senhor, temos uma moral em nosso coração e muitos dias em nossa vida para melhorar a nós mesmos.

Reencarnação e ressurreição são duas coisas diferentes, uma pessoa pode viver novamente num mundo superior ou num mundo por vir que podemos chamar de "novos céus e nova terra". A reencarnação não deve ser confundida nem com a transmissão de uma missão ou uma missão para cumprir o plano divino: o espírito (pensamento) de Moisés repousava sobre seus irmãos, João Batista era o espírito de Elias.
Se transmitimos algumas coisas antes de morrer, isso é feito pelo modo de reprodução, como expliquei no tema "Criações". Continuamos a viver indiretamente através de uma criança, uma semente, gerações, mas esta é uma evolução coletiva da raça humana.

Finalmente, para apoiar a doutrina da reencarnação, alguns falam de sinais. Por exemplo, aconteceu que uma criança que vivia na Austrália se levou pela reencarnação da Princesa Diana! Outros vos explicarão que o sinal de que João Batista é a encarnação do profeta Elias é o fato de que ele foi decapitado depois de ter massacrado muitas pessoas sob o nome de Elias em uma vida anterior. Uma criança pode nascer no dia da morte de um membro da família, outra pode ter um dom muito jovem, como se tivesse mantido o talento de uma vida anterior.  Mas todos estes sinais são interpretações que foram influênciadas por crenças, existem explicações mais lógicas que não evocam a reencarnação.
O infortúnio que observamos no mundo é fruto dos nossos erros individuais e coletivos, quem se arrependerá realmente durante a sua vida?

Traduzido com a versão gratuita do tradutor - www.DeepL.com/Translator

Deuteronómio 30:19
Marcos 16:16
João 6:40-44
Hebreus 9:27

João 1:21:23; Isaías 40:3
Lucas 1:17; 2 Rei 2:9
Mateus 16:14-16
Número 11:17

João 9:1-7

João 1:10; Mateus 7:13-14

Talmud, Kabbalah e outros livros.


Deuteronômio 4:2
Mateus 15:2-6

Invenções de festivais

O judaísmo inventa festas que não vêm diretamente do Senhor (bar mitzvah, hanukkah...).

Mateus 15:2-6

Invenção de costumes

Nem os costumes vêm do Criador, como já vimos em outras religiões: usar um véu ou um yarmulke, abate de animais, banhos rituais inúteis, coleiras. As invenções humanas não devem ser um empecilho para uma boa compreensão do pensamento divino.

Deuteronômio 4:2
Mateus 15:2-6

Batismo de Iehohananan

O judeu João Batista era da tribo de Levi, seu batismo de arrependimento no rio Jordão não é de forma alguma uma invenção.

João 1:25

Casamento proibido com outras nações ou raças

Se a Bíblia proíbe o casamento com estranhos, é por causa da idolatria e de alguns conflitos passados. O contexto é muito importante para entender a proibição, porque um homem ou mulher estrangeiro normalmente tem o direito de se casar tomando a decisão de seguir o Senhor (abandono de seu deus e da sua cultura). Mais raramente, as mulheres dos povos derrotados na época das guerras poderiam ser tomadas pelos israelenses, mas a situação é menos ideal em relação a uma opção de conversão. Devemos, portanto, lembrar que é importante casar com uma pessoa que viva a mesma fé. Adultério é a razão do divórcio, não se deve separar o que o Senhor uniu.
Em relação às pessoas que já eram casadas antes de serem convertidas a Deus, a nova crença não deve ser uma justificação para se divorciar de um cônjuge que não crente. Quem sabe se você não vai mudar o coração do seu companheiro? Claro que pode haver excepções (violência conjugal, deserção...), mas a consciência do crente não deve ser culpada da separação, o divórcio não é fruto de Deus.

Deuteronômio 7:3; 23:3 Êxodo 34:15-16; Neemias 13:26; Rute 1:13
Deuteronômio 21:11-13
Mateus 5:31-32; 19:9

1 coríntios 1:15
Malaquias 2:16

Definição de tora

Alguns judeus e cristãos evangélicos (especialmente os "judeus messiânicos") não avaliam muito bem o que a "tora" realmente é na Bíblia, eles muitas vezes pensam que a "tora" representa os primeiros cinco livros da Bíblia (o que é verdade de acordo com a tradição dos homens). No entanto, os primeiros cinco livros da Bíblia não são apenas "tora", compreender a criação não é "tora", mas uma abertura para o plano do Senhor para a humanidade. Nem o pensamento do messias é "tora/instrução", não chamamos os evangelhos de "tora" quando o messias pratica e cumpre a lei de Moisés. A palavra do Senhor não é que a tora não é o propósito da criação. A tora é uma parte para seguir o Caminho.


Gênesis 1:1
João 1:1

Isaías 2:3

As Sete Leis de Noé

O judaísmo exige a observância das sete leis de Noé para os crentes das nações que querem seguir o Senhor. Outros cristãos pensam que há apenas quatro a serem observados após a leitura do livro de Atos, capítulos 15 e 21. As leis dadas na Torá são importantes para o homem (consanguinidade, homossexualidade...), não podemos esquecê-las entre as nações, nenhum cristão deve dizer que toda a lei é abolida e que podemos criar igrejas homossexuais. Na minha opinião, acrescento a observância da lei sobre a alimentação para o homem das nações e a necessidade de tirar um dia de descanso para pensar no Senhor.
Então as sete leis de Noé não estão realmente certas, nós normalmente temos mais. Algumas igrejas protestantes "judaicas messiânicas" não têm o direito de forçá-lo a praticar todas as leis de Israel para os gentios, a Bíblia escreve claramente que as leis não eram obrigatórias (circuncisão, lei do templo...).

Atos 21:11 (Atos 15)
Levítico 24:22
Êxodo 12:49

Sionismo

Nós apoiamos a pequena minoria de judeus anti-sionistas em Israel, o Estado não vem da boa mão do Senhor, mas das organizações "más" deste mundo (lobby judeu, poder, dinheiro, poder militar...). Anti-Sionismo não é sinónimo de anti-semitismo.
O verdadeiro Israel é abençoado, quem quer que venha em nome do Senhor. O Islão e a casa do deus Alá também não têm lugar em Israel,
Israel é dono desta terra, mas nós estamos muito longe de uma Israel YHWH.

Deuteronómio 30
Mateus 23:38-39

Os anjos caídos

A doutrina do cristianismo e do Alcorão de que as criaturas angélicas caem do céu encontra-se em muitas fontes do judaísmo. Em livros apócrifos como o livro de Enoque e o livro de Adão (aceito pela Bíblia Etíope), este tipo de história é mencionado.
A Bíblia não ensina a queda das criaturas do céu, nem o exorcismo (posse de um corpo humano por um espírito celestial que deve ser expulso), este dogma vem da influência das religiões pagãs. Discutiremos novamente o assunto no tópico apropriado. Discutiremos isso em outro tópico na página inicial do meu site.

Gênesis 3 e 6:1-2.
Trabalho 1, Ezequiel 28
Apocalipse 12:9

Poligamia

Eterno não sanciona a poligamia no pacto de Moisés, nem Ele a aprova! No início, a monogamia era o ideal para o Eterno, mas o homem criou outras situações familiares. Acrescentaria ainda que, nessa altura, a poligamia não deve ser imposta se um dos membros do casal não aceitar a prática, a voz da mulher deve ser ouvida. Os homens de fé criaram conflitos por causa da poligamia.
Eterno é Um, acredito que a monogamia é uma situação importante a preservar.

Gênesis 2:23-24; Êxodo 21:10-11; Números 12:1
1 Timóteo 3:2 e 12
Marcos 10:6-7.

Monarquia e unção (messias)

Uma lei copiada das outras nações, desta vez a própria Bíblia a menciona. Nos capítulos seguintes, os giros de frase nos levarão a pensar que a idéia vem do Eterno quando Ele fala aos profetas, quando na realidade, é a escolha do homem de viver assim. O Messias fazia parte deste sistema imperfeito, mas não é um rei como alguns poderiam imaginar, é acima de tudo o homem perfeito unido ao Eterno, poderia também ter sido um "presidente ideal" por ter nascido sob uma República. A teocracia do Eterno pelas palavras do Messias deveria ser o verdadeiro poder no lugar com os crentes, é o Caminho do Reino.

1 Samuel 10:19; 12:1

Circuncisão

Também copiado de outras nações, este ritual é doloroso para o corpo, ele não vem do criador.  Adão não nasceu sem prepúcio, por isso não se deve circuncidar para voltar a um estado natural antes do "pecado". As crianças que nascem hoje com um prepúcio mais curto não são sinais de um prepúcio original perdido, o Eterno não cancela a circuncisão para essas crianças. Existem argumentos científicos ou médicos para apoiar a circuncisão no oitavo dia da criança (coagulação mais fácil), o bebê de um dia sendo muito frágil, os judeus teriam esperado uma semana (o oitavo dia seria um novo começo).

Finalmente, Gênesis 17 é provavelmente uma passagem retrabalhada pelos escribas e se não fosse assim, o Eterno teria deixado ou aceitado essa prática para o povo. Em qualquer caso, chegou o momento de parar de arrancar a sua pele e a dos seus filhos, não produza voluntariamente dor no seu corpo e no do seu próximo. O sacrifício de animais num templo, a monarquia, a poligamia e a circuncisão são quatro práticas que estão destinadas a terminar. A palavra "eterno" não significa que a prática deve durar "para sempre", mas até o momento em que a tora sair de Sião novamente.


Gênesis 17

Jeremias 31:31
Jeremias 7,22-23

Casamento com um homem não circuncidado

Alguns rabinos se recusam a casar até que uma pessoa seja circuncidada, o que é contrário à torá.
Devemos distinguir entre o casamento e a circuncisão com pessoas que não são judias.

1 coríntios 7:19

Alívio através da circuncisão dos gentios

Alguns fariseus passaram a acreditar que apenas os gentios circuncidados na carne são salvos.

Gênesis 17:14; Atos 15:1

Construção de um terceiro templo

Judeus e cristãos estão se preparando para construir um terceiro templo em Israel, a fim de cumprir as profecias. O verdadeiro templo é espiritual e está em nossos corações antes de ser feito com as mãos humanas. As mesmas observações são feitas para a criação de um Estado de Israel.
O templo visto pelo profeta Ezequiel é uma visão de um futuro melhor para Israel, de acordo com o pacto em que o povo se encontra. Ouvir a palavra do eterno e do Messias é a recepção do verdadeiro shakinah.

Ezequiel 40
Mateus 26:60-61; 23:39
Isaías 66,1-2
Atos 5, 34-38
Apocalipse 21:22

Sacrifícios de animais no templo

Uma lei inventada pelo e para o homem, os sacrifícios carregam vários significados dependendo do contexto (oferta de perdão, prosperidade, crime, oferta queimada). O sangue humano e animal não tem poder mágico, é o significado que damos a esta prática que lhe dá valor. O Eterno não precisa de sacrifícios e o verdadeiro sacrifício é a obediência à lei do Eterno com um coração puro o suficiente para morrer por ele e pela sua justiça.

1 Samuel 15:22
Jeremias 7,22-23; Hebreus 10,5; Salmo 48,6-8


João 15:25  Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz seu senhor; mas Eu vos tenho chamado amigos, pois tudo o que ouvi de meu Pai Eu compartilhei convosco.
Não fostes vós que me escolhestes; ao contrário, Eu vos escolhi a vós e vos designei para irdes e dardes fruto, e fruto que permaneça. Sendo assim, seja o que for que pedirdes ao Pai em meu Nome, Ele o concederá a vós. Este é o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros. O mundo odeia os discípulos. Se o mundo vos odeia, sabei que, antes de vós, odiou a mim.
Se fôsseis do mundo, ele vos amaria como se pertencêsseis a ele. Entretanto, não sois propriedade do mundo; mas Eu vos escolhi e vos libertei do mundo; por essa razão, o mundo vos odeia. Recordai-vos das palavras que Eu vos disse: 'nenhum escravo é maior do que o seu senhor'. Se me perseguiram, também vos perseguirão. Se obedeceram à minha Palavra, igualmente obedecerão à vossa orientação. Contudo, o mundo vos tratará mal por causa do meu Nome, pois eles não conhecem Aquele que me enviou. Se Eu não tivesse vindo e falado ao mundo, eles não seriam culpados. Mas, agora, eles não têm qualquer desculpa pelos pecados que cometeram. Aquele que me odeia, da mesma forma odeia a meu Pai.
Se Eu não tivesse realizado entre eles obras que ninguém jamais fez, eles não seriam culpados de pecado. Mas agora eles viram e presenciaram tudo, e mesmo assim odiaram a mim e a meu Pai.
Mas isso aconteceu para se cumprir o que está escrito na Lei deles: 'odiaram-me sem razão'.

O caminho do Messias não é imposto pelo uso de armas materiais e dinheiro. A seita ou clã dos Nazarenos de Yeshua (Jesus) e seus amigos espalharam-se de uma forma diferente das três grandes religiões monoteístas discutidas neste tema. É admirável que uma pequena célula de crentes no primeiro século AD tenha crescido tão rapidamente diante dos poderosos príncipes das esferas espirituais (religiões, crenças) de seu tempo. Na verdade, os romanos e os judeus não poderiam fazer nada para impedir a difusão das palavras do Messias em Israel e para as nações. As torres de vigia babilônicas ocultas são derrubadas pela luz brilhante do homem justo unido ao Criador. O exército do falso Israel sionista, o poder de fogo do Império Romano Europeu e a espada sanguinária do Islão de Meca finalmente se ajoelharam diante da difusão das santas palavras do Pai Criador através de Yeshua e seus irmãos. O regresso à vida será o culminar do trabalho do Eterno.




















O caminho que sai do mundo

O ateísmo é surdo e cego (às vezes por causa das religiões), o islamismo é pagão e plágio, produto de um cristianismo distorcido pela idolatria e por um judaísmo que perde completamente o propósito da criação. O homem é julgado com base nas palavras do espírito do Messias, porque ele é o critério humano de justiça à direita do trono do Eterno. Filosofias e religiões são atravessadas pelo caminho traçado pelo mestre da tribo de Judá, ele chama as ovelhas nascidas no ventre deste mundo. É assim que as religiões são como iscas para a luz divina, as palavras do Messias dominam, atraem, perturbam nas assembléias que ainda têm o cordão umbilical preso ao sistema. Os incrédulos esquecem a vida e as palavras de Jesus, preferindo apontar o dedo aos religiosos tenebrosos que usam as religiões para realizar desígnios iníquos (guerra, pedofilia...). É essencial não confundir as trevas e a luz da fé de Cristo e dos seus discípulos, fiéis à vontade do único Pai Criador.
João 18:36  Ao que lhe afirmou Jesus: "Meu Reino não é deste mundo. Se fosse, os meus servos lutariam para impedir que os judeus me prendessem. Mas, agora, meu Reino não é daqui."

João 17:18  Da mesma maneira como me enviaste ao mundo, Eu os enviei ao mundo.

Lucas 17:20  Certa vez, interrogado pelos fariseus sobre quando se daria a vinda do Reino de Deus, Jesus lhes explicou: "Não vem o Reino de Deus com visível aparência.
Lucas 17:21  Nem haverá anúncios: 'Ei-lo aqui!' Ou: 'Lá está!'. Pois o Reino de Deus já está entre vós!"

Mateus 24:26  Portanto, se vos disserem: 'Eis que Ele está no deserto!'- não saiais. Ou ainda: 'Ele está ali mesmo, nos cômodos de uma casa!'- não acrediteis.
Mateus 24:27  Pois, da mesma maneira como o relâmpago parte do oriente e brilha até no ocidente, assim também se dará a vinda do Filho do homem.

"O caminho" é um dos nomes de fé dados aos primeiros enviados de Yeshua, a palavra grega "hodos (caminho/caminho)" implica a noção de progresso. O caminho pelo deserto, Moisés, os hebreus, Elias, a voz de João, Jesus, a mulher e o rapaz do capítulo 12 do apocalipse é encontrado lá. Nem estou dizendo que o Messias está aqui no deserto, pelo contrário, ele subiu ao topo do Monte Sião. Ao caminharmos pelo seu caminho, subimos ao topo da alta montanha, as comportas do céu se abrem e percebemos ao longe uma terra onde corre leite e mel. O reino do messias não atrai os olhos, ele está primeiro dentro de nós, os olhos do espírito se alegram ao ver a luz descendo em um coração renovado. O messias ensina que o reino é como uma pequena semente de mostarda semeada no campo, ele crescerá e abrigará as aves. O reino dos céus é como o fermento que uma mulher deposita na massa para fazê-la inchar.
Atos 9:2  pediu-lhe cartas para as sinagogas de Damasco, de maneira que, eventualmente encontrando ali, homens ou mulheres que pertencessem ao Caminho, estivesse autorizado a conduzi-los presos a Jerusalém.

Daniel 2:34  Enquanto estavas contemplando toda a estátua, uma pedra soltou-se , sem auxílio de mãos, atingiu a estátua nos pés de ferro e de barro e os destroçou.
Daniel 2:35  Então o ferro, o barro, o bronze, a prata e o ouro vieram abaixo, despedaçados; viraram pó, como o pó que se vê na eira, quando no verão se bate o trigo no terreno para separá-lo da palha. E o vento carregou todos os destroços sem deixar vestígio. Entretanto, a pedra que atingiu a estátua tornou-se uma montanha e encheu a terra toda.

Mateus 4:17  Daquele momento em diante Jesus passou a pregar e dizer: "Arrependei-vos, porque é chegado o Reino dos céus!"

Mateus 10:7  E, à medida que seguirdes, pregai esta mensagem: O Reino dos Céus está a vosso alcance!

Marcos 10:15  Com toda a certeza vos asseguro: aquele que não receber o Reino de Deus como uma criança, jamais terá acesso a ele".

2Pedro 3:13  Todavia, confiados em sua Promessa, esperamos novos céus e nova terra onde habita a justiça. O cristão e o Dia do  Eterno

O caminho do Messias não é imposto pelo uso de armas materiais e dinheiro. A seita ou clã dos Nazarenos de Yeshua (Jesus) e seus amigos espalharam-se de uma forma diferente das três grandes religiões monoteístas discutidas neste tema. É admirável que uma pequena célula de crentes no primeiro século AD tenha crescido tão rapidamente diante dos poderosos príncipes das esferas espirituais (religiões, crenças) de seu tempo. Na verdade, os romanos e os judeus não poderiam fazer nada para impedir a difusão das palavras do Messias em Israel e para as nações. As torres de vigia babilônicas ocultas são derrubadas pela luz brilhante do homem justo unido ao Criador. O exército do falso Israel sionista, o poder de fogo do Império Romano Europeu e a espada sanguinária do Islão de Meca finalmente se ajoelharam diante da difusão das santas palavras do Pai Criador através de Yeshua e seus irmãos. O regresso à vida será o culminar do trabalho do Eterno.
2Corntios 10:3-6  Porquanto, embora vivendo como seres humanos, não lutamos segundo os padrões deste mundo.
Pois as armas da nossa guerra não são terrenas, mas poderosas em Deus para destruir fortalezas!
Destruímos vãs filosofias e a arrogância que tentam levar as pessoas para longe do conhecimento de Deus, e dominamos todo o pensamento carnal, para torná-lo obediente a Cristo.
E estaremos preparados para repreender qualquer atitude rebelde, assim que alcançardes a perfeita obediência.

1Coríntios 15:24-28  Então virá o fim, quando Ele entregar o Reino a Deus, o Pai, depois de ter destruído todo domínio, potestade e poder.
Porque é necessário que Ele reine até que absolutamente todos os seus inimigos sejam prostrados debaixo de seus pés. E o último inimigo que será destruído é a Morte.
Pois Ele "tudo sujeitou debaixo de seus pés". Porquanto, quando se afirma que "tudo" lhe foi submetido, é evidente que isso não inclui o próprio Deus, que conduziu todas as coisas à submissão de Cristo. Todavia, quando tudo lhe estiver sujeito, então o próprio Filho se submeterá àquele que todas as coisas lhe colocou aos pés, a fim de que Deus seja absolutamente tudo em todos.

Zacarias 4:6  Então ele me explicou: "Esta é a Palavra do SENHOR a ser entregue a Zorobabel: 'Não por força nem mediante a violência, mas pelo poder do meu Espírito!', afirma o Eterno dos Exércitos.

Lucas 12:51  Pensai que Eu vim para trazer paz à terra? Não, Eu vo-lo asseguro. Ao contrário, vim trazer separação! (ver também Mateus 10:24-35; 26:52; Lucas 22:36).

Hebreus 4:8  Porque, se Josué lhes tivesse oferecido descanso, Deus não teria feito declaração posterior a respeito de outro dia.
Hebreus 4:9  Sendo assim, ainda resta um descanso sabático para o povo de Deus;
Hebreus 4:10  pois toda pessoa que entra no repouso de Deus, também descansa de suas obras, como Deus descansou das suas.

Apocalipse 20:12  Vi também os mortos, grandes e pequenos, em pé diante do trono e alguns livros foram abertos. Então, abriu-se um outro livro, o Livro da Vida, e os mortos foram julgados pelas observações que estavam registradas nos livros, de acordo com as suas obras realizadas.

É verdade que falo muito de doutrinas, e isso me fascina na minha busca pelo Senhor, mas sei que uma pessoa de fé que carrega qualidades espirituais (generosidade, caridade, amor, honestidade, paz, mansidão, humildade, paciência...) ainda é apreciada pelo Senhor, mesmo que ele não esteja interessado em dogmas e seja confundido com uma sã doutrina. Eu não vim para condenar.
No entanto, acredito que virtudes e doutrina caminham juntas na vida do crente, somos como um bronze retumbante se não temos caridade, mas também somos jovens virgens perdidas sem um pilar de fé. O coração e o cérebro podem ouvir o murmúrio suave de Deus, o seu ser interior não está num vento apressado, num terramoto poderoso, num fogo devorador, é uma nota justa que ressoa na saída do deserto, afasta os nossos olhos da luz, aquela que Moisés descobriu quando foi pastar o seu rebanho atrás do deserto, na direção da montanha de Horebe.

Para concluir este tópico, podemos falar da voz do anticristo, aquele que não tem o mesmo murmúrio do Eterno, porque tem a voz deste mundo. O anticristo já existia no primeiro século, segundo os Evangelhos, ele não é um personagem específico, mas a voz da raça humana que nega da sua boca, voluntária ou involuntariamente, o Pai (criador) e o filho (homem unido ao Pai que venceu o pecado). O antimessias é contra o ensino de Cristo, as religiões e filosofias estudadas nesta página às vezes carregam o som de sua voz, porque não falam verdades importantes que são encontradas nas escrituras. Não importa que desculpas nos dêmos, a boca anti-ensino de Deus não gosta de confessar com sua boca: "Pai", "filho", "Jesus", "homem messias".


*Confessa com sua boca a inexistência do Pai Criador: ateísmo, budismo, politeísmo...

*Confessa com sua boca que Jesus não é o Filho de Deus e prometeu o Messias: Judaísmo, Alcorão e Islamismo, Budismo, ateísmo, politeísmo...

*Ele confessa com sua boca que o Messias não veio (à existência) realmente na carne (através da carne) como nós, ele é uma criatura angelical ou um Deus transformado em humano: cristianismo alterado.
Seria um homem que não é como os outros, evitando a crucificação e a morte graças a Deus, desligando-se da sua carne, do príncipe deste mundo: alcorão, Docetismo, gnose cristã e judaica...

1João 2:22  Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Messias? Este é o Inimigo de Cristo: aquele que rejeita tanto o Pai quanto o Filho.
1João 2:23  Todo o que nega o Filho de igual forma não tem o Pai; quem confessa publicamente o Filho tem também o Pai.

1João 4:3 mas todo espírito que não confessa Jesus chegou na carne não provém de Deus. Ao contrário, é o espírito do anticristo, a respeito do qual tendes ouvido que havia de vir e, já está presente.

Salmos 107:31  Dêem graças ao SENHOR por seu amor leal, por seus milagres em favor da raça humana!
Salmos 107:32  Exaltem-no na assembleia do povo e o louvem no conselho dos anciãos.
Salmos 107:33  Ele converteu rios, em desertos, e mananciais, em terra seca;
Salmos 107:34  terra frutífera, em deserto salgado, por causa da malignidade dos seus habitantes.
Salmos 107:35  Transformou o deserto, em lençóis de água, e a terra árida, em mananciais.
Salmos 107:36  Fez ali habitar os esfomeados, que fundaram uma cidade habitável.
Salmos 107:37  Semearam campos, plantaram vinhas e colheram os frutos de grande safra.











Obrigado por respeitar o trabalho realizado, compartilhando o link deste site.


Fonte :

1 Documentrio visto no canal ARTE : "Qatar, guerre d'influence sur l'Islam d'Europe" (Qatar, guerra de influência sobre o Islão da Europa).

2 Agostinho em seu livro sobre a trindade "De la trinité édition Raulx", livre 15, chapitre 11, p.553.

3  "The Jews in old Poland" (Os judeus na velha Polônia), 1000-1795 ed. Antony Polonsky, Jakub Basista, Andrzej Link-Lenczowski - 1993 p3 : Em suas notas e tradução, ele rejeita o nascimento milagroso.

4 "What the Rabbis Know About The Messiah" (O que os Rabinos sabem sobre o Messias) by Rachmiel Frydland, (Cincinatti, OH: Messianic Publishing Company, Messianic Literature, Outreach, 1991) p 22.

5 "Jewish Encyclopedia–Louis Ginzberg" (Enciclopédia Judaica), Jehoiachin vol. 7 p.84.

 

www.desertpath.net


Kevin FOUQUERE

chamado também Hans

Dezembro 2019