ESPIRITO DA LEI

Fé, graça e salvação

 

Lei de regulação

 

Circumcisão

 

Quem é o povo de Deus ?

 

Comentario adicional









Fé, graça e salvação


De acordo com uma doutrina difundida em muitas denominações cristãs, bastaria acreditar somente em Jesus pregado numa cruz para ser salvo para sempre, sem condições. A cereja do bolo é que Jesus é o deus criador ou mestre construtor do universo, e que seu sacrifício divino apaga todos os pecados passados e futuros dos novos convertidos. Em outras palavras, o crente nunca pode "perder a salvação", pois ele possui diretamente a vida eterna ao acreditar no sacrifício sangrento de um ser celestial transformado em carne. Entre os defensores desta crença calvinista, alguns ensinarão que é possível para um "verdadeiro crente" praticar repetidamente atos horríveis (assassinato premeditado, pedofilia, idolatria...) e ainda assim já ter a certeza da vida eterna no mundo vindouro. As pessoas que adotam esta crença explicam que os mais perversos (por causa da "carne") que acreditaram uma vez em Jesus definitivamente não podem mais perder sua vida, eles só perdem suas recompensas no céu porque construíram más obras sobre o fundamento da fé que é Cristo. Estes crentes perverteram a mensagem dos evangelhos, de que a vida é obtida pela fé e por fazer o bem, a vontade de Deus. Outros, com uma mente mais sadia, lhe dirão que um crente que comete pecados graves não tem a fé verdadeira. Isto é possível se fingimos acreditar, mas também devemos admitir que pessoas que realmente acreditam podem perder suas vidas. Neste capítulo, questionaremos o significado das palavras do apóstolo Saulo a respeito da justificação pelas obras da lei e redefiniremos as importantes definições de fé, graça e salvação.
Gálatas 5:4  Vós, que vos justificais por meio da Lei, estais separados de Cristo; caístes da graça!

Romanos 3:20  Portanto, ninguém será declarado justo diante dele confiando na obediência à Lei, pois é precisamente por meio da Lei que chegamos à irrefutável conclusão de que somos todos pecadores. Justificados pela fé em Jesus

Você acha apropriado acusar uma pessoa de ser "caída da graça" porque ela afirma ser justificada pela graça e pelas obras da fé (incluindo as dez palavras, chamadas os Dez Mandamentos)?  Estou fora da graça porque em minha fé considero importante tomar pelo menos um dia de descanso numa semana de sete dias para desconectar do trabalho diário e honrar o Criador? Estou pisando no evangelho da graça (Atos 20:24) ao pensar que javalis, cães e caracóis ainda estão sujos para comer de acordo com a Bíblia e outras culturas?  Alguns crentes agilizam em me julgar quando aprendem que eu pratico com prazer as leis do Pentateuco que testemunham minha fé no Eterno, e pensam que sou fraco na fé e me advertem para não cair "sob a lei" da primeira aliança. Eu lhes digo que minha salvação está no Messias, aquele que devemos imitar.  Então, estou realmente fora da graça porque sou justificado por uma graça de Deus e mandamentos que os discípulos, Paulo e os bons homens das nações ainda seguiam no novo pacto? Longe disso! Pelo contrário, confirmamos as boas obras da lei pela fé (Apocalipse 14:12; Romanos 3:31; 7:12). Há confusão entre dois contextos diferentes nos escrituras de Paulo e Tiago: justificação pelas obras da lei (Romanos 3:20 acima) e obras de fé (Tiago 2:17 + Tiago 2:8-14).
Tiago 2:17  Desse mesmo modo em relação a fé: por si só, se não for acompanhada de obras, está morta.

O calvinismo oferece uma interpretação de versos semelhantes ao Universalismo, ou seja, que todos os homens são salvos pela morte e ressurreição de Jesus na cruz, sem nenhuma obra. A maior diferença entre os dois é a necessidade de ter fé, pois o Universalismo ensina que os iníquos incrédulos também são salvos. Você conhece aquela canção francesa "on ira tous au paradis", em português "todos iremos para o paraíso", do grupo "les enfoirés"? Eles cantam que os amaldiçoados, os ladrões e os assassinos vão todos para o céu. A graça do Calvinismo e do Universalismo tira o princípio fundamental, ou seja, a prática do Bem (Deuteronômio 30:14-18, Jeremias 26:13). Certamente o dom de Deus é essencial, mas o fruto da vida no final do caminho está disponível para aqueles que não trabalham de bom grado no mal. Se o Eterno requer arrependimento e boas obras para não perecer, é porque as obras de fé são parte da justificativa para entrar na economia da vida. Irmãos batizados" que começam a praticar o mal podem fazer parte dos injustos por sua desobediência voluntária aos preceitos do Eterno (1 Coríntios 5:9-11). Os injustos não são apenas aqueles que não acreditam e praticam o mal, mas também aqueles que acreditaram e praticam este mal. Não basta saber que o Eterno separou o mar e curou o homem pela serpente de bronze cravada na madeira no deserto para entrar no reino.
1 Coríntios 6:10  nem ladrões, nem avarentos, nem viciados em álcool ou outras drogas, nem caluniadores, nem estelionatários herdarão o Reino de Deus.

A fé vem de nós mesmos, como resultado de ouvir a palavra, enquanto a palavra divina, a graça, a verdade e a salvação vêm da mente de Deus. O amor de Deus é a colocação em prática do que Ele ama e isto é construído sobre a fé, por isso está escrito: "o justo viverá pela fé". No caminho do deserto que sobe ao topo da montanha, a fé é o nosso motor, mas qual é o combustível? É o espírito santo e a palavra que nos santifica, que nos transforma (Romanos 1:5, Romanos 16:26). Diga-me, quem acredita na cruz e afoga de obedecer à voz da lei no caminho da fé? Igrejas que celebram casamentos homossexuais em nome do amor esquecem a Torá de Deus (instrução), padres católicos atraídos por paixões imundas não são apenas doentes mentais, assim como os assassinos em nome do deus Alá. Protestantes e calvinistas freqüentemente tendem a citar frases que dão a impressão de que somente a fé é necessária, enquanto o catolicismo e o judaísmo estão mais de acordo com nosso pensamento, que formulamos neste apófago: a fé REQUERE obediência. Nesta configuração, uma fé morta não é a ausência de fé (Tiago 2:17-24), mas a ausência de obediência. Uma fé morta é uma fé real, seja ela pequena ou grande, fraca ou forte, não podemos ser levados a acreditar que a "verdadeira fé" produz automaticamente boas obras e que já possuímos a vida eterna de antemão.
Isaias 51:3-4  Eis que ETERNO confortouTsión, Sião, consolou todas as suas tragédias; ele transformará o seu deserto em um Éden, e a sua solidão, como o jardim do ETERNO; regozijo e alegria se encontrarão nela, ações de graças, som de boa música e lindas canções. Atendei-me povo meu, e escutai-me, nação minha; porquanto de mim procederá a Torá, a Lei. Minha justiça se tornará uma luz para todas as nações!

O profeta Isaías anuncia a graça através da descida da lei ao deserto. Ser justificado pelas obras da lei significa viver "sob a lei" do primeira aliança, sendo justificado pela obediência a todas as suas leis. O povo se coloca em má situação por transgredir o pacto por causa da dureza de seu coração e pescoço. No novo pacto através de Yeshua (Jesus), não devemos destruir a lei e colocá-la contra a palavra "fé" por causa das transgressões do povo de Israel, a lei não se tornou subitamente uma maldição, ao contrário, ela ainda nos lembra da santidade do Altíssimo bendito seja Ele. Esta é uma das razões pelas quais não jogamos fora as leis do pacto que nos guiam ao ensinamento de Jesus. O novo pacto é sem dúvida diferente (Gálatas 3:16, Jeremias 31:31), mas esta mudança não faz com que seja correto queimar toda a lei de regulamentação, que discutirei no próximo capítulo. Os discípulos pediram aos bons homens das nações que seguissem as leis do pentateuco (Atos 15:20-21), apesar do domínio romano ou babilônico devido à infidelidade do povo (Jeremias 11:10, Deuteronômio 30). O tempo do messias nos leva para cima, para os valores essenciais que sustentam a aliança: amor, verdade, fé, misericórdia e justiça. A destruição do templo em Jerusalém marcará uma virada para um judaísmo arrogante que procurou se justificar por um legalismo religioso que era insuportável aos olhos do Eterno. Além de rejeitar as palavras do espírito do Messias e as virtudes de seu ensinamento, seus costumes estabelecidos ao longo dos séculos haviam deteriorado a lei original do Eterno, esquecendo os dois mandamentos principais: amar o Eterno e o próximo.
Lembro-lhes que a religião do "judaísmo rabínico" não é a verdadeira fé de Israel, assim como o "cristianismo distorcido" e o "islamismo": https://www.desertpath.net/Religioes&filosofias.html
Romanos 3:27  Onde está, pois, a razão para tanto orgulho? Foi completamente excluído! Por qual lei? Das obras? Não, ao contrário, pela lei da fé.
Romanos 3:28  Concluímos, portanto, que o ser humano é justificado pela fé, independentemente da obediência à Lei!
Romanos 3:29  Deus é Deus apenas dos judeus? Ora, não é Ele igualmente Deus de todos os povos? Evidente que sim, dos gentios também,
Romanos 3:30  visto que há um só Deus, que pela fé justificará os circuncisos e os incircuncisos.
Romanos 3:31  Anulamos, pois, a Lei por causa da fé? De modo algum! Ao contrário, confirmamos a Lei.

Romanos 2:12  Pois todos os que sem a Lei pecaram, sem a Lei também perecerão; e todos os que pecarem sob a Lei, pela Lei serão julgados.
Romanos 2:13  Pois, diante de Deus, não são os que simplesmente ouvem a Lei considerados justos; mas sim, os que obedecem à Lei, estes serão declarados justos.
Romanos 2:14  De fato, quando os gentios que não têm Lei, praticam naturalmente o que ela ordena, tornam-se lei para si mesmos, muito embora não possuam a Lei;
Romanos 2:15  pois demonstram claramente que os mandamentos da Lei estão gravados em seu coração. E disso dão testemunho a sua própria consciência e seus pensamentos, algumas vezes os acusando, em outros momentos lhe servindo por defesa.

Romanos 6:15-16  Que resposta dar? Vamos nos atirar ao pecado porque não estamos sob o jugo da Lei mas sob o poder da lei da Graça? Não! De forma alguma. Não estais informados de que ao vos entregardes a alguém como escravos para lhe obedecer, sois escravos deste a quem obedeceis, seja do pecado para a morte, seja da obediência que leva à justiça?

Filipenses 2:12-13  Sendo assim, meus amados, como sempre obedecestes, não somente na minha presença, porém muito mais agora na minha ausência, colocai em prática a vossa salvação com reverência e temor a Deus, pois é Deus quem produz em vós tanto o querer como o realizar, de acordo com sua boa vontade.

Quanto à salvação, às vezes é uma esperança de vir (Romanos 6:3-11; 8:11), às vezes uma posição espiritual em antecipação para aqueles que entram pelo caminho pela porta (Efésios 2:6, Colossenses 2:12, João 14:6). A doutrina não é formada apenas a partir de versículos que se encaixam em nossas crenças, devemos olhar o texto inteiro para encontrar a doutrina correta, alguns contextos são escatológicos e apontam para um fim iminente de um "mundo". Uma frase atual tensa como "aquele que crê tem a vida eterna" em João 8:24 e João 3:16 não se destina a ensinar a vida eterna num instante ao crente, mas a encorajar a pessoa justa que está no caminho estreito a permanecer em Cristo (João 15:5-6). Aprendemos a obedecer cada vez melhor a Deus (2Pedro 3:18) e se confessarmos sinceramente nossos erros em nossa santificação, podemos receber gratuitamente o perdão. É importante confessar nossos erros e perdoar aos outros (Marcos 11:25), a crença de um sangue do deus Jesus que perdoa antecipadamente todas as faltas futuras é uma invenção. Yeshua (Jesus) nosso irmão mais velho faz a vontade de seu Pai e nosso Pai, nosso Deus e seu Deus (João 20:17), não importa aonde isso nos leve.
1João 5:16-17  Se alguém vir seu irmão cometer pecado que não leva à morte, ore, e Deus dará vida ao que pecou. Refiro-me àqueles cujo pecado não leva à morte. Existe pecado que conduz à morte, não estou ensinando que se deva orar por esse. Toda injustiça é pecado, contudo há pecado que não induz à morte.

Para encerrar este capítulo, quero repetir que não estou condenando à perdição aqueles que não respeitam todos os mandamentos, se comer carne de porco e rato ou não descansar um dia de semana de sete dias, não será apedrejado na hora. O Eterno busca os corações, ele conhece nossa consciência, nossa história e nossa situação, eu não vos julgo. A situação de um povo unido de uma maneira para estabelecer a Torá que desceu da montanha não é a mesma de um homem que abre os olhos em um mundo corrupto ao seu redor. Além disso, existem diferentes graus de transgressão, muitas faltas não levam à morte. Por outro lado, posso julgar o bom e o mau em relação à Escritura, se ela for inspirada por Deus, eu mesmo serei julgado de acordo com minhas palavras, não devo fazer secretamente o contrário do que eu ensino. Os mandamentos dos quais Jesus ou João falam são os do pentateuco, do messias e seus discípulos não inventaram os mandamentos no primeiro século de nossa era, Jesus sabia o que seu pai já havia dito na lei. Quando um novo mandamento é mencionado (João 13:34), o objetivo é nos lembrar de um ponto importante que talvez tenha sido esquecido. E eu vos dou um novo mandamento, não mais adorar a criatura que morre na madeira como se fosse o Deus Criador ou um mestre construtor do universo (Deuteronômio 4:15-19; 10:12).
Marcos 12:29  Esclareceu Jesus: “O mais importante de todos os mandamentos é este: ‘Ouve, ó Israel, o eterno, o nosso Deus é o único Eterno.

João 14:21  Aquele que tem os meus mandamentos e obedece a eles, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e Eu também o amarei e me revelarei a ele.”

João 10:28  Eu lhes dou a vida eterna, e elas nunca perecerão; tampouco ninguém as poderá arrancar da minha mão.

1João 2:7  Amados, não vos escrevo mandamento novo, senão mandamento antigo, o qual tendes desde o princípio. Ora, esse mandamento antigo é a Palavra que ouvistes.
1João 2:8  Todavia, o que vos escrevo é um mandamento novo, o qual é verdadeiro nele e em vós, pois as trevas estão se dissipando e já brilha a verdadeira luz.

2João 1:5  E agora, senhora, rogo-te, não como se escrevesse um novo mandamento, mas enfatizando o que recebemos desde o princípio: que nos amemos uns aos outros.

1João 5:3  Porquanto, nisto consiste o amor a Deus: em que pratiquemos os seus mandamentos. E os seus mandamentos não são penosos.
1João 5:4  Todo aquele que é nascido de Deus vence o mundo; e este é o triunfo que vence o mundo: a nossa fé!

Marcos 10:19  Tu conheces os mandamentos: ‘Não matarás, não adulterarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, não enganarás ninguém, honra a teu pai e tua mãe’”.
Marcos 10:20  Ao que o homem declarou: “Mestre, tudo isso tenho obedecido desde minha adolescência”.
Marcos 10:21  Então Jesus o olhou com compaixão e lhe revelou: “Contudo, te falta algo mais importante. Vai, vende tudo o que tens, entrega-o aos pobres e receberás um tesouro no céu; então, vem e segue-me!”.

Deuteronômio 4:6  Sendo assim, cuidai de obedecer a eles e praticá-los, pois dessa maneira todos os demais povos observarão a sabedoria e o correto juízo que tendes. Ao ouvir todos esses decretos, os povos dirão: ‘Em verdade esta grande nação é constituída de um povo sábio e inteligente!’

Deuteronômio 11:1  Portanto, amarás o Eterno teu Deus e obedecerás continuamente a seus decretos, a suas doutrinas e a seus mandamentos.

Deuteronômio 10:18  Ele defende a causa do órfão e da viúva e ama o estrangeiro, provendo-lhe alimento e vestimenta.
Deuteronômio 10:19  Portanto, amareis o estrangeiro, porque fostes igualmente peregrinos na terra do Egito.

Levíticos 18:5  Guardareis meus estatutos e minhas normas: quem os cumprir encontrará neles a vida! Eu Sou Eternal.

Lucas 10:28  Então, Jesus lhe afirmou: “Respondeste corretamente; faze isto e viverás”.

Psalmos 19:7  A lei do Eterno é perfeita, e revigora todo o ser. As palavras que vêm do Eterno são dignas de confiança, e transformam os mais humildes em sábios.

Apocalípse 14:12  Aqui está a perseverança dos santos, daqueles que obedecem aos mandamentos de Deus e permanecem fiéis a Jesus.

Apocalípse 20:13  O mar entregou os mortos que jaziam nele, e a morte e o Hades entregaram os mortos que neles havia; e um por um foi julgado, de acordo com o que tinha feito.
Apocalípse 20:14  Então, a morte e o Hades foram atirados no lago de fogo. Esta é a segunda morte: o lago de fogo!
Apocalípse 20:15  E todo aquele cujo nome não foi encontrado escrito no Livro da Vida foi lançado no lago de fogo.

João 5:28  Não vos admireis quanto a isso, pois está chegando a hora em que todos os que repousam nos túmulos ouvirão a sua voz
João 5:29  e sairão; os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida, e aqueles que tiverem praticado o mal, para a ressurreição da condenação.


Conclusão: Falar de fé e graça é muito bom, mas também é necessário ter amor a Deus, que consiste em fazer sua vontade, justiça é pôr em prática suas palavras (1 João 5:3) para, pelo menos, não fazer o mal.





















Lei de regulação

Elohim (Deus) e suas leis universais trouxeram vida ao nosso sistema solar, a Terra tornou-se o centro de sua atenção. Em um cenário excepcional, a raça humana (Adão), a criatura favorita de Deus (Salmo 8), aparece no final da sexta era (dia) da criação. Pesquisadores, crentes ou não, estão maravilhados com as leis que governam o universo, ainda me lembro de meu primeiro livro científico sobre o cosmos1, lido durante minha adolescência. Além da influência de uma crença não científica e não bíblica mencionada pelo autor no capítulo 17 (uma trindade no "poder trans-dimensional"), é demonstrado que parâmetros muito precisos permitiram o surgimento da vida. Você já pensou sobre os milhões de bombas artificiais que explodem em tempos de guerra sem nunca organizar o assunto? Bem, hoje nos ensinam na escola que uma explosão gigantesca chamada "Big-bang" trouxe um equilíbrio incrível ao universo.  Temos motivos para nos perguntar sobre a existência de um ser inteligente, as primeiras linhas do Gênesis, escritas há milhares de anos, propõem uma cosmologia que é preocupante para a mente humana. Você sabia que o cientista Einstein declarou ter cometido o maior erro de sua carreira ao se opor a um padre científico chamado Lemaître, que lhe provou que o universo está em expansão desde o início, a azáfama do deserto: capítulo 1, https://desertpath.net/criacoes.htm
Jeremiah 10:12  Mas foi Deus quem pensou e formou a terra por meio do seu poder, e firmou o mundo com a sua sabedoria. Foi o Eterno quem estendeu os céus mediante seu entendimento.

Isaías 40:3-24  Há uma voz que clama: “Em meio à terra desértica preparai o caminho para Eterno; na estepe, aplanai uma vereda para o nosso Deus! Seja entulhado todo o vale, todos os montes e colinas sejam aplanados; eis que os terrenos acidentados se tornarão planos; as escarpas serão niveladas. A Glória do Eterno, o Eterno , será revelada, e juntos, todos a contemplarão. Porquanto a boca de Eterno o afirmou!” Eis outra voz que ordena: “Clama!”, ao que indago: “Que, pois, hei de clamar?” E ouço a resposta: “Toda carne é erva e toda a sua graça como a flor do campo.
Seca-se a erva e murcha-se a flor, quando o vento do Eterno sopra sobre elas; o povo não passa de relva frágil. A relva murcha e as flores caem, mas a Palavra de nosso Deus permanece eternamente!”
Tu, que trazes boas novas a Tsión, Sião, suba num alto monte. Tu, que anuncias boas novas a Jerusalém, levanta a tua voz com fortes brados, ergue-a, não tenhas receio e proclama às cidades de Judá: “Eis aqui está o vosso Deus!” Eterno, o Eterno vem com poder! Com seu braço forte ele governa. A tua paga está guardada com ele, e diante dele segue o teu galardão! Como bom pastor ele cuida do seu rebanho. Nos próprios braços ajunta os cordeirinhos e os conduz no colo; guia com todo cuidado as ovelhas que amamentam suas crias. Ora, dizei-me: Quem pôde medir a águas na concha da sua mão? Quem conseguiu avaliar a extensão dos céus a palmos, medir o pó da terra com o alqueire, ou calcular o peso da terra, ou ainda pesar as montanhas na balança e as colinas nos seus pratos?
Quem teve acesso a mente do Espírito do Eterno; instruiu-lhe com seus conselhos? Quem teve a capacidade de lhe dar lições, ensinamentos e esclarecimentos? Quem o orientou a julgar com justiça? Quem lhe ministrou o conhecimento e lhe indicou o caminho da sabedoria? Na verdade todas as nações do mundo são como uma gota d’água num balde, como um grão de poeira na balança; o Eterno carrega as ilhas distantes como se fossem grãos de areia. Em toda a região do Líbano, não há animais suficientes para realizar um sacrifício como Deus merece, nem mesmo árvores suficientes para queimar este holocausto. Diante da presença do Eterno todas as nações juntas são como nada; para ele são sem valor e menos que nada. Afinal, com quem Deus pode ser comparado? Com o que ele se parece? Ora, ele não é como uma imagem ou escultura feita por um artista, ou uma joia que um artesão funde e o ourives cobre de ouro e para a qual modela correntes de prata? Também não se compara com o ídolo do pobre, que não pode comprar ouro ou prata, mas que adquire um pedaço de madeira nobre e procura um hábil marceneiro a fim de produzir uma imagem que não caia e fique firme no seu lugar. Porventura não sabeis? Não ouvistes? Não vos foi dito isso desde o princípio? Não entendestes desde a fundação da terra? Ele é o que está assentado em seu trono, acima da cúpula da terra, cujos habitantes são para ele como gafanhotos; ele é o que estende os céus como cortina e os desenrola como tenda para nela morar. Ele é o que reduz os príncipes a nada e torna inúteis os juízes da terra.
Mal são plantados e semeados, e mal firmam raízes na terra, ele sopra sobre eles, então secam e a tempestade os leva como se fossem palha.

Que, pois, hei de clamar? Toda a carne é grama, bebida da fonte da vida, pois a palavra do Eterno permanece para sempre. Filhas, arrependam-se, a Mãe Natureza está definhando sem seu marido YHWH, o Ser, Pai e Mãe, o Alfa e Ômega, aquele que foi, é e será.
Eu chamo de "lei reguladora" os direitos naturais e as leis morais que guiam a raça humana no caminho para o Pai. Nosso criador enquadra o homem na natureza com regras, mas lhe dá grande liberdade. Somos como elétrons orbitando o núcleo de um átomo. Somos responsáveis por nossas palavras e ações (Salmos 82:6-7, Gênesis 1:28), não culpemos o bom Deus pelas desgraças do mundo, especialmente se você não acredita nEle. Adão, o representante da raça humana, não desobedeceu ao Eterno, provando apressadamente o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal? Também nós, adão, queimamos as leis divinas ao queimarmos as florestas e seus seres vivos, as esferas espirituais (os altos líderes religiosos) se corromperam e tremem com as nações numa nuvem tóxica de fumaça. Nossas escolhas não são muito rigorosas, judiciosas, boas e edificantes (1 Coríntios 10:23), estamos cientes disso? Será que a criança não precisa da educação de seus pais? A lei é encontrada em diferentes ambientes, na escola, por exemplo, alguns aprendem a não colar chiclete debaixo das mesas enquanto outros devem parar de zombar com os deficientes. Precisamos da lei de regulação do Eterno, pai da criação.

Isaías 9:18  Porquanto a impiedade queima como fogo; consome roseiras bravas e espinheiros, incendeia os matagais da floresta, provocando imensas nuvens de fumaça.

Nesta lei de regulamentação para o homem, proponho distinguir dois ramos importantes:
- a lei de regulação em relação à criação, ela é sempre válida e se aplica a todos.
- a lei de regulação em relação a um sistema de coisas criadas pelo homem em seu livre arbítrio.
O mandamento de não dar falso testemunho contra o próximo será sempre válido. Por outro lado, sacrificar um mamute ou um cordeiro pela expiação das faltas no templo destruído de Jerusalém é impossível. Além disso, e o mais importante, os profetas ensinam que os sacrifícios de animais puros da Bíblia nunca perdoaram realmente os pecados. Assim, no caminho para o deserto, a lei do regulamento em geral não é abolida com um golpe de graça pela espada escura do falso evangelho sem lei, é necessário continuar a seguir as palavras boas e discursivas (mandamentos) dos primeiros convênios a fim de gravá-las no coração. O próprio apóstolo judeu Sauol diz que ele não é um sem lei (1 Coríntios 9:21) entre os homens bons das nações. Seguindo este parágrafo, proponho uma leitura de vários versículos, procuro discernir os diferentes contextos para não concluir apressadamente que o bom homem do tempo messiânico vive sem nenhuma lei dos livros do Pentateuco. Que o corpo do messias pode discutir a sombra das coisas futuras, porque antes de tudo, os compromissos devem abandonar o culto politeísta de Zeus que morre na forma humana na Terra ou do filho divino que viveu com ele antes da criação.
Psalmos 19:7  A lei do Eterno é perfeita, e revigora todo o ser. As palavras que vêm do Eterno são dignas de confiança, e transformam os mais humildes em sábios.
Psalmos 19:8  Os preceitos do Eterno são justos, e proporcionam alegria ao coração. Os mandamentos do Eterno são cristalinos e iluminam o entendimento.
Psalmos 19:9  O temor do Eterno é puro, e permanece eternamente. As ordenanças do Eterno são verdadeiras e todas igualmente justas.

Psaumes 119:98 e 104  "Os teus mandamentos me fizeram mais sábio que meus adversários, porquanto estão sempre comigo". "Graças aos teus preceitos tenho entendimento; por isso, detesto todos os caminhos da mentira!"

Gálatas 3:19  Qual era, então, o propósito da Lei? Ora, a Lei foi acrescentada por causa das transgressões, até que viesse o Descendente a quem se referia a Promessa, e foi promulgada por meio de anjos, pela mão de um mediador.

Hebreus 7:15  E este fato torna-se ainda mais claro com o surgimento de outro sacerdote à semelhança de Melquisedeque,
Hebreus 7:16  não constituído segundo o decreto de um mandamento humano relativo à linhagem, mas de acordo com o poder de uma vida inextinguível.
Hebreus 7:17  Porque sobre Ele está escrito: “Tu és sacerdote para sempre, conforme a ordem de Melquisedeque”.
Hebreus 7:18  Assim, o mandamento anterior é anulado por causa de sua fragilidade e inutilidade,
Hebreus 7:19  pois a Lei jamais conseguiu aperfeiçoar nada, sendo, portanto, estabelecida uma esperança muito superior, por meio da qual temos pleno acesso a Deus.

2 João 1:5  E agora, senhora, rogo-te, não como se escrevesse um novo mandamento, mas enfatizando o que recebemos desde o princípio: que nos amemos uns aos outros.
2 João 1:6  E este é o mandamento do amor: que andemos em obediência às suas ordenanças. Como tendes ouvido desde o princípio, o mandamento é este: Que andeis em amor! Os falsos mestres e suas heresias

1 Timótio 1:6  Alguns, contudo, se desviaram desses princípios, e se entregaram a discussões sem valor algum, intentando ser mestres da Lei, quando não compreendem nem o que propalam nem os assuntos sobre os quais fazem afirmações com tanta convicção. A Lei e os seus reais objetivos Sabemos, todavia, que a Lei é boa, se alguém a usa de forma adequada. De igual modo, sabemos que ela não é feita para os justos, mas para os transgressores e insubmissos, para os perversos e pecadores, para os profanos e irreverentes, para os que matam pai e mãe, para os assassinos, para os que vivem na prática de imoralidades sexuais e os homossexuais em geral, para os sequestradores, para os mentirosos e os que fazem juramentos falsos; e para todo aquele que se revolta contra a sã doutrina. Esta sã doutrina encontra-se no glorioso Evangelho que me foi outorgado, a saber, o Evangelho do Deus bendito! A eficácia da graça de Deus.

Mateus 5:31  Foi dito também: ‘Aquele que se divorciar de sua esposa deverá dar a ela uma certidão de divórcio’.
Mateus 5:32  Eu, porém, vos digo: Qualquer que se divorciar da sua esposa, exceto por imoralidade sexual, faz com que ela se torne adúltera, e quem se casar com a mulher divorciada estará cometendo adultério. Votos e juramentos.

A comparação entre Mateus 19:8 e Deuteronômio 21:4 nos mostra uma forma de flexibilidade na lei através de Moisés, ela se adapta ao nível espiritual do homem da época e ao mundo que ele construiu para si mesmo. Jesus menciona a razão: a dureza do coração do homem. A partir disto, concluímos que as leis estão enfraquecidas porque se abaixam para reações humanas imperfeitas. Ainda hoje, quantos casais se separam facilmente de seu cônjuge para se sentirem "livres"? A situação é pior quando encontramos esta mentalidade em casais com filhos. A sociedade carece de fé, ela influencia o divórcio e mancha os valores do casamento (exibicionismo, adultério fácil, benefícios sociais, pacs, casamentos brancos e assim por diante). E o casamento não é uma cerimônia humana em primeiro lugar, é a união de um homem e uma mulher que perderão o véu através do sangue do pacto com seu parceiro, imagem do Messias que se oferece ao Eterno. O sangue é um sinal do pacto na natureza e em nossa cultura. Para continuar sobre a flexibilidade da lei de regulação, citamos o exemplo da poligamia, por que Deus e Moisés permitem a concubinato, ao contrário do incesto e da homossexualidade (Levítico 20)?  Moisés era mais flexível na poligamia por causa das paixões, da esterilidade e, especialmente, do grande número de mulheres que saíram depois das guerras. Homossexualidade e incesto nunca produzirão bons frutos (geneticamente), não é uma boa solução após a guerra e estes atos são muito menos limpos e tolerados aos olhos do Criador. Hoje, o judaísmo finalmente favorece a monogamia sobre a concubinato da Bíblia, assim como o apóstolo judeu Saulo. O antropomorfismo atesta este menosprezo do Eterno e de suas leis:
Gênesis 3:9  Mas o Eterno Deus convocou o homem, indagando: “Onde é que estás?”
Gênesis 3:10  O homem declarou: “Ouvi o som do teu caminhar no jardim e, vendo que estava nu, tive receio; por essa razão me escondi!”
Gênesis 3:11  Então, Deus o questionou: “E quem te fez saber que estavas nu? Comeste, então, da árvore que te proibi de comer?”

O projeto de fazer o homem à semelhança de Deus é realizado a longo prazo e devemos alcançá-lo com a mente de Deus, sem nunca descartar a noção correta de livre arbítrio: "não pela força, mas pelo meu espírito" (Zacarias 4:6). O homem é convidado a ser como um deus (filho de Deus), o messias é chamado de "poderoso juiz/deus" e "pai da eternidade" (Isaías 9:6, Salmos 82:6) porque ele faz a vontade do Eterno e recebeu o poder de julgar e dar vida por o conhecimento do Eterno. Ele é o padrão do julgamento de Deus, o filho ideal. A Bíblia não esconde a necessidade de evolução, ela escreve que a glória do ministério de Moisés foi fugaz (2 Coríntios 3:13-16). A lei é insatisfeita quando está fora do coração de Adão; o homem teve que crescer espiritualmente. Portanto, a instrução (Torá) revela uma lei perfeita de todos os tempos e uma "sub-lei" imperfeita adaptada às atividades humanas de uma época (civil, religiosa, militar) e aos erros. O Deus de amor não ia pedir a seu povo que desse a outra face (Mateus 5:39) aos filisteus que desejavam exterminá-los, nem Yeshua (Jesus) estava falando a um deus de amor diferente daquele do primeiro contrato. Esta reflexão talvez seja uma resposta àqueles que argumentam que o Deus do primeiro contrato (pacto) é imperfeito por causa dos escritos e fatos relacionados na Bíblia hebraica. Israel tinha a principal missão de trazer a lei e o nome de Deus no meio das nações, quer estejamos num mundo de pessoas despreocupadas ou bárbaros. Em nosso ambiente profissional ou familiar, também manifestamos autoridade e compaixão, cada episódio é manifestado em seu próprio tempo, é escrito:
"Porquanto a Lei foi dada por intermédio de Moisés; mas a graça e a verdade vieram através de Jesus Cristo". (João 1:17).

João 8:31  Então, disse Jesus aos judeus que haviam crido nele: “Se permanecerdes na minha Palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos.
João 8:32  E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.”
João 8:33  Eles responderam-lhe: “Somos descendência de Abraão e jamais fomos escravos de ninguém. Como podes tu afirmar que seremos libertos?”
João 8:34  Jesus explicou-lhes: “Em verdade, em verdade vos asseguro: todo aquele que pratica o pecado é escravo do pecado.
João 8:35  O escravo não fica em casa para sempre, mas o filho permanece para sempre.
João 8:36  Assim sendo, se o Filho vos libertar, sereis verdadeiramente livres. A semente de Abraão e de Satanás
João 8:37  Eu sei que sois a descendência de Abraão, entretanto, procurais matar-me, porque a minha Palavra não tem lugar dentro de vós.

O ministério de Jesus não é a destruição e o fim da lei (Romanos 10:4), a palavra grega "telos (fim)" usada neste versículo 4 de Romanos 10 pode ser traduzida como "meta, objetivo". Este objetivo é que a palavra seja gravada no coração com um novo espírito (Jeremias 31:33, Hebreus 8:10-13). Assim, estabelecemos obediência à instrução (Torá), às leis (Romanos 3:31) em nossa fé. Então, se Paulo diz que não está anulando a lei, por que ensinar o contrário? O povo tinha que ter fé nas palavras do messias de Israel e pôr de lado seu orgulho para se arrepender (Atos 2:38), então eles receberiam o sopro anunciado pelo profeta Joel para os últimos dias (Joel 2:38-32). Os últimos dias de que Joel fala não são um período ainda por vir; eles já tinham começado no primeiro século de nossa era. Da fé vem o cumprimento da lei real no novo pacto. O comentário da Bíblia Católica de Jerusalém sobre o motorista ou professor mencionado em Gálatas 3:24 é interessante:
"Os cristãos não estão mais sob a autoridade de um pedagogo, mas no amor do Pai: portanto, eles escutam sua palavra, antiga ou nova, não mais sob compulsão e segundo a carne, mas na liberdade e no espírito".
Romanos 10:4  Porque o fim da Lei é Cristo, para justificação de todo o que crê.
The Message of Salvation to All
Romanos 10:5  Ora, Moisés ensina desta maneira sobre a justiça que vem da Lei: “O homem que pratica a justiça proveniente da Lei viverá por meio dela”.
Romanos 10:6  Todavia, a justiça que vem da fé declara: “Não digas em teu coração: ‘Quem subirá aos céus? Isto é, para trazer do alto a Cristo.
Romanos 10:7  Ou, ainda: ‘Quem descerá ao abismo?’, isto é, para fazer Cristo subir dentre os mortos.
Romanos 10:8  Mas o que ela diz? “A palavra está bem próxima de ti, na tua boca e no teu coração”, ou seja, a palavra da fé que estamos pregando:
Romanos 10:9  Se, com tua boca, confessares que Jesus é senhor, e creres em teu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo!
Romanos 10:10  Porque com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.
Romanos 10:11  Conforme diz a Escritura: “Todo o que nele crê jamais será decepcionado”.
Romanos 10:12  Portanto, não há distinção entre judeus e gentios, pois o mesmo senhor é senhor de todos e abençoa ricamente todos os que o invocam.
Romanos 10:13  Porque: “Todo aquele que invocar o Nome do senhor será salvo!”
Romanos 10:14  No entanto, como invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram falar? E como ouvirão, se não há quem pregue?

A liberdade no Messias não significa estar livre da lei de regulamentação do homem, significa ter um espírito que não mais se opõe à vontade do Eterno e de suas leis. No deserto, diante do adversário, Jesus cita os mandamentos que tem em seu coração, ele menciona sua origem citando as escrituras: "está escrito...". Não deveríamos então citar mais os mandamentos após a morte de Jesus por pecados involuntários? Os dois versículos mais usados para argumentar que a lei é amaldiçoada são Colossenses 2:14 e Efésios 2:15. Nestas sentenças, Paulo não quis explicar que todos os mandamentos do Eterno através de Moisés são uma maldição, ele está simplesmente falando sobre as ordenanças e penalidades que amaldiçoam o transgressor da lei de Deus. Quando o homem transgride os mandamentos (idolatria, roubo, prostituição, ganância, falsa testemunha, assassinato...), aparece num quadro uma lista de sanções que o Eterno abolirá gratuitamente pela fé de Jesus. Mais uma vez, vemos que o contexto não ensina a destruição de toda a lei de Deus no deserto. Isso não significa que o Eterno não julgará mais as más ações daqueles que continuam a não fazer sua vontade.
Colossenses 2:11  Nele também fostes circuncidados, não por intermédio de mãos humanas, mas com a circuncisão feita por Cristo, que é o despojar da carne pecaminosa.
Colossenses 2:12  Isso aconteceu quando fostes sepultados com Ele no batismo, e com Ele foram ressuscitados mediante a fé no poder de Deus que o ressuscitou dentre os mortos.
Colossenses 2:13  E a vós outros, que estáveis mortos pelas vossas transgressões e pela incircuncisão da vossa carne; vos deu vida juntamente com Ele, perdoando todos os nossos pecados;
Colossenses 2:14  e cancelou a escrita de dívida, que consistia em ordenanças, e que nos era contrária. Ele a removeu completamente, pregando-a na cruz;

Ephesios 2:13  Todavia, agora, em Cristo Jesus, vós que antes estáveis distantes, fostes aproximados mediante o sangue de Cristo.
Ephesios 2:14  Porquanto, Ele é a nossa paz. De ambos os povos fez um só e, derrubando o muro de separação, em seu próprio corpo desfez toda a inimizade, ou seja,
Ephesios 2:15  anulou a Lei dos mandamentos expressa em ordenanças, para em si mesmo criar dos dois um novo ser humano, realizando assim a paz,
Ephesios 2:16  e reconciliar com Deus os dois em um só Corpo, pelo ato na cruz, por intermédio do qual Ele destruiu toda a irreconciliabilidade.

Jesus dá uma lista exaustiva de mandamentos (Marcos 10:17-19; Mateus 19:16-20), mas isto não significa que ele estava ensinando seu interlocutor judeu a abandonar outros mandamentos, tais como observar o dia de descanso em Israel, não usar o nome do Eterno em vão, não comer carne de porco, etc. No Conselho de Jerusalém, as quatro leis do Pentateuco também faziam parte de uma pequena lista de mandamentos da Torá (instrução) para os homens bons das nações (Atos 15:20-21), cujo objetivo era protegê-los do jugo (circuncisão e leis inúteis) que os judeus estavam ensinando e ao mesmo tempo evitar um retorno ao paganismo dos outros povos. Os mandamentos declarados vieram de Deus através de Moisés: abster-se da carne de ídolo (Deuteronômio 29:17; Levítico 19:4); abster-se do sangue e da carne sufocada (Deuteronômio 12:16; Levítico 17:11-14) e das relações sexuais sujas e impuras (Levítico 20). Jesus e os discípulos escolheram as palavras certas de acordo com o contexto de cada um. O cristianismo deve portanto retornar aos preceitos que o Eterno ama e não afrouxar numa liberdade que satisfaça os desejos da carne.
Lucas 15:29  Porém ele replicou ao pai: ‘Há tantos anos tenho trabalhado como um escravo para ti sem nunca ter desobedecido a uma só ordem tua. Contudo, tu nunca me ofereceste nem ao menos um cabrito para que pudesse festejar com meus amigos.
Lucas 15:30  No entanto, chegando em casa esse teu filho, que pôs fora os teus bens com prostitutas, tu ordenaste matar o novilho gordo para ele!’.
Lucas 15:31  Então, lhe arrazoou o pai: ‘Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo o que possuo é igualmente teu.
Lucas 15:32  Porém, nós tínhamos que celebrar muito à volta deste teu irmão e regozijar-mo-nos, porque ele estava morto e reviveu, estava sem esperança e foi salvo!’”.

Conclusão:
As leis do Pentateuco são essenciais, devemos ouvir as notas certas do ensinamento (Torah) do Eterno. Não adore o homem Jesus como o Deus, então, eu defendo a observância das ordenanças prescritas em Atos 15:29 e as dez palavras santas (mandamentos) de Deus de Moisés, para distinguir entre animais limpos e impuros para aqueles que comem carne. É interessante entender o significado das festas de Israel e dos sábados na aliança de Moisés, mas não é necessário praticá-las, especialmente após a destruição do templo no ano 70 e fora de Israel. O homem unido com Deus é o mais belo templo.






















Circuncisão

Segundo o dicionário, o prepúcio é uma "dobra móvel da pele que cobre mais ou menos a glande do pênis em estado flácido". Este tecido é composto de pele, membrana mucosa, nervos, vasos sanguíneos e fibras musculares; tem funções protetoras, imunológicas e sensoriais. Além disso, a pele do bebê impede o contato direto entre urina e fezes, o prepúcio desenvolverá mais tarde uma função mecânica adaptada às relações sexuais através o movimento de retração do prepúcio. Tendo lido e compreendido as características naturais do prepúcio, que demônio quereria remover esta parte do corpo? É legítimo questionar-se sobre a origem desta prática agressiva para o corpo humano e o significado que lhe foi dado:
- O homem veio à existência sem um prepúcio e por que o Criador pediria para remover um pedaço natural de pele que cobre a ponta do órgão genital masculino?
- Um pai pode impor dor e alterar o corpo natural de seu próximo, incluindo o de seu filho?
- temos o direito de duvidar das informações dadas num livro?
- qual é o ensinamento do criador através dos profetas e Yeshua (Jesus) a respeito da circuncisão?
Jeremias 2:11  Acaso há notícia que alguma nação tenha trocado os seus deuses? E eles, na realidade, nem sequer são deuses! Contudo, o meu povo trocou a minha Glória por um punhado de deuses nulos e inúteis.

Mencionamos brevemente as funções essenciais do prepúcio, então por que removê-lo com um bisturi ou pedra cortada para criar o sangue de uma aliança de casamento? Não é por acaso que o corpo está coberto de pele, unhas, cabelos e mecanismos de abertura e fechamento que impedem a entrada de agentes externos no corpo. Será que o criador e a natureza nos fizeram sem prepúcio? Alguns judeus e cristãos acreditam que o homem não tinha pele no fim do pênis no início de sua existência, então, segundo eles, a circuncisão restauraria a verdadeira imagem do homem no momento de sua aparição na Terra! Entretanto, a ciência e o livro de Gênesis não mencionam nenhuma modificação morfológica do pênis em nossos ancestrais homo-sapiens e a história simbólica de Adão e Eva nunca menciona a aparência de um pedaço de pele no órgão genital masculino! Por outro lado, o texto especifica que o homem e a mulher foram cobertos com uma peça de pele (Gênesis 3:21) para esconder sua nudez, qual raça de víboras mutilará o sexo feminino explicando que uma pele apareceu em seu sexo? Na medicina, existem malformações do prepúcio (fimose, ausente ou prepúcio muito curto) e isto certamente não é prova de uma modificação devido a nossa evolução. A ciência tem demonstrado claramente a evolução da morfologia da mandíbula como resultado de nossa dieta, assim como a capacidade craniana em nosso aprendizado. A circuncisão da carne não é uma melhoria real e espiritual de nosso ser, alguns crentes infelizmente imaginarão que um recém-nascido é "belo" (Atos 7:20) porque saiu do ventre de sua mãe sem prepúcio, isto é o oposto da realidade e da verdade.
Gênesis 17:11  Fareis circuncidar a carne de vosso prepúcio, e essa será a marca da Aliança entre mim e vós.
Gênesis 17:12  De tua geração em diante, todos os meninos, ao completarem oito dias de vida, terão de passar ao fio da circuncisão. Tanto os nascidos em tua casa quanto os escravos, e os que forem comprados por dinheiro a algum estrangeiro e que não pertençam à tua raça.
Gênesis 17:13  Sejam nascidos em tua casa, sejam comprados, todos terão de ser circuncidados. Minha Aliança, marcada em vossos corpos, será uma Aliança perpétua!
Gênesis 17:14  Portanto, qualquer sexo masculino cuja carne do prepúcio não tiver sido cortada, mantendo-se incircunciso, será eliminado do meio do seu povo: ele rompeu a minha Aliança!”

A circuncisão é pouco contestada dentro das religiões monoteístas, muito poucos crentes questionam sua autenticidade nas escrituras. Os defensores deste rito "Pagão-Hebraico" adiantam os benefícios a nível higiênico e imunológico, por exemplo, eles podem dizer que a remoção do prepúcio evita infecções devido a bactérias que estagnam entre o prepúcio e a glande. Entretanto, este risco é facilmente eliminado pela higiene natural e diária do pênis! Os defensores do corte do prepúcio não consideram as desvantagens que mencionamos acima, portanto, seu pacto divino não deve se tornar problemático. De acordo com a famosa passagem do Gênesis 17, o criador abençoa muito Abram e seus descendentes através da dor física infligida ao órgão masculino, aqueles que não se submetem a ele devem ser cortados do povo! Incrível para um deus que estabeleceu anteriormente que a vida e a morte, a bênção e a maldição são o salário do bem e do mal. Concretamente, onde está o benefício da circuncisão e qual é o seu significado? Além do fato de que é bom obedecer ao bom Deus, é difícil ligar este antigo rito do Oriente Próximo (tribos africanas, Egito antigo) à noção de bem!
Ezequiel 20:30  Portanto, declara à Casa de Israel: Assim diz Eterno, o Eterno Deus: Porventura vos contaminais a vós mesmos, como vossos pais e antepassados? E vos prostituís com as suas malignidades?
Ezequiel 20:31  E, ao oferecerdes as vossas dádivas, quando sacrificais em holocausto os vossos próprios filhos, apenas continuais a contaminar-se mais e mais com todos os seus ídolos, e isso até o presente momento! Ora, será que agora deverei permitir que me consulteis, ó nação de Israel? Juro pela minha vida, Palavra do Eterno, que não atenderei ao vosso chamado nem a vossa consulta.
Ezequiel 20:32  E tendes murmurado: ‘Queremos ser como as nações pagãs, como os povos do mundo, que servem a ídolos e imagens de madeira e pedra!’ Todavia, de modo algum sucederá o que estais cogitando!

Às vezes Israel copia os costumes das nações (1Samuel 8:5; 20) e basta que os escribas harmonizem um pouco os textos para nos fazer acreditar que seus pensamentos humanos na Bíblia vêm diretamente da vontade do criador (Deuteronômio 17:14).  Encontramos este raciocínio entre os crentes quando não são confrontados com obstáculos em suas escolhas, ouvimos dizer que o espírito santo fala com eles ou que estão fazendo a vontade de Deus. Se nossas escolhas não estão no plano original do Criador, ele nem sempre necessariamente se opõe a elas, sua vontade é que também reflitamos quem somos, uma lição pode surgir. No final, o espírito dos profetas nos lembrará do que o Eterno realmente quer. Creio que isto é assim com a circuncisão, o Eterno nunca pretendeu esta prática pagã sobre os filhos de Adão (homem). No primeiro capítulo do livro de Leonard B. Glick2 , um judeu que renunciou à circuncisão, são apresentadas várias explicações judaicas para o corte do prepúcio. Howard Eilberg-Schwartz evoca a metáfora de uma árvore madura que deve dar mais frutos se for despojada de seus caules e galhos.  Mas ao desenhar semelhanças entre os rituais humanos e as obras da natureza, devemos também notar as diferenças e limitações de uma comparação: o pênis do recém-nascido nunca será uma árvore madura para ser podada.  De passagem, gostaria de agradecer às associações judaicas e não judaicas que lutam contra a aplicação deste rito em adultos e recém-nascidos.
Jeremias 9:26  como de igual forma o Egito, Judá, Edom, Amom, Moabe e todos os que rapam a cabeça ou prendem o cabelo junto à testa e habitam no deserto; porquanto todas essas nações são incircuncisas e a Casa de Israel tem o coração extremamente teimoso, sendo incircuncisa de coração!”

Muitos judeus e cristãos se apegarão a fábulas (Tito 1:14) para defender a circuncisão mencionada na Bíblia. No início, Adão teria perdido sua veste de luz por causa de sua desobediência a Elohim (Deus) no Jardim do Éden. Um fluxo de sangue através do corte (pacto) do pênis supostamente compensaria esta perda, o rasgo ao redor do prepúcio forma o anel carnal da circuncisão do pacto Abraâmico, um povo distinguido por sua pertença a YHWH. Mas nossa teologia refuta esta teologia, já expliquei várias vezes que todos os homens sem exceção, incluindo o Messias, são antes de tudo homens carnais incompletos e imperfeitos. Adão não perdeu uma veste espiritual de luz para colocar uma pele no prepúcio, esta necessidade de encontrar uma veste branca celestial e luminosa é errada porque viemos primeiro da natureza e do mesmo assunto que o animal. Esta impressão de retorno só pode ser concebida em relação ao plano do Eterno: fazer o homem à semelhança de um filho unido a ele (Efésios 1:4), o homem elohim do alto. Repito novamente, o messias não é o Deus criador ou um anjo mestre do universo, o ungido (messias) deve imperativamente ser um humano por natureza, ele é intrinsecamente o filho de Adão (homem) em sua identidade original. É depois disso que Yeshua (Jesus) endossará perfeitamente o título de "filho único de Deus" (Salmos 2:7, Salmos 36:9, Lucas 1:32...) através do batismo e da ressurreição. Também somos chamados a suportar a natureza divina (2 Pedro 1:3-4). A realidade científica e a Bíblia discordam desta teologia, não há Adão que perca sua veste de luz e um Jesus que desista de sua natureza divina para se tornar humano.
1 Coríntios 15:46  Assim, não foi o espiritual que veio primeiramente, mas sim o natural; depois dele então, chegou o espiritual.

A circuncisão também não é o emblema de uma evolução espiritual individual e coletiva do homem, a história bíblica prova que a circuncisão do prepúcio na carne não reage melhor do que outros povos. Em 2 Reis 17, a circuncisão não impediu Israel de viver em devassidão e infidelidade. Outras pessoas foram circuncidadas antes de Abrão e realmente só se distinguiam das outras pela aparência do pênis. Não há poder na circuncisão. E a destruição do prepúcio não deve refletir uma circuncisão interior do coração (Salmo 51:5, Isaías 5:6-7), deve-se retirar da mente o conceito de que um coração puro é um coração circuncidado ligado a um costume que se concentra num nível inferior do corpo humano, no poderoso órgão de sensibilidade (pênis). É preciso um coração de pedra e uma mão de ferro n    uma luva de aço para ensinar que o pênis dos recém-nascidos deve ser sangrado de geração em geração, sem fim. Muitas vezes a história ensina que Israel não poderia realizar o rito em sua religião (Atos 15:10), isto não é um acidente. Os seres humanos morreram por causa da circuncisão! E Abr
ão não discernia tudo, às vezes se curvava diante das autoridades, escondia verdades para evitar que o mal dos bárbaros caísse sobre ele e sua família. Abrão e Sarai também duvidaram das palavras do Eterno, o nome do filho da circuncisão é chamado Isaac: "rindo" porque o casal riu em seus corações quando ouviram a voz do Eterno (Gênesis 17:17-18 e Gênesis 18:15).
Gálatas 3:20  Entretanto, o mediador não representa somente um, mas Deus é um só.
Gálatas 3:21  Sendo assim, pode a Lei ser contrária às promessas de Deus? De forma alguma! Pois, se tivesse sido outorgada uma lei que pudesse conceder vida, com toda a certeza a justiça resultaria da lei.
Gálatas 3:22  Contudo, a Escritura colocou tudo debaixo do pecado, para que a promessa fosse concedida aos que crêem por meio da fé em Jesus Cristo.
Gálatas 3:23  Antes que essa fé chegasse, estávamos sob a custódia da Lei, nela aprisionados, até que a fé que haveria de vir fosse revelada.

Argumenta-se que a circuncisão é de origem divina porque o oitavo dia após o nascimento do recém-nascido é o melhor momento para realizá-la. Digamos que é o momento menos ruim, o mecanismo de coagulação do sangue para hemorragias está pronto e ainda está se desenvolvendo ao longo de algumas semanas. Não há nada de extraordinário em saber disto, os ancestrais já o viram por experiência. Se eu lhes digo que o melhor momento para conceber uma criança é por volta do décimo quarto dia antes da menstruação de uma mulher e nós a escrevemos num livro, será que devemos falar de conhecimento milagroso? E por que não mais um dia para a circuncisão? Porque este dia é o mais cedo e também corrobora com os sete dias da semana da criação no livro de Gênesis. Existem outras leis com este período (Êxodo 19:30). A criação de Deus é incrível, mas devemos discernir na lei de regulamentação aquelas coisas que vêm diretamente do Eterno e aquelas coisas do homem que podem obscurecer a lei divina observada na natureza (capítulo II). Não vamos circuncidar no décimo quarto dia uma menina que acaba de nascer por causa do ciclo lunar!
Ezequias 13:6  Suas visões são falsas, e seus prognósticos todos mentirosos. Com vossas bocas dizeis: ‘Palavra do Eterno’, quando o Eterno não vos revelou nada, tampouco vos enviou a parte alguma; e ainda assim tens a expectativa de que vossas previsões se cumpram.
Ezequias 13:7  Porventura não tivestes visões falsas e não falastes adivinhações falsas, quando pregastes: ‘Eis que o Eterno diz’, sendo que, em verdade, Eu não havia falado convosco?
Ezequias 13:8  Portanto, assim diz Eterno, o Eterno Deus: Por causa de vossas palavras frívolas e porque alardeastes visões fraudulentas, me coloco frontalmente contra vós! Oráculo do Eterno, o Eterno Soberano,

A circuncisão na carne é raramente mencionada na Bíblia e as histórias sobre ela são um pouco estranhas. Pegue a história de Moisés que é enviado a caminho pelo deserto para libertar seu povo no Egito, ele é subitamente atacado por Deus por não ter circuncidado seu próprio filho (Êxodo 4:20-26). Então, Deus tenta matá-lo logo após pedir-lhe que vá e liberte seu povo! Será que ele não poderia ter resolvido este assunto antes? Teria seu filho acabado de completar oito dias de vida enquanto estava em sua missão? Ele teve que ser circuncidado para ir ao Egito? Este incidente parece ser uma adição tardia para reforçar a importância da circuncisão da carne aos olhos de deus, mas talvez Moisés tenha sido salvo por sua esposa por causa das tribos que eles possam ter atravessado? Este rito será reintroduzido mais tarde no Monte Sinai e os hebreus não tinham aprendido bem a lição, depois de tudo o que o Eterno tinha feito por eles, como mostra o versículo em Josué 5:7 (Atos 15:10). Que tipo de deus é este que exige esta perigosa operação no meio das rochas do deserto? Moisés não foi circuncidado em sua boca, por que não cortou um pedaço de seu lábio superior? A tradição do judaísmo ensinará que Abraão e Moisés eram homens extremamente sábios e obedientes, eles não ousavam questionar a circuncisão; o objetivo dos rabinos é evitar que o crente vacile diante do texto sagrado quando Deus pede para cortar o prepúcio do pênis humano. Não excluo a possibilidade de que Abraão e/ou Moisés entendessem que havia um problema com a circuncisão na carne, mas eles a adotaram de boa ou má vontade. Além disso, Moisés é o representante do povo da primeira lei contratual, Moisés morre simbolicamente antes de entrar na terra prometida.
1Coríntios 7:17  Contudo, cada um prossiga vivendo na condição que o Eterno lhe determinou, e em conformidade com o chamado de Deus. É isso que ordeno em todas as igrejas!

Foi alguém chamado sendo já circuncidado? Não se preocupe em desfazer sua circuncisão. Foi alguém chamado sendo incircunciso? Não se deixe circuncidar! A circuncisão em si não faz o menor sentido e a incircuncisão também não significa nada; o que realmente importa é obedecer aos mandamentos de Deus. Cada um deve permanecer na condição em que foi chamado por Deus.
Foste chamado sendo escravo? Não te preocupes com isso. Mas se ainda podes conseguir tua liberdade, aproveita a oportunidade. Pois aquele que, sendo escravo, foi chamado pelo Senhor, é liberto e pertence ao Senhor; e da mesma forma, aquele que era livre quando foi chamado, agora é escravo de Cristo. Fostes comprados pelo mais elevado preço; não vos torneis escravos de homens!
Portanto, irmãos, cada um deve permanecer diante de Deus na condição em que foi chamado. Solteiros ou casados: consagrem-se!

Circuncisão não é o propósito da criação. Antes de mais nada, na visão divina, no Messias, veremos no próximo capítulo que existe a mesma lei, a mesma aliança e o mesmo espírito para um povo de Deus composto de filhos de Israel e de estrangeiros. Em outras palavras, a aliança com Yeshua (Jesus), não deveria haver esta separação entre "gentios" sob uma lei de Noé e judeus do judaísmo que praticam a circuncisão com centenas de outras leis. Uma unidade no sistema da lei, continuando a distinguir entre o filho de Israel e o estrangeiro do tempo das nações. O que é isto? Os filhos de Israel não são mais Israel sem a circuncisão? Longe disso, na verdade, se o povo tivesse mantido esta prática como no antigo Egito, não teríamos sido realmente diferentes dos hebreus.
E é precisamente porque Israel integrou definitivamente este rito pagão em suas leis, que eles podem nos fazer acreditar que são diferentes dos outros povos. Como é difícil admitir este fato para os crentes em Deus que leram a Bíblia como um livro perfeito caído do céu, como os muçulmanos fazem com o Alcorão e seu deus. Temos que aceitar que a diferença entre a aliança de Moisés e a aliança de Jesus não está no recipiente (pedra, coração, carne...), mas também no conteúdo das leis (Jeremias 31:32). A circuncisão muda como a lei do sacerdócio de Moisés em Hebreus 7:12, não há uma circuncisão carnal do prepúcio junto com uma circuncisão do coração, nem há um sacerdócio levita de acordo com a lei e sacerdotes espirituais no céu! A aliança do pênis faz parte das leis que perdem as cartas de Moisés sobre sacrifícios para festas, divórcios, templos construídos de uma certa maneira. A profecia de Jesus sobre a destruição do templo de Israel nos anos 70DC marca uma transformação, a terra e os céus em Israel são verdadeiramente abalados até aquele momento fatídico.
Hebreus 7:11  Sendo assim, se houvesse uma maneira de alcançar a perfeição por intermédio do sacerdócio levítico, considerando que durante sua vigência a Lei foi entregue ao povo, por qual razão haveria ainda necessidade de se levantar outro sacerdote, conforme a ordem de Melquisedeque e não de Arão?
Hebreus 7:12  Pois, mudando o sacerdócio, obrigatoriamente, ocorre também mudança de lei.

É importante notar que a lei de Moisés está sendo reescrita por causa de uma lei superior fora da aliança de Moisés. As denominações do mundo "judaico-cristão", dos "israelitas" e dos "judeus messiânicos" estão errados ao pedir para observar toda a lei do pacto de Moisés em nome de Jesus! Eles interpretam Deuteronômio 4:2 no caminho do judaísmo rabínico e trancam os crentes numa instrução não móvel (Torá). Hebreus 7:12 trata de uma melhoria, um objetivo profético que Moisés simbolicamente não alcança morrendo antes de alcançar a terra prometida. Devemos entrar no movimento de instrução (Torá) sem transgredir a dança das letras que nos impulsionam a esta evolução. E denominações cristãs que abandonam a instrução (Torá) e leis importantes também estão, naturalmente, errado, daí as divisões com "judaico-cristãos" (um termo que não é bíblico). É verdade que Jesus não rejeita a circuncisão adotada na história do povo de Israel, mas é porque ele representa o povo da primeira aliança, ele mesmo diz que veio para praticar a lei do primeiro contrato e para salvar a casa de Israel! Só mais tarde, uma vez cumprida sua missão, as informações irão para as nações com o nova aliança estabelecida primeiro com um pequeno remanescente da casa de Israel. Yeshua (Jesus) teve que levar consigo a imagem do salário das transgressões de seu povo e os costumes falsos e imperfeitos (sacrifícios e festas, circuncisão...) que Israel tinha assimilado através da dureza de seus corações (Gálatas 3,10-13). Yeshua (Jesus) liberta seu povo do sistema religioso e o apresenta com a fé verdadeira e original. A lei de regulação que vos apresento não é um jugo, não é dolorosa com o espírito da lei.
Jeremias 8:8  Como podeis afirmar: ‘Nós somos sábios e conhecemos bem toda a Torá, Lei, de Eterno!’, quando na realidade a pena fraudulenta dos escribas a transformou em mentira?

Gálatas 6:13  Ora, nem mesmo os que são circuncidados conseguem cumprir a Lei; contudo, desejam que vós sejais circuncidados, para se orgulharem do ritual que impingiram ao vosso corpo.
Gálatas 6:14  Quanto a mim, que eu jamais venha a me orgulhar, a não ser na cruz de nosso senhor Jesus Cristo, por intermédio da qual o mundo já foi crucificado para mim, e eu para o mundo.
Gálatas 6:15  Não há, de fato, o menor valor em ser ou não ser circuncidado. O que realmente importa é ser uma nova criação.

Conclusão em oito dias:
1) A pele do prepúcio não é uma estrutura que surgiu por causa do pecado original. A aliança não é algo além da racionalidade e a fé deve ser baseada em fatos reais e raciocínio lógico.
2) A circuncisão é dolorosa para o corpo, você está atacando o pobre recém-nascido que não fez nada de errado e não pediu por nada.
3) A circuncisão do prepúcio na carne não tem relação com uma incircuncisão do coração. Circuncisão é da carne do coração (Deuteronômio 10:16; 30:6; Jeremias 4:4).
4) O judeu Saulo faz uma clara distinção entre os mandamentos e a circuncisão. Não há mais circuncisão do prepúcio com a nova criatura, o Adão reparado (Gálatas 6:13-15).
5) A circuncisão é um jugo que os antepassados não podiam suportar (Êxodo 17:2, Atos 15:10), a circuncisão egípcia ou hebraica não ajuda no cumprimento dos mandamentos.
6) Dar significado espiritual a um rito não significa que ele seja benéfico. Por que não encontrar significado espiritual na circuncisão feminina e realizá-la nas mulheres?
7) A descoberta de uma melhor coagulação do recém-nascido no oitavo dia não é um milagre, não justifica a vontade do Eterno de circuncidar os homens.
8) A leitura de Gênesis 17 não acrescenta muito ao Gênesis 15 para justificar a circuncisão, as promessas são semelhantes (uma descendência e uma promessa que não passa pelos seus servos).





















Quém é o povo de Deus ?

Elohim (Deus) não é o Deus da raça humana (adão) de Gênesis 1 antes de ser o da nação de Israel? Noé não agradou ao Pai Criador antes da aliança da circuncisão? O patriarca Abrão não foi abençoado por Melquisedeque, um homem das nações que ofereceu pão e vinho à semelhança do messias (Gênesis 14:19-20)? O que é Israel sem o patriarca Abraão, da cidade de Ur? Não são aqueles que fazem a vontade de Deus seu povo? O dilúvio conta a história de um homem íntegro que caminhou com Deus, ele foi salvo com sua família do batismo (imersão) da água de sua terra. A morte engoliu os ímpios e uma nova vida é oferecida aos retos que passam pelas águas eretas, as seis cores do arco-íris que vemos em todo o planeta se tornou o sinal da aliança entre o criador e os homens. Muitas civilizações contam a história do dilúvio, não é um sinal de que este famoso evento bíblico é para todos os homens? O dilúvio é uma figura do batismo que se encontra na aliança de Cristo, é necessário nascer da água e do espírito para não ser mantido pelo túmulo da morte, o reino de Deus ou o reino dos céus é acessível àqueles que têm fé e praticam o Bem.
Gênesis 3:22  Então declarou Eterno Deus: “Eis que agora o ser humano tornou-se como um de nós, conhecendo o bem e o mal. Não devemos permitir que ele também estenda a sua mão e tome do fruto da árvore da vida e comendo-o possa viver para sempre!”

Gênesis 6:5-6  Contudo, o Eterno observou que a perversidade do ser humano havia crescido muito na terra e que toda a motivação das ideias que provinham das suas entranhas era sempre e somente inclinada à prática do mal. Então o Eterno entristeceu-se muito por haver criado os seres humanos sobre a terra, e esse sentimento feriu profundamente seu coração.

Romanos 4:9-12  Essa imensa felicidade é destinada apenas aos que fizeram a circuncisão, ou é também oferecida aos incircuncisos? Pois já afirmamos que, no caso de Abraão, a fé lhe foi creditada como justiça. Em que momento lhe foi creditada? Antes ou depois de ter sido circuncidado? De fato, não o foi depois, mas antes da circuncisão! Sendo assim, ele recebeu a marca da circuncisão, como um selo da justiça que ele tinha pela fé, quando ainda não era circuncidado, para que fosse pai de todos os que crêem, ainda que não tenham sido circuncidados, a fim de que a justiça fosse creditada também a favor deles; ele é igualmente pai dos circuncisos que não apenas passaram pela circuncisão, mas que também caminham sobre as marcas dos passos da fé que demonstrou nosso pai Abraão antes de ser circuncidado.

Distinguir entre o povo de Deus e a forma como o conhecimento do Eterno é revelado à humanidade é essencial. Ao separar uma pessoa (Abraão) ou um povo (Israel) para se revelar, o Eterno não exclui outros homens sedentos de verdade e justiça, pelo contrário. O Eterno ama todos os homens na face da terra (João 10:34-36, Salmo 82, Gênesis 6:1-2) sem que eles sejam os atores de uma aliança. Quando Moisés entregou seu povo, ele não estava apenas com os hebreus no deserto, os egípcios e outros estrangeiros estavam presentes e também podiam seguir a Torá (instrução). Os estrangeiros que se agarravam ao Eterno não estavam fora do pequeno povo da raça de Abraão, eram considerados como os filhos de Israel (sem serem filhos de Israel) que outrora haviam sido estrangeiros. A Bíblia finalmente chega a muitos povos, os textos foram traduzidos em muitos idiomas para que a informação fosse acessível a todos. Na aliança de Jesus, ainda temos a distinção entre o estrangeiro (o grego, por exemplo) e o filho de Israel (Gênesis 19:34) dentro do povo de Deus. Eles têm a mesma fé e a mesma lei. Concluímos que o povo de Deus não são exclusivamente os filhos de Israel, os escolhidos para a aliança e as promessas.
Romanos 10:14  No entanto, como invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram falar? E como ouvirão, se não há quem pregue?
Romanos 10:15  E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: “Como são maravilhosos os pés dos que anunciam boas novas!” Israel não tem como se escusar

Levíticos 19:34  O forasteiro que mora convosco será para vós como um compatriota, e vós o amareis como a vós mesmos, pois fostes igualmente estrangeiros na terra do Egito. Eu Sou o Eterno, Eterno vosso Deus.

Isaías 41:8  “Mas tu, ó Israel, servo meu; tu Jacó, a quem escolhi, descendência de Abraão, meu amigo;
Isaías 41:9  tu, a quem tirei dos confins da terra, chamei desde os seus cantos e te disse: Tu és o meu servo, Eu te escolhi e não te rejeitei;

Isaías 49:1  Ouvi-me, todas as ilhas, e vós, povos e nações longínquas, prestai atenção! Antes de eu nascer Eterno me escolheu e convocou; desde o ventre de minha mãe ele pronunciou o meu nome.
Isaías 49:2  De minha boca fez uma espada cortante, abrigou-me na sombra da sua mão; fez de mim uma seta afiada, escondeu-me na sua aljava.
Isaías 49:3  Disse-me: “Tu és meu servo, Israel, em quem me gloriarei.”

O circuito de informação é comparável ao efeito Venturi, a zona de partida é grande porque afeta os povos e seus diferentes idiomas. A zona vai diminuir porque a informação é aperfeiçoada dentro de um pequeno núcleo (pessoas) de crentes, podemos dizer que a energia se intensificou com Israel. Finalmente, a mensagem sai novamente para uma boca larga, a riqueza obtida é trazida para as nações. O apóstolo Saulo da tribo de Benjamim é precisamente um dos pequenos povos que revelou as informações de Israel às nações, sua obra é simplesmente notável (João 14:12), quem melhor que um homem "judeu" deste povo escolhido para ensinar às nações a sã doutrina e a santa lei? Dito isto, embora Saulo tenha se banhado na aliança de Moisés, ele estava perdendo o ponto ao se opor à comunidade de Jesus, antes de sua conversão. A eleição não é de se fazer superior aos outros e não reside na aparência da carne, mas é entender que o Santíssimo nos usa porque nos ama e a nosso próximo. Da mesma forma, aqueles que recebem um profeta devem escutar e não se encher de orgulho. O Messias ensinou a boa nova ao seu povo exclusivamente porque a nova aliança deveria ser feito com Israel, ele deveria cumprir as profecias e resolver a situação do povo em relação à lei. Então o conhecimento era sair da terra e alcançar homens bons: Romanos 3:29-31; Salmos 67:2; Isaías 19:23-25; Jeremias 16:19; Zacarias 2:11; Malaquias 1:11; Lucas 24:46-47.
Mateus 15:24  Ao que Jesus replicou: “Eu não fui enviado, senão às ovelhas perdidas da casa de Israel”.
Mateus 15:25  Chegou então a mulher e o adorou de joelhos, suplicando: “senhor, ajuda-me!”
Mateus 15:26  Ao que Jesus lhe respondeu: “Não é justo tirar o pão dos próprios filhos para alimentar os cães de estimação”.
Mateus 15:27  Ela, porém, replicou: “Sim, senhor, mas até os cães de estimação, comem das migalhas que caem das mesas de seus donos”.
Mateus 15:28  Então Jesus exclamou: “Ó mulher, grande é a tua fé! Seja feito a ti conforme queres”. E naquele exato momento sua filha ficou sã. Outra multiplicação de pães

João 4:22  Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos, porque a salvação vem dos judeus.

Salmos 22:27  Todos os confins da terra se lembrarão e se converterão ao Eterno, e todas as famílias das nações se prostrarão diante dele.

Gálatas 3:27  pois todos quantos em Cristo fostes batizados, de Cristo vos revestistes.
Gálatas 3:28  Não há judeu nem grego, escravo ou livre, homem ou mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus.
Gálatas 3:29  E, se sois de Cristo, então, sois descendência de Abraão e plenos herdeiros de acordo com a Promessa.

Cada indivíduo mantém sua identidade na comunidade cristã (nacionalidade, gênero), não há judeu, grego e árabe no sentido de que todos eles integram o povo de Deus aderindo ao corpo do messias israelita Jesus, o novo ramo. E não há homem nem mulher porque eles têm o mesmo direito de entrar na economia da vida. Respeitemos aqueles que anunciam a boa nova (Romanos 10,15) e a ordem das coisas, não é o Corão que traz a cosmologia da criação, a aliança, a lei, as promessas e o messias. Nem os romanos e árabes informaram ao apóstolo judeu Saulo sobre o plano do Eterno e a boa nova, mas o contrário (Atos 2:11). A Bíblia nos mostra claramente que a aliança de Israel é aperfeiçoada pelo Messias da tribo de Judá (Mateus 5:17, Apocalipse 21:12). Os bons homens das nações não devem pensar em si mesmos como judeus espirituais circuncidados de coração (Romanos 3:29). Os homens bons dos gentios podem ser enxertados na oliveira (Romanos 9) e essa árvore não é a nação de Israel, mas o povo amado de Deus no Messias que contém primeiro os justificados de Israel e os dos gentios.
João 4:21  Declarou Jesus a ela: “Mulher, podes crer-me, está próxima a hora quando nem neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai.
João 4:22  Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos, porque a salvação vem dos judeus.
João 4:23  Mas a hora está chegando, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai, em espírito e em verdade; pois são esses que o Pai procura para seus adoradores.
João 4:24  Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade.”

Romanos 2:28  Portanto, não é legítimo judeu quem simplesmente o é exteriormente, nem é verdadeira, circuncisão a que é feita apenas fora do coração, no corpo físico.
Romanos 2:29  Absolutamente não! Judeu é quem o é interiormente, e circuncisão é realizada na alma do crente, pelo Espírito, e não apenas pela letra da Lei. Para todos estes, o louvor não provém dos homens, mas de Deus!

Gálatas 3:16  Desse mesmo modo, as promessas foram feitas a Abraão e ao seu descendente. A Escritura não declara: “E aos seus descendentes”, como se referindo a muitos, mas exclusivamente: “Ao seu descendente”, transmitindo a informação de que se trata de uma só pessoa, isto é, Cristo.

1Pedro 2:9  Porém, vós sois geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, cujo propósito é proclamar as grandezas daquele que vos convocou das trevas para sua maravilhosa luz.

A lei do sacerdócio é uma estrutura fundamental da aliança de Moisés e a anulação deste sistema na epístola aos hebreus não deve ser minimizada (Hebreus 7:18), um elo é estabelecido entre a fraqueza do sacerdócio e a fraqueza da aliança de Moisés em Hebreus 8! Os israelitas tinham que respeitar plenamente o pacto, este sacerdócio tornou possível manifestar a santidade de Deus, a noção de pecado e as profecias. Moisés e Arão haviam libertado o povo do Egito pela mão do Eterno, sua tribo havia sido honrada por este sistema. Israel transgrediu e quebrou o contrato de Moisés por seus pecados, além disso, a aliança de Moisés não pode ser a finalidade da criação por causa de várias imperfeições, daí a necessidade de uma segunda aliança que une, por exemplo, nosso efeito Venturi: a raça humana pode se aproximar da santidade do Eterno como "sacerdote", sem pertencer a uma tribo específica. A tradução "aliança renovada" utilizada por algumas denominações religiosas para se referir a aliança através de Yeshua (Jesus) não é muito precisa, o Eterno renova com Israel através do messias, mas trata-se realmente de uma nova aliança. As leis são diferentes (Hebreus 7:18-19), como explico nos capítulos II e III deste tópico. E todas as coisas baseadas em princípios antigos, meio-pagãos (sacrifícios...) têm um fim, as festas que requerem sangue de touro para perdão também têm um significado importante para o povo de Israel, mas estavam prestes a desaparecer no Messias. A instrução (Torá) integra o homem bom num novo sacerdócio no lugar santíssimo, na presença do Eterno, à maneira de Melquisedeque que não pertence a nenhuma tribo de Israel (Gênesis 14:18 e Hebreus 5). Na realidade, a mudança da lei sobre o sacerdócio de Moisés torna possível a libertação do homem, mas a Bíblia transforma o texto de forma religiosa, porque os crentes ainda bebem leite. A Torá do novo sacerdócio é incompatível com a da carta de Moisés. O templo de Deus pelo corpo de homens unidos ao Eterno, pedras vivas, transformam-se antes de dirigir um templo de pedra.
Hebreus 8:2  como ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo que o Senhor ergueu, não como ser humano.
Hebreus 8:3  Pois todo sumo sacerdote é constituído para apresentar ofertas e sacrifícios; por essa razão, era imprescindível que este Sumo Sacerdote fizesse a sua oferta pessoal.
Hebreus 8:4  Entretanto, se Ele estivesse na terra, nem seria considerado sumo sacerdote, tendo em vista que já foram constituídos aqueles que apresentam as ofertas prescritas pela Lei.
Hebreus 8:5  Esses servem num santuário que é representação e sombra daquele que está nos céus, já que Moisés foi avisado quando estava para construir o tabernáculo: “Observai tudo com cautela, para que façais todas as coisas de acordo com o modelo que vos foi revelado no monte”.
Hebreus 8:6  Contudo, agora, Jesus recebeu um ministério ainda mais excelente que o dos sacerdotes, assim como também a aliança da qual Ele é o mediador; aliança muito superior à antiga, pois que é fundamentada em promessas excelsas.
Hebreus 8:7  Ora, se aquela primeira aliança não tivesse imperfeições, não seria necessário buscar lugar para a segunda.
Hebreus 8:8  Porquanto Ele declara, repreendendo o povo por suas faltas: “Dias virão, diz o Senhor, em que estabelecerei com a casa de Israel e com a casa de Judá uma nova aliança.
Hebreus 8:9  Não conforme a aliança que fiz com seus antepassados, no dia em que os tomei pela mão, para os conduzir até fora da terra do Egito; pois eles não continuaram na minha aliança, e Eu me afastei deles”, assevera o Eterno!

O novo sacerdócio mostra uma mudança de lei, provamos que a instrução (Torá) está em movimento para nos aperfeiçoar. Este sacerdócio não obriga a trazer ofertas e sacrifícios de acordo com a lei de Moisés, porque em Cristo nós damos o verdadeiro significado procurado pela idéia de sacrifícios: nosso próprio ser. Esta melhoria traz grandes diferenças, além da exclusividade que foi feita aos Levitas de acordo com a primeira lei de Moisés. A lei de Cristo é diferente e superior. Os dois sacerdócios não vivem juntos, um estava pronto para desaparecer, o outro é perfeito e o propósito da criação. Não espere por um "milênio" (palavra que não existe na Bíblia) o templo da confusão e dois tipos de sacerdócio, sem sacrifício por perdão, com um sumo sacerdote chamado Yeshua que é Deus o criador. Isto não vem da boa vontade do Eterno, submeter os crentes a leis imperfeitas no novo pacto é um erro, é acrescentar à lei e aos profetas (Mateus 5:17-19). Enquanto alguns cristãos estão errados em querer anular toda a lei de instrução (Torá), outros crentes permanecem presos a cartas imutáveis do passado, fechados na primeira aliança. Pode ser dito que os profetas anunciaram um retorno ao sacerdócio de Moisés, mas estes "judeus-cristãos" não querem considerar que o sopro santo foi dado aos profetas de forma ponderada, ou seja, que eles viram certas coisas somente através do sistema em que se encontraram. Por exemplo, as profecias de Jeremias e Ezequiel que falam de uma guerra com cavalos nas planícies e os sacerdotes de Zadoque (Zacarias 43:19) devem ser transferidas para o nova aliança e seus novos dados, temos uma nova realidade, uma nova criação. Demos também o exemplo dos versículos proféticos (livro de Salmos, de Isaías) que são atribuídos ao messias fora do contexto de um capítulo, eles são como se enxertados no nova aliança, num novo contexto. Esta é a mudança importante e lógica que tive que mencionar para o povo do Eterno em Cristo: os filhos de Israel e os estrangeiros têm o mesmo sacerdócio.
Isaías 65:1  “Consenti em ser buscado por aqueles que sequer perguntavam pela minha pessoa; encontrei-me com aqueles que não me procuravam. A um povo que não sabia orar a mim, nem clamava pelo meu Nome, declarei: “Eis-me aqui! Eis-me aqui!”

No Messias, pessoas das nações podem se tornar "sacerdotes" (Apocalipse 1:5-6; 5:10; 20:6) no mesmo sistema eterno que Yeshua, que não tem pai, mãe ou tribo elegível para o sacerdócio dos Altíssimos Sem-Abrigo de acordo com a Lei de Moisés. No Messias, ninguém vai matar um touro para celebrar a festa do Eterno prescrita na aliança de Moisés, nem Jesus entrou num templo com as antigas vestes do sumo sacerdote. Se o Eterno espalhou as tribos de Israel entre as nações, o povo não deve pensar em si como os perdidos de Israel em sua fé no Eterno e no Yeshua! O objetivo é simplesmente que as nações recebam a informação através dos filhos de Israel que são qualificados como pecadores como outros povos entre as nações. Uma profecia diz que a casa de Israel é incontável porque os filhos de Israel estão entre os povos e se misturaram com eles para formar o povo de Deus (há muito tempo com os exilados). Em Romanos 11, o tempo das nações (Romanos 11:25) não é um tempo em que as nações têm um pacto diferente daquele dado em Jeremias 31 para Israel e Judá, é simplesmente um tempo em que as nações podem entrar na aliança de Yeshua com os filhos perdidos de Israel que estão voltando! Não vamos voltar a um sistema de Moisés e a um sistema de Jesus. Os estranhos permanecem estranhos entre o povo de Deus, eles podem se orgulhar de pertencer a Deus. Eles receberam o poder de também se tornarem filhos do Altíssimo. A semente da qual fala o profeta Oséias (Oséias 2,23) é uma multidão de nações, não apenas "Judá", "Efraim", "Israel". Poder-se-ia estar em "Israel" sem ser "filho de Israel" e hoje devemos estar especialmente no Messias sem necessariamente ser filho de Israel. No livro do Apocalipse, os números relativos às tribos de Israel são simbólicos, não fazem parte do nosso contexto (12 x 12 x 1000 = 144 000). Não há 144.000 cabeças judias no povo de Deus, mas Israel tem se misturado com a grande multidão para formar o povo do Eterno e seu templo. Vamos ler a profecia:
Oséias 1:6  Gômer, cujo nome significa Completa, engravidou novamente e teve uma filha. E o Eterno ordenou a Oseias: “Dá a menina o nome de Lo-Ruama, Não-Amada, pois não mais demonstrarei compaixão e favor para com Israel a ponto de lhe conceder perdão.
Oséias 1:7  Contudo, tratarei com amor a casa de Judá, o reino do Sul, e os salvarei por Eterno seu Deus. Eis que eu te darei vitória, não pelo arco, pela espada ou por intermédio das guerras, tampouco pelo poder de cavalos e cavaleiros.
Oséias 1:8  Depois de haver desmamado sua filha Lo-Ruama, Gômer teve um outro filho. 
Oséias 1:9  Então Eterno ordenou: “Dê-lhe o nome de Lo-Ami, Não-Meu-Povo, porquanto não sois meu povo, tampouco sou vosso Deus.
Oséias 1:10  Apesar de tudo os israelitas ainda serão como a areia da praia, que não se pode medir nem contar. No lugar onde se dizia a eles: ‘Não sois meu povo’, eles passarão a ser chamados ‘Filhos do Deus vivo’
Oséias 1:11  Sendo assim, o povo de Judá e o povo de Israel serão reunidos como uma só nação, e constituirão sobre si um só líder, e se erguerão da terra com todo vigor, pois será grande o dia de Jezreel, Deus espalha a semente.

Exodo 12:49  “A mesma lei se aplicará ao natural da terra e ao prosélito (o estrangeiro residente)”.

Levítico 25:23  A terra não será vendida perpetuamente, pois que a terra me pertence e vós sois para mim estrangeiros e hóspedes.

Números 9:14  Se algum estrangeiro reside entre vós e celebra a Páscoa a Eterno, deverá celebrá-la segundo o ritual e os costumes da Páscoa. Haverá entre vós apenas um estatuto e uma Lei, tanto para o estrangeiro como para o natural da terra!”

1Crônicas 29:15  Diante da tua presença somos estrangeiros e forasteiros, como nossos antepassados. Os nossos dias na terra são como uma sombra, sem esperança alguma.
1Crônicas 29:16  Ó Eterno, nosso Deus, toda essa riqueza que doamos a fim de construirmos uma Casa em honra ao teu Santo Nome vem das tuas próprias mãos, e todo esse tesouro pertence a ti.

Isaías 1:9  Não tivesse o Eterno, o Eterno dos Exércitos nos deixado alguns sobreviventes, já estaríamos arrasados como Sodoma e destruídos como Gomorra.

Oséias 7:13  Ai dessa gente! Jamais deveriam ter me desprezado! Ó destruição vem sobre eles, porquanto se rebelaram e teimaram em se afastar de mim! Eu desejo redimi-los, mas eles falam mentiras a meu respeito.

Mateos 3:9  Não presumais de vós mesmos, dizendo: ‘Temos por pai a Abraão’; porque eu vos digo que mesmo destas pedras Deus pode gerar filhos a Abraão.

Mateos 5:5  Bem-aventurados os humildes, porque herdarão a terra.
Mateos 5:6  Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos.
Mateos 5:7  Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.
Mateos 5:8  Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus.
Mateos 5:9  Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus.

Romanos 2:12  Pois todos os que sem a Lei pecaram, sem a Lei também perecerão; e todos os que pecarem sob a Lei, pela Lei serão julgados.
Romanos 2:13  Pois, diante de Deus, não são os que simplesmente ouvem a Lei considerados justos; mas sim, os que obedecem à Lei, estes serão declarados justos.
Romanos 2:14  De fato, quando os gentios que não têm Lei, praticam naturalmente o que ela ordena, tornam-se lei para si mesmos, muito embora não possuam a Lei;
Romanos 2:15  pois demonstram claramente que os mandamentos da Lei estão gravados em seu coração. E disso dão testemunho a sua própria consciência e seus pensamentos, algumas vezes os acusando, em outros momentos lhe servindo por defesa.
Romanos 2:16  Todos esses fatos serão observados na humanidade, no dia em que Deus julgar os segredos dos homens, por intermédio de Jesus Cristo, de acordo com as declarações do meu Evangelho. O crente deve ser fiel à Palavra




















Comentário adicional

Gênesis 4:3-5
[Gênesis 2]
As ofertas existem há muito tempo nas religiões mais antigas, o mestre do céu e da terra não precisa delas. Ele ensinará uma lição através deste rito humano.
Abel apresenta uma oferta mais agradável do que a de seu irmão, ele dá algo de maior valor pela fé. Jesus não oferece um animal, mas todo o seu ser, ele é a oferta perfeita que fala melhor do que a de Abel.
(Hebreus 12:24). O vegetariano que não limpa seu interior alimentando-se do cordeiro sente falta do propósito do Eterno. A espada do anjo o impede de retornar ao Éden para tirar o fruto da vida.
Gênesis 6:2 Aqueles que são chamados de "filhos de Deus" são humanos, podem perecer por causa de sua desobediência. Este fato pode perturbar a doutrina calvinista da salvação incondicional. A rebelião de um anjo mal chamado "Satanás" no início da criação é uma falsa crença: https://www.desertpath.net/SatanasedemoniosPt.html
Gênesis 6:20-21 Durante o dilúvio, os animais na arca não eram produtos alimentícios. Havia outros homens, Noé não é o pai de toda a humanidade: https://www.desertpath.net/criacoes.htm
Gênesis 7:2 e 8 Noé fez uma distinção entre animais limpos e impuros para ofertas queimadas, então por que seus descendentes não continuariam a fazer uma classificação para comer carne (Gênesis 15:9-12)?
Outros povos fazem distinções em seus hábitos alimentares, então a lista de Moisés não é tão surpreendente (Levítico 11).
Gênesis 9:2:4
[Levítico 11
Levítico 17:10-14]
Noé, um amigo de Deus, provavelmente continuou a fazer uma distinção no consumo de carne, de acordo com suas ofertas para o "corpo de Deus". Antes da enchente, os homens viviam em deboche e provavelmente comiam de tudo e qualquer coisa (Adão e Eva não são os pais de toda a humanidade). Portanto, a reafirmação de Gênesis 1:28-30 enfatiza a necessidade de abster-se de animais que viviam com sangue e de necrofagia (Atos 15:29). Deus também não proibiu a ingestão de animais em Gênesis, talvez não estivesse descartando a possibilidade do domínio do homem sobre a terra desta forma, fora do jardim. Eu acrescentaria que deveríamos ver os animais que matamos e agradecer, porque o tratamento dos animais nos matadouros para nosso consumo é inaceitável.
Gênesis 17:9-14 A circuncisão na carne não vem diretamente do Eterno, esta prática foi adotada pelos ancestrais de Israel e mais tarde embelezada pelos escribas que procuravam torná-la uma marca exclusivamente judaica e uma aliança sem fim. O espírito dos profetas anuncia uma circuncisão da carne do coração a fim de tirar o pênis desta má situação (Deuteronômio 10:16, 30:6; Jeremias 4:4). Moisés pode ter entendido isto, mas ele ia fazê-lo de boa ou má vontade (ou ele nunca o propôs). Gostaria de acrescentar que Yeshua também morre para libertar seu povo das leis e ritos religiosos que não são realmente do Eterno. Aquele que pregou o primeiro Adão não precisa circuncidar seu pênis, ele é um homem novo (nova criação) que mantém seu prepúcio intacto, olhando para cima, para a sabedoria e inteligência do corpo divino. Os estrangeiros que ainda não foram circuncidados não fizeram a páscoa.
Êxodo 31:16:17
[Gênesis 2:2-3
Êxodo 20:8-11
Deuteronômio 5:14-15
Mateus 24:20
Hebreus 4]
No primeiro contrato, o sábado é um dia de descanso obrigatório dado aos filhos de Israel, os circuncidados em carne e osso. Aqueles que conhecem o Criador através da Bíblia e leram o Pentateuco não têm que jogar fora todos os mandamentos do primeiro contrato porque acreditam em Jesus. O dia de descanso teve origem nos dias da criação, muito antes de ser uma lei escrita no deserto por Moisés. O dia de descanso foi posteriormente anexado a outros sábados e festivais, mas começou como um dia especial independente do calendário de Moisés que estabeleceu os festivais. Tornou-se também um dia em que aquele que não o observava entre os filhos de Israel era condenado à morte. Portanto, além de seguir uma classificação de criaturas como Noé, optei por seguir o sétimo dia da semana em memória da criação, sem pedir a execução daquele que não o faz, é o Eterno que julga. Lembre-se das aves da arca liberadas a cada sete dias para encontrar terra, este é o símbolo do descanso, da "terra prometida". No Êxodo 16, já nos é apresentado um sucessivo descanso de sete dias no deserto. Em conclusão, pensamos que os humanos deveriam realmente levar pelo menos um dia (um tempo) da semana para descansar e louvar o Criador. Claro, isto não significa que é proibido glorificar o Criador nos outros dias.
Números 15:16 A mesma instrução (Torá), os mesmos direitos e mandamentos para todos. Não há e não haverá "leis de Noé" ou uma restrição a "quatro leis" para estrangeiros unidos ao povo de YHWH.
Deuteronômio 4:2
Este versículo genro (Deuteronômio 12:32; 17:20) não ensina que, para sempre, nada se move da carta de Moisés. Alguns rabinos sabem disso como eu mostro na apresentação: cap. IV https://www.desertpath.net/PresPr.htm
1 Crônicas 23:6
[Números 3
Marcos 14:58
Hebreus 9:24
Deuteronômio 4:2
Mateus 5:18]
Para aqueles que ainda pensam que a Torá (instrução) não está em movimento e que as cartas estão sempre paradas, o rei David se permite fazer uma mudança no funcionamento das leis relacionadas com o serviço dos Levitas. Grandes pessoas podem mudar as coisas, pela vontade do Eterno. Deuteronômio 4:2 é mal interpretado por aqueles que querem aprisionar os crentes em leis antigas e imperfeitas (não querendo perceber que elas são imperfeitas, ainda as querem de volta ao mundo dos homens). As instruções que foram dadas por Moisés para o transporte dos objetos relacionados ao culto no terceiro capítulo do livro de Números desapareceram. Mais tarde, os Levitas não mais realizarão esta missão, devido à construção de um templo do Deus que ninguém pode conter (Jesus mostra o caráter e a palavra do pai em escala humana, ele obviamente não é o Todo-Poderoso). Nossos costumes não devem enfraquecer (remover ou acrescentar à lei) a santa palavra de Deus e as profecias. Em Mateus 5 Jesus mostra a correta compreensão da Torá, ele é a descida da Torá para a humanidade, ele inquestionavelmente muda as leis da carta de Moisés para melhorá-la e torná-la mais lógica. No final, a lei do início não é dolorosa. Esta visão da Torá é perturbadora para aqueles que estão em um legalismo religioso, eles não compreendem mais o que dizem (1 Timóteo 1:7) a ponto de criar anacronismos e anomalias.
1 Crônicas 28:7-8 Fidelidade a todos os mandamentos é uma condição para manter a bênção. Seus filhos nem sempre estavam no trono. O Eterno será misericordioso para com Judá.
Isaías 1:11-13 Na primeira aliança com Israel, Elohim disse pela boca do profeta que os sacrifícios e as festas eram inúteis porque o povo não era circuncidado no coração. Elohim (Deus) ficou furioso por causa da perversidade do povo e os sacrifícios de animais, dentro desta aliança, não foram a fonte do problema sob a lei do primeiro contrato.
Isaías 2:3; 51:4 A Torá (instrução) do Eterno estava para descer, será ouvida pela boca do homem (carne) Yeshua, o messias prometido. Eterno é espírito e não muda (Tiago 1:17; João 4:24), ele trabalha com o filho do homem. Jesus não é um ser celestial antes de existir, que destruiria o plano do Eterno de fazer o homem à sua imagem pelo poder do sopro santo (espírito santo).
Isaías 53:6-10
[1 Pedro 1:19:20
2 Coríntios 5:21
Mateus 26:27-28
Hebreus 9:12; 10:19
Efésios 2:13; 1:7]
A doutrina da substituição não está de acordo com as escrituras e o significado de "sacrifícios" no primeiro contrato. Esta crença é fantasiosa, nenhum deus, homem ou animal vai sofrer fisicamente todos os pecados daqueles que têm fé em um único ato sacrifical. O homem Yeshua (Jesus) já havia se tornado o homem perfeito quando foi pendurado na árvore da maldição, ele não se tornou "pecado" ao tomar sobre si as faltas dos outros. Ao invés disso, ele representará o salário do pecado, a palavra "pecado" em 2 Coríntios 5:21 pode ser traduzida como "salário do pecado". Jesus recebe o salário do ímpio, o transgressor da lei, mesmo que ele não mereça nada disso. Deus não teve prazer em fazê-lo sofrer (Isaías 53,10), mas ele admirava seu comportamento. O é espírito quem dá vida (João 6,63) e o sangue dos justos é a assinatura da pessoa. O Eterno deseja que um espírito de arrependimento venha sobre aqueles que o traspassaram (Zacarias 12:10). O filho mais belo do homem ofereceu-se como "sacrifício" a Deus por si mesmo e pelos outros, ele é a serpente descarada criada no deserto, acima das outras serpentes. Não temos vida eterna através do poder mágico do sangue de Jesus ou dos deuses que caem do céu, Eterno perdoa nossas transgressões voluntárias pela fé de graça. Isaías 53 pede ao espírito humano que tome consciência e mude e Jesus mostra o salário dos pecadores ao levar esta imagem maldita na madeira.
Jeremias 31:31-32 A aliança é feita somente com a casa de Israel e Judá através de Yeshua (Jesus), mas os homens das nações podem se apegar a ela aceitando a instrução divina (torá), exatamente como no primeiro contrato. A aliança (corte בְּרִית) de Jesus não é a mesma aliança que com os antepassados, as leis não desapareceram desde que estão escritas no coração, que dizem, existem diferenças importantes (viver com o espírito de graça, circuncisão, sacerdócio ...).
Ezequiel 40-48 É o templo que pode ser visto através dos olhos do profeta que não vê além do primeiro testamento. O templo não será assim por causa da infidelidade do povo (Ezequiel 43:9) e da aliança que virá (Ezequiel 37:26), o que é muito melhor e mais lógico em relação ao propósito da criação. Antes que um templo material seja construído, o Eterno quer filhos que tenham fé nele e que sejam fiéis a ele (1 Pedro 2:5; Apocalipse 21:22; João 2:21). A epístola aos hebreus é muito clara, não esperem levitas e filhos de Zadoque (Ezequiel 43:19) ao anunciar o templo da confusão, misturando dois sacerdócios. Outras visões dos profetas (Isaías, Jeremias) devem ser revistas de acordo com o movimento de instrução (Torá).
Oséias 2:10-12 Destruição do sistema religioso do judaísmo por causa de sua infidelidade, não se trata de retirar os bons e santos mandamentos da instrução divina (Romanos 7:12, Romanos 3:31).
Mateus 5:17 Os verbos abolir e cumprir são opostos, não podemos deduzir que o cumprimento da lei e dos profetas é a abolição da Torá. Entretanto, o cumprimento é uma melhoria, não se começa a mesma coisa novamente. O Messias se dirige à casa de Israel antes de voltar às nações sob o arco-íris: Salmo 117:1; Isaías 66:18-19; Lucas 24:47-48; Atos 13:46; Atos 28:28; Romanos 1:16; 2:9-10; Apocalipse 7:9; 12.
Mateus 5:18-19 Yeshua (Jesus) não diz que a lei não evolui (sacerdócio, circuncisão, festas...), nós apenas lemos o contrário no versículo 17. Além disso, devemos também levar em conta as cartas da profecia para a realização da mudança perfeita. A carta não é apenas leis. A instrução (Torá) existe antes da aliança de Moisés e existirá depois do céu e da terra, ela está em movimento. Na carta deste capítulo, Jesus fala sobre as virtudes, elas permitem guardar os santos e perfeitos mandamentos da lei de regulamentação do capítulo II. Yeshua (Jesus) vai reforçar o mandamento para que ele não seja transgredido pela astúcia do coração e pela tradição dos homens (acrescentando ou suprimindo a Torá).
Marcos 7:18-19 Jesus não ensina os fariseus a comer carne impura (Mateus 5:17-20; Levítico 11), ele responde aos judeus que julgam segundo as tradições humanas (Marcos 2:7-8). O professor não é contra lavar as mãos antes de comer, ele simplesmente explica que são os maus pensamentos do coração que contaminam o homem (Tiago 3:5-6). Há geralmente duas traduções e interpretações do texto grego, uma sugere que Jesus limpa todos os alimentos impuros (javali, cobra, cão, caracol, pangolim, caranguejo, cavalo, camelo, morcego), a outra sugere que se não lavarmos nossas mãos, os germes e alimentos que entram no corpo são limpos e expelidos pelos órgãos. As tradições não devem substituir o princípio da lei: amar a Deus e a nosso próximo.
João 8:31-36
[João 6:66-71; 15:6]
O calvinismo deve parar de pregar que não se pode perder a fé. Estes versos mostram homens abandonando a fé real, por mais intensa que ela seja. O calvinismo quer defender seu slogan "uma vez salvo, sempre salvo" a todo custo, quando é necessário permanecer na fé em Jesus e nas palavras de Deus para herdar a vida.
João 10:16
[Atos 15:8-9
Efésios 2:11-20
Salmos 78:52]
As outras ovelhas não são necessariamente as perdidas das doze tribos de Israel (mesmo que o Messias esteja preocupado principalmente com a casa de Israel). Os homens das nações podem ser "filhos de Deus", assim como os filhos de Israel. O povo do Eterno são membros diferentes de um corpo que é governado pelo mesmo espírito e pela mesma lei. Nem todos os homens são "Efraim" ou "Israel". Pedro também se dirigia aos bons homens das nações que eram ovelhas estrangeiras, sem alianças e sem promessas (1 Pedro 2:10-12 e 25). A semente vem de Isaque e Israel (Romanos 9:7), mas a promessa não é apenas para os "israelitas". Os homens se tornam filhos de Deus pelo poder de um espírito adotivo que grita "abba", eles correm para a ressurreição (Romanos 8:14-17) e terão um novo corpo (1 Coríntios 15).
João 19:30 Jesus não veio para destruir a lei de Moisés (Mateus 5:17), ele veio para aperfeiçoá-la. Este versículo nos lembra que ele cumpriu as profecias e sua missão como salvador: Lucas 18:31 (Salmos 69:21; Mateus 1:21).
João 10:27-29
[João 6:38-39]
O Eterno é o mais poderoso; ninguém pode tirar dele as crianças que decidem andar em Cristo (Salmo 103:17-18). Este versículo pressupõe que os crentes permanecerão fiéis na fé. Por exemplo, o marido e a esposa sabem que devem ser fiéis (Deuteronômio 30), o adultério não lhes passa pela cabeça, mas não o excluímos. O casal entra numa nova vida aos olhos de Deus (Mateus 22:32, Lucas 20:38, Romanos 4:17).
Atos 6:9 Os discípulos foram às sinagogas (Atos 9:20; 13:5; 13:42; 18:4...) para pregar as boas novas aos judeus e aos estrangeiros "tementes a Deus", mas eles também se encontraram com a comunidade de Cristo fora desses edifícios do judaísmo. As sinagogas foram criadas pela religião dos rabinos, o problema não é o lugar, mas o ensinamento nelas. Jesus freqüentemente ensinava a multidão do lado de fora porque os líderes religiosos não acreditavam nele (assim como os discípulos e familiares). Tiago tentou manter as sinagogas na verdade (Tiago 2:1-2).
Atos 10:9-16 Pedro é lento para entender a visão (versículo 17) e não quer transgredir a lei alimentar. Note que em sua explicação ele não está mais falando de alimentos, mas de pessoas. Os estrangeiros eram considerados impuros (versículo 28), mas o Eterno mostra que Cornélio era um bom homem das nações, temendo a Deus, que não O desagradou. Assim, os novos convertidos das nações também podiam se tornar parte do povo de Deus, eles tinham recebido excepcionalmente os dons do sopro santo (Atos 10:47) para testemunhar que podiam receber o batismo na água em nome do homem Yeshua (Jesus): https://www.desertpath.net/Batismo.html
Atos 11:3 Pedro não começou a comer carne sacrificada a ídolos com aqueles que acreditavam entre as nações. O judaísmo tinha regras que os impediam de comer à maneira das nações (Atos 10:28, Atos 11:3). O amigo das nações que acreditavam em Elohim (Deus) não ofereceu um pedaço de javali ou camelo para os discípulos. Da mesma forma, os discípulos não pediram a circuncisão e outros rituais judeus desnecessários aos bons homens estrangeiros. Para dar um exemplo, o judaísmo rabínico ensina que os bons homens das nações não podem comer certos frutos que são cultivados de certa forma por "judeus".
Atos 15:24 Não devemos circuncidar (versículo 1) e manter a lei para nos justificarmos fora do caminho que o Eterno nos manda.
A santa lei de regulamentação para a humanidade em relação à criação que se encontra no pentateuco do Eterno (Romanos 3:31, 7:12-14, Jeremias 31:31) permanece boa.
Atos 15:29; 21:25 Todos os sábados, Moisés é ensinado em Israel. Temos leis do Pentateuco e Moisés dadas àqueles que acreditavam entre as nações. Os discípulos pedem aos bons homens das nações para se absterem da carne sacrificada aos ídolos (Êxodo 34:15:16), da carne sufocada (Levítico 3:17 e 17:10-14), do sangue e da imoralidade sexual e espiritual (Levítico 18, 1 Coríntios 5:11). O objetivo é opor-se ao jugo dos judeus religiosos do judaísmo e se preservar do paganismo romano. Eu acrescentaria que se deve abster-se de adorar os deuses que morrem na cruz (Êxodo 20:3-5) e de adorar os anjos. Leia meus comentários em Atos 21:21-24, há versões diferentes do texto grego neste versículo.
Atos 16:1-4 Circuncisão num caso particular, Paulo quer ganhar judeus e proteger Timóteo daqueles que são preconceituosos contra os incircuncisos que ensinam. Timóteo, de mãe judia, foi educado no judaísmo, de modo que ele poderia naturalmente fazer parte do povo circuncidado de acordo com sua lei. Ele tinha o critério de fazer-se "judeu" à maneira de Saulo (1 Coríntios 9:20).
Atos 17:10-11 Alguns estavam discutindo ou orando por vários dias (Lucas 19:47), isto não é um argumento para dizer que estavam abolindo o quarto mandamento. E tirar um dia de descanso não significa praticar a religião do "judaísmo" e estar sob a aliança de Moisés em Israel.
Atos 18:18-21 Paulo fez os votos, raspou a cabeça e observou as festas de Israel, ele é um filho de Israel. Jesus Cristo não o proibiu e não o considerou "sob a lei" e caiu da graça. Ele o fará novamente em Atos 21. Os bons homens das nações da aliança de Yeshua não eram obrigados a praticar estas festas, mesmo antes da destruição do templo.
Atos 19:3-6 O batismo de João na água é o do arrependimento e o batismo de Jesus na água é o do espírito. O batismo não deve ser tomado apenas no sentido espiritual, estes homens realmente mergulharam uma segunda vez na água em nome de Yeshua (Jesus). Eu aconselho aqueles que são batizados em nome de uma trindade, de um anjo (testemunha de Jeová) ou de um Deus supremo do céu transformado em carne, a serem batizados novamente, porque seu batismo é incompleto. Eles tiveram o passo do "arrependimento", mas o resto é falso, é importante conhecer ao menos a identidade de nosso cônjuge: Jesus, o filho de Deus, deve ser exclusivamente humano desde sua origem (seu nascimento no primeiro século de nossa era).
Atos 21:21-24 A circuncisão não faz parte do propósito da criação e não é praticada no nova aliança. Saulo de Tarso não só se opôs àqueles que queriam circuncidar os adultos após sua conversão, ele chamou para acabar com este corte do prepúcio em todos os filhos recém-nascidos dos filhos de Israel. Paulo anuncia a inutilidade da circuncisão em todas as suas formas e se alguns discípulos tiveram dificuldades em ensinar o fim deste rito, eu me oponho formalmente a ele no capítulo III. Felizmente, em vários textos, Paulo expressa claramente a inutilidade da circuncisão (1 Coríntios 7:19; Gálatas 5:1-6). Nesta difícil passagem, os judeus apresentam uma falsa acusação ao anunciar que Paulo está ensinando a renunciar a Moisés, dizendo para não circuncidar recém-nascidos e para não seguir outros costumes. O problema é que anunciar o fim de seu templo de pedra (Atos 6:13), sacrifícios (Salmos 40:6; Hebreus 10:8) e a circuncisão judaico-egípcia é uma oposição significativa à Torá (instrução) de acordo com eles. Entretanto, nosso sujeito expressa o contrário, a torá em movimento é libertada das fraquezas e anomalias, graças aos ensinamentos de Yeshua e seus discípulos que se deixaram guiar pelo sopro santo (espírito santo). Os judeus que não se elevam ao topo acabam reagindo como a serpente de Gênesis, misturando verdade e falsidade por sua cegueira e dureza de coração (Gênesis 3:4-5 João 8:37-42): "que ensinais todos os judeus que estão entre as nações a renunciar a Moisés, dizendo que não devem circuncidar seus filhos, nem viver de acordo com os costumes".

Muitos crentes concordam com o pensamento do "judaísmo rabínico" de que as nações só têm quatro leis (Atos 15 e 21) ou "sete leis de Noé", enquanto os filhos de Israel teriam 613 mandamentos com a circuncisão. Mas escrevemos que o povo deve finalmente ter um espírito e uma lei para todos, o objetivo é não ter dois sacerdotes e dois alianças. No início da era messiânica após o ano 30, os judeus estavam obviamente presos com toda a carta de Moisés. A instrução (Torá) de Yeshua não deve ser dolorosa, isto é verdade sem os jugos (Atos 15:10) e os costumes religiosos que não são de Deus. Outros crentes "judaico-cristãos" que às vezes pensam que são filhos de Israel ou de Efraim também querem colocar em prática todas as leis do primeiro testamento para aqueles que se juntam a seu "Israel", querem vacinar todos os recém-nascidos (judeus e gregos) com a circuncisão. Finalmente, há os crentes que não são quentes nem frios em relação à circuncisão, não sabem e não se incomodam que os judeus ainda cortam o prepúcio das crianças. Espero que alguns acordem para defender os pequenos e a liberdade. A liberdade não é uma ausência de lei, mas ter o espírito da lei.

Paulo estava pronto para morrer pela maneira como ensinava (Atos 21:13) e o sopro santo lhe havia revelado que a circuncisão era inútil (assim como o fim do sacerdócio de Moisés em Hebreus 7 e 8). Mas o rito continuou entre os judeus que eram zelosos por toda a lei de Moisés, então era perigoso ensinar aos judeus que estavam presos à lei que a circuncisão estava prestes a desaparecer, pois isso teria sido mais uma razão para eles colocarem os seguidores do Messias (Cristo) à morte mais rapidamente por causa das transgressões da lei. Alguns sugeriram que Paulo não deveria subir a Jerusalém, cidade que mata profetas, porque alguns judeus sabiam dos ensinamentos de Paulo e a comunidade logo estaria em perigo se soubessem que o estavam apoiando. O que devemos fazer então", exclamou a comunidade de Jesus? Os filhos de Deus foram tão astutos quanto uma serpente (Mateus 10:22, Hebreus 11:31, Gênesis 12:10-16) seguindo as acusações contra Paulo, em nome do amor e da verdade (que os judeus não tinham). Paulo e quatro homens, nascidos sob a lei, continuaram a seguir a tradição por medo e para evitar a morte de muitos cristãos que eram fiéis à mudança de instrução (Torá). Paulo podia facilmente praticar a lei desde que era judeu, mas em sua mente, ele sabia que as coisas estavam prontas para desaparecer (a lei do regulamento). Assim, a comunidade tinha tido o cuidado de dizer que os judeus estavam errados ou que nada era verdade em sua conclusão, porque Paulo estava realmente observando a lei, ele nasceu com ela (o que é verdade por causa dos judeus, mas ele sabia em sua mente que a circuncisão não trazia nada).
Atos 21:25 Há duas traduções diferentes e escolhemos a versão curta do texto grego, a torá não é destruída e não é onerosa para os judeus e as nações da aliança do Messias (1 João 5:3), ao contrário da aliança do prepúcio cortado (Atos 15:1 e 10) e de todas as leis de Moisés. Os discípulos não estavam dizendo que estavam anulando a Torá para os homens bons das nações, então nós simplesmente lemos:
"e a respeito dos gentios que acreditaram, nós escrevemos e consideramos bom que eles se abstenham... etc.".
Eles também confirmaram a Torá para os judeus acusadores! Os discípulos aliviaram o fardo para que também seguissem a Torá sem viver "como os judeus da religião" que rejeitaram o Messias Jesus na maior parte do tempo.
Além disso, estas leis, prescritas no primeiro contrato de Moisés, são dadas de acordo com os costumes pagãos desagradáveis prevalecentes em seu tempo (muitos sacrifícios aos deuses gregos e romanos). Leia os Dez Mandamentos, todos eles são leis lógicas e agradáveis para o filho de Deus praticar, somente o dia de descanso em referência à criação pode dar lugar a debate.
Romanos 2:25-29 Paulo não está dizendo que a circuncisão seria benéfica para o cumprimento da lei, ele está dizendo que a circuncisão seria benéfica se ela ajudasse a cumprir a lei. Em outras palavras, o homem não cumpre a lei através da circuncisão. O incircunciso na carne que é circuncidado no coração é como o circuncidado na carne, também circuncidado no coração. Na verdade, somente a circuncisão do coração conta para o judeu e para o estrangeiro.
Romanos 3:1-4 Após nosso comentário sobre o final do capítulo 2, Paulo não começa a defender a prática da circuncisão externa. Paulo menciona que a circuncisão ou este povo ainda tem um ministério especial (mas para a circuncisão da carne). Os judeus têm claramente uma preeminência porque acreditaram e viveram os oráculos. A questão no versículo 1 é uma forma de se referir aos filhos de Israel: "qual é a preeminência dos judeus ou qual é a vantagem da circuncisão"?
Nenhuma, de acordo com o raciocínio do capítulo 2, mas muitas pessoas se referem à verdadeira razão de sua vantagem no versículo 2: "Grandes, em todos os sentidos (são eles), primeiro porque acreditaram (ἐπιστεύθησαν) nos oráculos". De fato, Abraão acreditava em Deus antes da prática da circuncisão, os rabinos do judaísmo dizem muitas vezes que a vantagem é ter acreditado entre as nações ou outros homens (adão). Portanto, o Eterno não quer que o povo que adotou a circuncisão e recebeu a lei seja rejeitado por causa de sua descrença. Alguns deles ainda creram e foram salvos pela fé em Yeshua (Jesus) ao serem circuncidados. Seria para anular a graça de Deus se todos os judeus fossem rejeitados, eles permanecem inevitavelmente os "primogênitos" (Êxodo 4:22, Romanos 10:19) na fé em Yeshua, não é YHWH chamado o Deus de Abraão, Isaac e Jacó (Mateus 22:32, Marcos 12:26)? Yeshua é também o primeiro à direita (poder) do trono (glória) do Altíssimo: Romanos 2:10; 9:4-5; 15:8-12, João 12:33, Apocalipse 21:12.
A razão pela qual uso nomes importantes na língua hebraica em meus textos é para lembrar aos cristãos e muçulmanos que eles não são os primeiros atores da aliança perfeita do israelita Jesus (Jeremias 31:31). Os árabes não podem usurpar o lugar de Israel por revelação infundada nas primeiras escrituras e profetas. Leia também Salmos 147:20.
Romanos 3:20 e 28 Só porque as massas transgridem a lei sagrada não significa que a graça deve ser incondicional. Na fé, é preciso arrepender-se e fazer a vontade do Eterno. É possível que aquele que realmente acreditou em Jesus e pratica obras más seja julgado mais severamente do que aquele séptico que não fez muito mal e não acredita que um sangue perdoa todos os pecados futuros. Aqueles que acreditaram não estão "cobertos pelo sangue de Cristo" em comparação com os injustos de 1 Coríntios 6:9. Pela fé, o homem se coloca no caminho estreito da vida e deve ir adiante com amor e medo (2 Coríntios 7:1; Provérbios 2:5-6). O arrependimento é uma importante primeira obra do homem.
Romanos 4:3-8 É verdade, mas esta fé exige a observância dos mandamentos, caso contrário, ela está morta. Abençoado é o homem que é perdoado livremente de suas más ações pela fé, Deus é amor e tem misericórdia. Mas ele também é justo e ama aqueles que fazem sua vontade. A fé requer uma obra contada pela justiça (Salmo 106:30-31). Em Gênesis 26:5, Abraão continua a praticar a Torá (obviamente não todas as leis da carta de Moisés) e os preceitos de Deus, ninguém deve ensinar que ele é salvo sem obras de fé. Digamos que só a fé nas palavras do Eterno justifica sua prática do bem e o torna santo (Hebreus 11, Mateus 12:3-6).
Romanos 6:1-2 A graça anula as conseqüências das transgressões contra a lei santa, sem que a lei santa seja abolida (Romanos 6:14-17). O objetivo é tornar-se santo como o D.eus de Jesus, nosso D.eus (João 20:17).
Não diga que o homem não pode desistir do pecado durante sua vida e que ele é "justo" porque está sempre coberto pelo "sangue precioso de Jesus".
Romanos 7:15
[Romanos 7:1-7]
O início do capítulo explica que o primeiro marido (primeiro testamento) deve perecer para que a esposa se case com outro (Novo Testamento), para que não acabemos com uma falta de lei com o novo marido. Uma mulher não é livre para se corromper desobedecendo aos mandamentos, portanto, não pense que haverá um terceiro marido. A liberdade em Cristo não é a liberdade de profanar a lei divina, Jesus não apaga os mandamentos ou cobre os pecados futuros com sangue mágico. A liberdade é o espírito de Deus que nos liberta do pecado, não somos mais escravizados ou atraídos a fazer o mal. Liberdade é compreender o jugo de uma religião e de leis imperfeitas. É errado entender que o apóstolo Paulo estava sempre fazendo o mal que não queria fazer (Romanos 7:15)! Paulo estava muito unido a Cristo, ele não vivia no círculo vicioso das paixões da carne. Ele estava se tornando a imagem do Messias. O versículo 15 deve, portanto, ser entendido à luz dos versículos 7 e 9. Paulo se identifica com a humanidade que evolui como uma criança antes de seus pais. Tornamo-nos conscientes do bem e do mal, de nossos erros e assim por diante.
Os pronomes pessoais "você" (versículo 3), "nós" (versículo 5) e "eu" (versículo 7) representam a humanidade em seus diferentes estágios de vida diante de Deus. Paulo se identifica com eles, conosco, com Jesus, porque somos todos da mesma natureza. O primeiro testamento também justifica os justos pela fé (Salmos 19:12, Romanos 4:22), o Eterno é bom e amoroso, a armadilha é enfraquecer a fé e o amor à glória na lei da letra por um legalismo religioso e acréscimos de leis incompreensíveis.
Romanos 8:2 Este espírito não nos liberta da prática de leis santas, mas do pecado (Romanos 6:6, 12, 19; Romanos 7:7; João 8:34).
Romanos 10:4 A fé em Jesus Cristo é o objetivo ou o fim da lei. É bom seguir a lei pela letra, mas é melhor segui-la pela mente do Messias.
Romanos 14:2-6
[Romanos 14:20-23
Revelação 2;14-20]
A "fraqueza" não está relacionada com a escolha de comer carne oferecida aos ídolos, é uma proibição (Atos 15:29). Tampouco se trata da distinção entre comida limpa e impura. Trata-se dos julgamentos entre aqueles que decidem se privar de comer certos alimentos em determinada época do ano e aqueles que comem tudo (ainda de acordo com os alimentos permitidos por lei). Por exemplo, alguns crentes começam a jejuar sem que a Bíblia lhes peça isso, eles se tornam fracos para Deus (Noemiah 1:4) e não devem ser julgados por suas regras. O capítulo inteiro não menciona o dia de descanso (sábado), incluindo o versículo 4.
1 Coríntios 3:11-17 Do versículo 11 ao 15, o texto não fala de um julgamento de vida ou morte, fala da recompensa sobre a fundação do Messias (Mateus 25:21-23; 2 Timóteo 2:20; 1 Timóteo 4:6, 2 João 1:8). O Eterno não destrói necessariamente aqueles que construíram mal em sua fé (Tiago 3:1, Gálatas 6:1-2). Por outro lado, os versículos 16 e 17 não mais falam de recompensas, Paulo chama por temer ao Eterno e ser santo no templo (1 Coríntios 6:16, Números 19:20, 1 Coríntios 6:9; Levítico 20:3). É o líder que decide o grau de transgressão para um corte da congregação, ele conhece os corações.
1 Coríntios 5:5 Cuidado com o erro e as obras más (Apocalipse 2:14-20; 2 Coríntios 12:20-21 e 13:1-2), Paulo remove este homem da comunhão de Cristo, entregando-o nas mãos do adversário, Satanás ou o mal. Em outras palavras, ele está sem a proteção de Deus para que possa tomar consciência de seu grave pecado, o tormento e a ausência do Eterno pode trazê-lo à razão. Paulo espera que seu espírito se arrependa verdadeiramente e que o Eterno ainda decida salvá-lo, apesar de sua impureza nos dias de sua carne. O calvinismo acredita que este homem mau (versículo 13) já tem a vida eterna e que já está salvo "em espírito". Outros dirão às vezes que ele não tinha realmente fé, negando que ele realmente acreditava antes.
1 Coríntios 7:18 Como uma pessoa circuncidada ficaria incircuncisada? O comentário bíblico do púlpito escreve: "os judeus helenizantes no tempo do sacerdote Menelaus haviam descoberto um processo que obliterava a aparência da circuncisão; essas pessoas eram conhecidas como Masochim". A circuncisão não é nada, o importante é a observância dos mandamentos (versículo 19).
1 Coríntios 8:1-13 As epístolas aos Coríntios proíbem a idolatria (1 Coríntios 5,9-11; 6,9; 10,1-13) e o espírito do Messias adverte a assembléia que come carne sacrificada aos ídolos (Apocalipse 2,14). Então, por que Paulo deixaria os irmãos comê-la aqui? Paulo adverte os crentes para não comerem carne sacrificada aos ídolos, mesmo que saibam que o Eterno é o único Deus. Um ídolo não é nada e os falsos deuses não podem envenenar a carne de Deus, mas este conhecimento não dá liberdade para comê-la (Atos 15:29), especialmente por causa dos mais fracos na fé (uma fé verdadeira) que poderiam voltar à idolatria.
1 Coríntios 9:20-21 O apóstolo Saul da tribo de Benjamim vivia como os fariseus antes de sua conversão, de modo que ele podia facilmente discutir com os judeus para defender a doutrina do Messias. Se Paulo tornou-se como um judeu com o judeu, isso não significa que ele não seja um judeu por natureza, mas que ele praticou as coisas da maneira dos judeus que não transgrediram a Torá. Paulo pôde praticar as leis do pacto com Moisés desde que nasceu sob a lei do primeiro pacto, como Jesus. Mas ele sabia o que estava pronto para desaparecer a fim de ensinar aos bons homens das nações. Por exemplo, ele ainda podia ir ao templo existente daquela época (Atos 21:26). Não se deve assumir que Paulo comeu um porquinho com os homens bons dos gentios e não comeu mais nada impuro com os judeus. O importante para ele era adaptar-se ao povo a fim de atraí-lo a Cristo, sem transgredir os perfeitos mandamentos da lei de regulamentação. O importante para ele era adaptar-se ao povo a fim de atraí-lo a Cristo, sem transgredir os mandamentos perfeitos da lei de regulação.
2 Coríntios 3:6-9 Ambos os pactos são gloriosos, um manifesta a lei sagrada que condena o pecador, o outro manifesta a graça. O ministério do espírito é muito maior do que o da letra (da qual muitos têm dificuldade de romper). A diferença não é apenas o suporte da lei (pedra/coração), é também a forma de vivê-la e compreendê-la, daí o título do meu assunto: o espírito da lei.
Gálatas 1:13-16 Vamos distinguir a fé através do Yeshua e através da religião do judaísmo com seu costume (Atos 6:13, Hebreus 7:18) e tradição. Seguir à letra a lei de Moisés é necessariamente um problema, já que a instrução (Torá) veio através do Yeshua (Isaías 2:3) para limpar e aperfeiçoar a lei. Paulo não mais raciocinava segundo o judaísmo, mas continuava os costumes de Moisés (Atos 28:17) por amor e medo dos judeus incrédulos. A destruição do sacerdócio de Moisés acontecerá no ano 70. Paulo não mudou a instrução perfeita (Torá). Muitos cristãos imaginam que ele comeu comida impura com os gentios e guardou a lei com os judeus (1Coríntios 9:20-21), isto é falso.
Gálatas 2:4 O problema não é a observância de bons e justos mandamentos (Mateus 19:17, Romanos 3:31, Apocalipse 14:12) da lei reguladora. A escravidão é principalmente a circuncisão e a obediência a todas as leis de Moisés para justificação. O espírito do messias não é liberdade para transgredir a lei, é liberdade seguindo o perdão e um espírito de sabedoria para se aproximar do caminho da fé e da lei no amor.
Gálatas 2:11-14 O termo "judaizar" expressa o pensamento e o fazer do judaísmo dos rabinos, não a prática dos mandamentos. Pedro tinha se comportado mal ao viver da maneira do judaísmo para com os homens bons das nações (Atos 10:28).
Pedro obviamente não comia carne de porco ou camelo com os bons homens das nações. Notamos a grande influência dos judeus que poderiam se tornar perigosos.
Gálatas 2:15-21
[Gálatas 3:1-5]
Mesmo o pacto com os judeus mostrou que eles não podiam seguir sua lei do pacto de Moisés (Isaías 29:13). Estando em erro, em Cristo, não devemos reconstruir estas coisas e nos justificar da mesma forma! A fé no Eterno nos faz melhores (em pensamento e prática) diante do Altíssimo bendito seja Ele, isso é o que Ele ama. É preciso um espírito que transforme o homem interior (Romanos 2,12-13). O Eterno busca os corações, julga de acordo com o que temos recebido. O fim da ordenança e da lei que condena é o amor e a transformação em santidade (1 Timóteo 1:8-9).
Gálatas 3:6-7 Foi a fé de Abraão que agradou ao Eterno, Abraão já estava obedecendo à instrução (Torá) do Eterno em sua fé, antes da aliança através de Moisés (Gênesis 26:5).
Gálatas 3:12
A fé não procede da lei, mas sim o contrário. É senso comum que a fé exige que façamos boas obras e sigamos os mandamentos. A lei pode perder seu nível espiritual e significado se for praticada pela cultura, sem a inteligência e a sabedoria da fé no Eterno.
Gálatas 3:17-26
Antes do primeiro pacto, já havia uma promessa para Abraão que não vivia sob todas as leis de Moisés. Abraão tinha fé e procurou agradar ao Eternor, apesar de suas imperfeições. O Eterno não retirará suas promessas por causa daqueles que transgridem a santa lei, porque a promessa é baseada na fé e no amor. A mensagem de João e Jesus é precisamente o pedido de arrependimento e fé nas palavras do Eterno através de Yeshua, o povo havia pecado contra o pacto de Moisés. Aquele que ama God deve fazer sua vontade (1 João 2:29, Mateus 26:42). A lição da lei é, portanto, orientar o povo para o messias, muitos pontos ensinados pela lei por causa da maldade desaparecem no homem cumprido. É claro que não se trata de destruir as leis universais, mas de colocar as leis perfeitas no coração e não na pedra para ser talhada.
Gálatas 4:9-10
Os rudimentos fracos podem ser os das religiões (Atos 17:23, 1 Timóteo 1:3), mas o contexto fala mais dos princípios do primeiro contrato (Hebreus 9:10)
Gálatas 5:4-5 A circuncisão do prepúcio ainda é o problema (versículo 2), é lógica e simples, não somos justificados por este tipo de rito que exige a prática de toda a carta de Moisés. Ao retornar a um legalismo religioso do primeiro contrato que já nos acusa, permanecemos sob o jugo de leis que são inúteis para a vida com G-d. Em outras palavras, a obra do Messias é de pouca utilidade, permanece em julgamento sob as obras da lei (de Moisés). Ser caído da graça no Messias também não é sinônimo de morte para todos os indivíduos.
Efésios 1:13-14
[Efésios 1:4; 4:30]
Os crentes selados do primeiro século ainda não estão na vida eterna, são marcados e protegidos pelo trabalho do messias que os salva de suas transgressões passadas. O sopro santo anunciado por Joel (Joel 2:28-32) os transforma, eles devem permanecer fiéis (João 3:15-16 e 36) até "a herança" ou "a promessa". Eles estão em batalha no deserto, portando armas divinas para evitar as flechas do mal (1 Pedro 1:3-9; Romanos 8:25). Se permanecerem fiéis, têm a certeza de alcançar a terra prometida, pois o Eterno não mente.
Com relação a Efésios 1:4, aqueles selados e marcados pelos dons do Espírito Santo para serem membros do corpo de Cristo não foram selados por Deus desde a criação de Gênesis, é sua primeira obra (arrependimento) que os coloca e os sela no plano divino desde o início da criação que resulta no homem completo, o corpo do ungido, o amado de Deus. O arrependimento é uma obra humana que responde à graça divina (nada compra esta graça). Deus não predestina o homem a viver pela sua graça e outros a morrer, ele não quer decidir quem se arrependerá e quem se tornará endurecido. Não somos robôs controlados à distância e YHWH não é um deus sádico para trancar todos em pecado (Gálatas 3:22; Romanos 11:32). Efésios 4:30 indica que não devemos chorar o espírito até a redenção, ou seja, não devemos caminhar como as nações (versículos 16-18).
Efésios 2:8-9 A ajuda não vem do trabalho daqueles que quebraram um contrato, ela vem através das palavras do homem realizado, Jesus. Os injustos devem pedir perdão e mudar pela fé naquele que foi feito senhor (Atos 2:36) pelo Senhor Eterno. A necessidade de fazer a vontade do Eterno para responder ao dom de Deus (graça) é primordial, e começa com o trabalho de arrependimento, simbolizado pelo batismo.
Efésios 2:11-12 O ritual era realmente um problema e um muro para as nações, a circuncisão do prepúcio pela mão humana não faz parte do pacto do Eterno e de seu ungido.
Filipenses 1:27 Há apenas um evangelho que é pregado aos circuncidados e incircuncisos do prepúcio (1 Tessalonicenses 2:2).
Colossenses 2:14-23
[Gálatas 4:8-10]
Os crentes não devem voltar às ordenanças do primeiro pacto mosaico posto em prática por causa de nossa fraqueza, porque o objetivo é viver do trabalho perfeito e do pensamento do messias que colocou sobre o corpo a natureza divina (nós também entramos nesta economia de vida divina com ele). Esta mudança é definitiva e não devemos voltar ao sacerdócio e, portanto, à aliança com o Mosaico (ler capítulo IV, Hebreus 7 e 8). Quanto aos novos convertidos das nações, eles não devem retornar a um sistema religioso que substitua o espírito do Messias.
Colossenses 2:14-16 não ensina a eliminação dos mandamentos perfeitos, como explicamos no capítulo II. O Messias floresce das transgressões e muda o sacerdócio. Podemos dar o exemplo da carne e bebida mencionada em Hebreus 9:10 ("carne e bebida"), portanto não fazemos nenhuma conexão com uma classificação natural de animais na natureza.
Colossenses 2:17-18 nos diz que esta é uma sombra do que está por vir, porque praticar as festas sem convicção à maneira dos judeus no novo pacto é apenas uma imagem de algo maior: o corpo é o Messias, a nova criação com as promessas. Não devemos condenar sobre este ponto.
Colossenses 2:21-22 não fala das carnes limpas e impuras mencionadas no Levítico 11, mas de mandamentos humanos, religiosos (1 Timóteo 4:3, Atos 23:21, Romanos 14:1-6;17).
1 Timóteo 1:6
[1 Timóteo 6:20]
Não foram apenas as pessoas que não tinham fé que se afastaram do caminho e derrubaram a fé de alguns (2 Timóteo 2:18). Escrevo isto por causa da doutrina do Calvinismo que ensina que aqueles que realmente acreditaram uma vez nunca podem perder a entrada na vida eterna e/ou que aqueles que não entram na vida não tiveram realmente fé.
1 Timóteo 2:4-6 Deus não predestina os homens a perecerem, Ele deseja que o homem (adam) escolha fazer sua vontade. Os homens que o procuram e naturalmente praticam a lei (Romanos 2,14) sem conhecer a história do povo de Israel são amados por Deus. O Eterno chama para si aquele que busca o Ser Supremo, criador do céu e da terra (Eclesiastes 3:11, Salmos 19:1, Romanos 1:19-20, Atos 17:22-29).
2 Timóteo 2:10-12 É possível negar Deus depois de caminhar com Ele, as conseqüências variam de acordo com sua severidade (Mateus 26:35; Provérbios 30:9; Apocalipse 2:13). Versos contra o ensino do calvinismo de que os eleitos já têm vida eterna.
Hebreus 4:7-8 O sétimo dia da semana é a era e a área de descanso no início da criação, este dia é reproduzido em escala humana, em um calendário humano, em memória da criação. Os hebreus e egípcios que saíram do Egito consideraram sua dimensão celestial e terrestre e não tinham a intenção de parar o sábado semanal (descanso do dia da semana) depois de entrar na terra prometida. Cristo é também a porta para o novo descanso e nós não cancelamos o bem de um dia de descanso em nossa vida atual, nós ainda vivemos em uma semana onde trabalhamos, compramos e vendemos. É bom levar um dia para nos desligarmos da moagem diária e pensarmos em glorificarmos juntos o criador do céu e da terra.
Hebreus 8:12-13 É um perdão em relação ao primeiro pacto (Miquéias 7:19), então é necessário mudar a mente. Não imaginemos um perdão incondicional para qualquer obra ruim futura.
Hebreus 9:10; 10:14 Sem dúvida, este é o sacerdócio inteiro, uma grande parte do convênio do Mosaico. Este sistema de lei é imperfeito (Hebreus 7:18). Nos capítulos II e III, explico que outras leis surgiram por causa da dureza do coração do homem, muitas vezes em imitação das nações, dando-lhes outro significado.
Hebreus 10:1-10
[Hebreus 7:12 e 18]
O Eterno não precisa de "sacrifícios", aquele que oferece todo seu ser ao Eterno dá uma oferta muito mais preciosa (o sangue precioso do Messias). Esta oferta é de dentro, ela tira (versículo 9) e abafa a primeira maneira de abordar a lei na primeira aliança (Moisés levou o sangue dos animais.). O que era imperfeito estava pronto para desaparecer.
Titus 3:7-8 A vida eterna é sempre uma esperança e devemos aprender a fazer boas obras.
Tiago 1:12 A fé é o fundamento e é preciso ser fiel à instrução (Torah) para manifestá-la. A fé não é fidelidade, ela requer fidelidade. A coroa é a realização da vida eterna, não a temos até o fim.
Tiago 2 Muitas vezes utilizado pelo calvinismo, este capítulo explica o oposto de sua crença. É preciso guardar os mandamentos (versículo 11) e as boas obras (versículo 24-25) para justificar a fé.
1 Pedro 2:24 O cordeiro carrega o salário do pecado de acordo com a lei de Levítico 16:22. Ele não assume fisicamente todos os pecados passados e/ou futuros de todos os homens que se arrependem, ele é uma imagem forte para a consciência do homem a nível individual e coletivo. É o espírito e a palavra que dão vida, o trabalho é o testemunho importante, a realização.
1 João 1:5-7 Aqueles que falam a verdade são aqueles que reconhecem ou confessam seus erros e pedem perdão. Eles mudam porque a mesma unção que o ungido de Deus tem sobre eles, este é o caminho da santificação. Devemos parar de usar este versículo para acusar os fiéis de pecar sempre, quando eles são cada vez mais parecidos com o messias que não peca. O versículo 6 está relacionado ao versículo 8 e o versículo 7 ao versículo 9.
1 João 1:8 O versículo é apenas sobre aqueles que caminham na escuridão (versículo 6), não lembram constantemente ao homem ou à mulher de Deus que eles devem sempre pensar que são pecadores, enquanto caminham em linha reta no caminho do Eterno. Todos sabem que só Deus é originalmente bom e incorruptível. Não deixe que alguns calvinistas menosprezem o humano de Deus, dizendo que vocês são pecadores que não podem ser verdadeiramente santos na "carne".
1 João 3:1-7 A fé traz esperança, purificação e preservação do mal, a fim de aproximar-se do Pai.
Apocalipse 14:12 O versículo não se dirige apenas aos judeus, mas a todos aqueles que querem seguir os mandamentos de Deus E a fé em Jesus, sejam seus imitadores (1 Coríntios 11:1).


Obrigado por respeitar o trabalho realizado, compartilhando o link deste site.


¹ "The Creator and the Cosmos" (O criador e o Cosmos), Hugh Ross, 1995

2 "Marked in your flesh, circumcision from Ancient Judeo to modern America", pagina 17-18, Leonard B.Glick, 2005.


www.desertpath.net

Kevin FOUQUERE

também chamado Hans

Novembro 2021